Resenha - Stench Of Carnage - Deformed Slut

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quando existe a dificuldade em encontrar uma formação adequada para dar continuidade aos trabalhos, resta às bandas ir trocando seus integrantes até encontrarem uma sintonia satisfatória a todos. Pois bem, tendo iniciado suas atividades em 2006, o paranaense Deformed Slut também passou pela irritante troca de músicos, com tal desgaste que culminou na decisão de se tornar um projeto com apenas dois mentores, que se limitasse somente aos estúdios e não tocasse ao vivo.

The Voice: candidato faz power metal cantado em portuguêsAC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?

E foi com esta linha de ação que as coisas começaram a fluir apropriadamente, com Adriano (voz) e Alex (guitarra, baixo e bateria programada) liberando a demo "Cadaveric Carcass" em 2008, que mostrou o potencial do Deformed Slut em se tratando de música extrema com temas gore e splatter. A boa repercussão estimulou ainda mais os esforços em preparar um álbum completo, o que resultou neste muito bom "Stench Of Carnage".

Tendo os primórdios do Death Metal como diretriz, o Deformed Slut trabalha com desenvoltura o andamento e as várias mudanças de ritmos de cada uma das oito composições de "Stench Of Carnage", conseguindo proporcionar diversidade e um obscuro dinamismo ao longo dos 25 minutos de audição. E os grandes méritos recaem diretamente sobre as linhas vocais profundamente cavernosas e (quase) compreensíveis, além dos riffs vigorosos e bem desenvolvidos.

E, ainda que o uso de uma bateria programada nunca gere um áudio totalmente orgânico, é inegável que a produção está muito boa, tanto que a truculência de "The Monstruous Monochromatism", "Disemboweled", "Gun Of Annihilation" e "Slashing Your Flesh (In Fillet)" se destacam e poderão manifestar imagens bem doentias - e dá-lhe assassinatos violentos - no mais sério dos psicólogos.

Inacessível até o último sopro de vida, "Stench Of Carnage" é um debut que, antes mesmo de estar finalizado, já havia recebido sinal verde para ser lançado não somente no Brasil pela Rapture Records, mas encontrou distribuição nos Estados Unidos através da Sevared Records e na Europa via Pathologically Explicit Recordings. Indicadíssimo aos amantes das amenidades macabras de Obituary e Cannibal Corpse!

Contato: www.myspace.com/deformedslut

Formação:
Adriano - voz
Alex - guitarra, baixo e bateria programada

Deformed Slut - Stench Of Carnage
(2011 / Rapture Records - nacional)

01. Necrobscurity Necrophile
02. Rotten Mutilated Devoured
03. The Monstrous Monochromatism
04. Disemboweled
05. Gun Of Annihilation
06. Stench Of Carnage
07. Cadaveric Carcass
08. Slashing Your Flesh (In Fillet)


Outras resenhas de Stench Of Carnage - Deformed Slut

Deformed Slut: Metal Extremo brasileiro em altaDeformed Slut: Bom trabalho Brutal Death Metal em estreiaDeformed Slut: Abrir caminho na cena do Brutal Death MetalDeformed Slut: Peso, velocidade, técnica e muita ousadiaDeformed Slut: Álbum quebra pescoços e paradigmas



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Deformed Slut"


The Voice: candidato faz power metal cantado em portuguêsThe Voice
Candidato faz power metal cantado em português

AC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?AC/DC
Como Angus responde a um copo de cerveja atirado?

Rockstars: Os 50 mais ricos do planetaRockstars
Os 50 mais ricos do planeta

Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioMegadeth: "Magia negra arruinou minha vida", diz MustainePra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 1995Guns N' Roses: Éramos mais Judas Priest que o Judas Priest!

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.