Astafix: Simples, mas profissional e de boa qualidade

Resenha - Live In São Paulo - Astafix

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Franceschini, Fonte: Blog Arte Metal
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Astafix (famigerada banda do ex-guitarrista do CPM-22) lançou apenas um disco, o bom “End Ever” (2009), e já soltou no mercado um DVD. Apesar de achar o projeto precipitado – poderia ter rolado mais um álbum aí – o trabalho mostra que se pode apresentar um bom trabalho audiovisual de forma simples e sem frescura.
5000 acessosOs fãs mais chatos do mundo da música5000 acessosRolling Stone: as 100 melhores músicas de guitarra

Gravado no CB Bar, no dia 4 de setembro de 2010, “Live In São Paulo” foi dirigido e editado por Ben Hur e mixado e co-produzido pelo próprio guitarrista Paulo Schroeber. O show mostra claramente e intimamente a performance da banda sobre o palco, que parece tímida no início, mas vai se soltando durante a apresentação, onde quase todo o álbum “End Ever” é apresentado.

O trabalho individual de cada músico é bem destacado, mostrando que a banda tem coesão e reproduz fielmente, porém com mais peso, suas composições. “Live In São Paulo” também serve para calar a boca de alguns que insiste em dizer que a banda soa New Metal, o que fica bem claro não ser verdade, já que possui uma pegada de Thrash moderno com muito groove, mas nenhuma influência de hip hop que tanto acomete o polêmico gênero norte-americano.

O vocalista e guitarrista Wally interpreta bem as composições, além de segurar bem nas bases, enquanto Paulo Schroeber detona nos solos, que são simples, mas muito bem encaixados, como o estilo pede. A cozinha formada pelo batera Thiago Caurio, que tem uma boa pegada, e pelo baixo estremecedor de Ayka (que detona belos e guturais backing vocals) dão peso extra às músicas.

Os bons momentos do show surgem nas faixas False Eyes, End Ever e The Havoc Clutch que curiosamente é uma sequência triunfal. O groove e a boa levada de Drown Your World caiu como uma luva ao vivo, mostrando um dos momentos mais tenso da apresentação, sem contar o ótimo solo de Paulo. Desert Eyes, definitivamente minha preferida, e a pauleira Desordem e Retrocesso fecham a apresentação em alto nível.

A ressalva do show fica por conta de Wally (que deve ter ficado mal acostumado do lado direito do palco em sua ex-banda) ainda estar um pouco tímido e de não haver captação de imagem da plateia, pois seria interessante checar a reação do público de vez em quando. Mas é um bom vídeo e simplesmente bem produzido.

O DVD ainda traz os ótimos clipes de Red Streets, onde o personagem é um homem bomba rumo ao seu trabalho nada habitual, e Desordem E Retrocesso que é mais dinâmico e tão bem interessante quanto o primeiro. Ainda há um breve documentário onde a banda explica como foi o início, uma versão mais simples para o clipe de Red Streets, além do Making Off da mesma.

“Live In São Paulo” é um trabalho feito de forma simples, mas muito profissional e de boa qualidade, onde só poderia ser melhor se a banda tivesse lançado mais um disco aumentar o bom repertório que a banda possui. Vale à pena conferir!
http://www.astafix.com/

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Live In São Paulo - Astafix

1150 acessosAstafix: Energia bruta e uma atuação excelente dos músicos

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Astafix"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 09 de junho de 2012

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Astafix"

Do Pop ao MetalDo Pop ao Metal
Os fãs mais chatos do mundo da música

Rolling StoneRolling Stone
As 100 melhores músicas de guitarra

GrammyGrammy
"Master Of Puppets" é tocada após Megadeth ser anunciado vencedor

5000 acessosBlack Sabbath: inspiração para o Restart?5000 acessosNikki Sixx: "transei com a mulher do Bruce Dickinson"5000 acessosSexo Anal: saiba onde encontrar esse prazer no cenário Rock5000 acessosHetfield: "St. Anger não funcionou muito bem"3328 acessosMetal Sucks: 9 coisas que músicos nunca dizem3203 acessosHelloween: Jack O. Lantern não foi o primeiro mascote da banda?

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online