Iron Maiden: "Killers", muito além dos filhos do ódio

Resenha - Killers - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Guilherme A. Ferrari
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Após 30 anos de estrada e uma trajetória impecável no Heavy Metal, O Iron Maiden lançou álbuns inesquecíveis, entre eles “Killers (1981)” merece destaque. Não só pelo hino “Wrathchild”, mas pela qualidade sonora ainda que prematura da banda, e por ser fator decisivo na definição de estilo e compreensão do gênero que observamos hoje.
773 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa5000 acessosCorey Taylor: sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch

O ano era 1981. O rock estava em alta (vide “Diary of madman” – OZZY OSBOURNE,“Moving Pictures” - RUSH, “Tattoo You” – THE ROLLING STONES como exemplo), o Heavy Metal nascia mas os estilos oscilavam quando Steve Harris e sua trupe, após o excelente “Iron Maiden (1980)”, se firmaram num som ainda mais rápido e pesado, mas ao mesmo tempo incrivelmente harmonioso, com a peculiaridade punk que seu vocalista PAUL DI’ANNO conferia, num álbum único e inesquecível. “Killers” foi um pilar incontestável para a difusão da vertente mais amada do Rock’n‘Roll , apresentou ao mundo o talento de Adrian Smith (substituindo Dennis Stratton) e de praxe foi o marco inicial de Martin Birch, um dos produtores musicais mais renomados de todos os tempos, que encabeçou a partir dali a produção da Donzela até “Fear Of The Dark (1992)”.

“The Ides Of March” é o instrumental que abre o disco. Os rudimentos simples de Clive Burr casam pefeitamente com os longos melódicos de Dave e Adrian. O resultado é uma abertura seca e empolgante, onde a “mutilação” do Killers tem início. “Wrathchild“ dispensa comentários. O baixo insano de Steve, as guitarras vibrantes de fundo, a virada simples de Burr num dos refrões mais grudentos da donzela, a rebeldia de Diano que praticamente “esmurra” o estômago do ouvinte, fazem desse um dos maiores clássicos da banda e propriamente merecido reconhecimento dos fãs. “Murders In The Rue Morgue” é outro som que “obriga” a banda a seguir os compassos acelerados do baixo de Harris. A introdução é como o doce que o assassino oferece antes de “explodir” o ouvinte com mais um refrão memorável. A letra é das melhores do disco baseada na obra homônima de Edgar Allan Poe, um clássico da literatura inglesa.

“Another Life” é a machadinha que parte a cabeça em mil pedaços. A canção esbanja solos incríveis, mostrando o entrosamento ainda cedo, mas já em grande sintonia de Dave e Adrian que se firmariam sem dúvida entre os melhores guitarristas do estilo e a passar pelo MAIDEN. ”Genghis Khan” tem uma sonoridade curiosa, aproxima-se de uma agradável passagem de som disponibilizada aos fãs. Sem solos muito elaborados é um instrumental simples e eficiente, uma deixa para o “aguarde” do ouvinte.

Em ”Innocent Exile” as metralhadas de Steve retomam como balas que penetram o corpo e a alma de quem pode ouvir. Aqui vemos um MAIDEN mais cadenciado, porém com um harmônico absolutamente indefectível. Quanto a “Killers”, é realmente brilhante. Mais uma exibição de gala em harmonia de Dave e Adrian. Steve em mais uma linha incansável. Di’anno inesquecível. Não à toa essa canção detém o posto da matança de 1981.

Na sequência, “Prodigal Son” é o pedido de perdão. Com andamento calmo e riffs instigantes, Di’aano também é destaque, com grande desempenho agora numa faixa suave e calma. ”Purgatory” retoma a velocidade e o peso. Aqui Di’anno descarrega o restante de sua energia punk . As guitarras afinadíssimas, o baixo em velocidade ímpar, a bateria de Clive como rodas para fugir do Purgatório e o refrão mais que contagiante confere a esse som um dos preferidos dos velhos (bons) fãs e uma das melhores do disco.

”Drifter” fecha a conta com a harmonia encontrada e definida. Mais guitarras afinadas, mais baixo intenso, e a despedida em êxtase de PAUL DI’ANNO nos seus melhores tempos em sua última gravação com a Donzela.

Dessa forma, Killers é sem dúvida um marco em toda a história do heavy metal. Um disco que é frequentemente lembrado pelos fãs por “Wrathchild” e esquecido nos shows da banda desde meados de 2005 merece uma visão e revisão, e principalmente respeito. Merece ser lembrado e DEVE ser ouvido por qualquer fã, seja de Rock ‘n’ Roll, Metal ou de qualquer outro gênero que aprecie a música de qualidade, feita numa época eternizada e decisiva para a história cultura mundial. Sem mais, KILLERS é daqueles para você guardar como relíquia e passar para o seu filho despertar os “assassinos” quando Gusttavo Lima, Michel Teló e afins insistirem em tentar “pegá-lo”.

Track-List

1. "The Ides of March" (instrumental)
2. "Wrathchild"
3. "Murders in the Rue Morgue"
4. "Another Life"
5. "Genghis Khan" (instrumental)
6. "Innocent Exile"
7. "Killers"
8. "Prodigal Son"
9. "Purgatory"
10. "Drifter"

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Killers - Iron Maiden

3526 acessosIron Maiden: uma das mais influentes duplas de guitarristas5000 acessosTradução - Killers - Iron Maiden

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 01 de junho de 2012

Iron MaidenIron Maiden
Show do Ghost é melhor, diz reportagem

773 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa465 acessosIron Maiden: Iron Maiden Ex Libris aborda as letras da donzela427 acessosThunderstick: ex-batera do Samson e Iron Maiden lançará novo disco0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Há 33 anos Bruce subia ao trono e expandia o império

Bruce DickinsonBruce Dickinson
"Eu deveria ter nascido em 1898, e não 1958"

Iron MaidenIron Maiden
Bruce Dickinson detonando os Reality Shows

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"0 acessosTodas as matérias sobre "Paul D'ianno"

Corey TaylorCorey Taylor
Sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch

Bruce DickinsonBruce Dickinson
"Olhei para o Paul Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"

U2U2
As 10 melhores músicas de todos os tempos da banda

5000 acessosHair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesado5000 acessosSeparados no nascimento: Ian Hill e Stênio Garcia5000 acessosBlack Metal: o cotidiano fascinante dos fãs adolescentes5000 acessosBon Jovi: Richie fala do ultimato de Jon que o tirou da banda5000 acessosKerrang: os melhores singles já lançados5000 acessosAfro-Americanos: 10 nomes que estão destruindo no metal

Sobre Guilherme A. Ferrari

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online