Death: Responsáveis por elevar a música pesada a novo nível

Resenha - Discografia comentada - Death

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Pimentel, Fonte: Hangover Music
Enviar Correções  

No dia 13 de dezembro de 2001, em meio a uma forte pneumonia - cujos danos foram intensificados devido a um corpo fragilizado por um tumor cerebral - morrera um dos artistas mais representativos da música pesada. Através deste post, tentarei - tentarei, pois é uma árdua tarefa, convenhamos - comentar a discografia do "Death"como forma de homenagem a um dos músicos mais intrigantes que o heavy metal já vira, Chuck Schuldiner.

Lista: álbuns de metal extremo sem uma única música fracaDimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do Kiss

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Utilizando o "Death" como seu principal catalisador musical, Schuldiner foi um dos principais responsáveis por elevar a música pesada, tanto em sua terra natal (Estados Unidos) como em todo o mundo, a um novo nível. Um nível ainda mais agressivo, mais extremo que nunca. Nível este que ganhou a alcunha - apesar do desprezo que Schuldiner nutrira pela rotulação musical - de Death Metal.

Com o passar do tempo, o "Death", verdade seja dita, se transformou em uma espécie de projeto solo de Chuck Schuldiner; mesmo que dividisse a companhia de ótimos músicos - ao menos no sentido musical e técnico, eram -, as composições, os detalhes e a palavra final pertencera sempre a seu líder. Logo, partindo desse príncipio - ou seja, sabendo que Chuck é o 'engenheiro' do som do "Death" -, que deve-se tentar compreender a obra da banda.

No que tange a discografia oficial, que compreende sete álbuns de estúdio e dois registros ao vivo, o "Death" possui uma das mais singulares na história do heavy metal; há uma nítida evolução em cada lançamento, seja nas letras, no instrumental, em arranjos ou nos detalhes de produção. O "Death" não seguiu tendências, apenas evoluiu, tal como Chuck crescia como músico e pessoa, sendo, portanto, um reflexo musical do que Chuck era.

1 - Scream Bloody Gore (1987)



Tendo as guitarras, vocais e o baixo gravados por Chuck Schuldiner - Chris Reifeirt fora responsável pela bateria -, "Scream Bloody Gore" apresenta o "Death" em sua forma mais crua e agressiva possível. Apesar das faixas não apresentarem muitas variações, em estrutura, e ser perceptível a similaridade entre os riffs mais rápidos, o álbum consegue prender o ouvinte, principalmente, por causa dos seus refrões - ouça "Denial of Life" e "Zombie Ritual" - e riffs grudentos - vide "Infernal Death" e "Land of No Return".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em contrapardida, músicas como "Baptized in Blood" e "Torn to Pieces" exibem esqueletos do que seria o death metal em seu formato mais tradicional, além de serem 'belos' exemplos da agressividade transmitida pelo vocal gutural de Schuldiner. Influências de bandas como "SLAYER", "BLACK SABBATH" e "VENOM" são notórias nos primeiros riffs de Chuck.

O debut do "Death" diferenciou-se de outros pioneiros do gênero - como o 'Seven Churches' (1985), do "POSSESSED" - por possuir, além da rapidez e crueza aliada a riffs "arrastados", elementos melódicos comuns ao heavy metal tradicional. Exemplos? As introduções melódicas, uma das grandes características da banda - algo que viria a ser mais exploradas no futuro, a propósito -, de "Evil Dead" e "Zombie Ritual" exemplificam isso. Os solos, especialmente o de "Scream Bloody Gore", já mostravam uma orientação diferenciada - principalmente se compararmos aos leads, digamos, mais 'despojados' comuns ao gênero.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Liricamente, "Scream Bloody Gore" apresenta o trabalho mais simplório do "Death", pois as letras são baseadas em filme de terror e, no geral, possuem temática totalmente gore, em oposição a 'veia filosófica' que posteriormente marcaria as composições de Schuldiner. "Scream Bloody Gore" marcou, principalmente, por ser um dos primeiros passos do death metal e o início de um músico ainda jovem.

Músicas-chave:
"Evil Dead" ; "Zombie Ritual" ; "Denial of Life"

#2 - Leprosy (1988)



Após o primeiro 'soco no estômago', o "Death" viria a ter em "Leprosy" sua primeira tentativa de tornar-se, de fato, uma banda. Um ano fora o suficiente para surgir uma significativa evolução no som do grupo, seja nas letras - em "Pull the Plug" e "Forgotten Past" Chuck disserta, pela primeira vez, sobre questões existenciais e espirituais, por exemplo - ou no instrumental - composições como "Leprosy" e "Open Casket" possuem estruturas bem mais complexas em relação ao primeiro disco. Os solos, agora divididos entre Rick Rozz - um antigo colega de Schuldiner -, variam entre o senso melódico de Chuck e os 'devaneios de alavanca' de Rozz, sendo facilmente distinguivéis até pelo ouvinte menos experiente.

Todavia, a agressividade não diminuiu em nada; "Leprosy" soa ainda mais brutal que "Scream Bloody Gore" e, se é que isso seja possível, têm vocais ainda mais doentios - no bom sentido - de Mr. Schuldiner. Por exemplo, faixas como "Left to Die" e "Born Dead" apresentam interpretações extremas e 'agoniantes' de Chuck.

A adição de linhas "menos padronizadas" de bateria - se comparadas com o seu antecessor -, realizadas por Bill Andrews, também contribuiram para a evolução da banda. Contudo, o trunfo do disco segue sendo os riffs de guitarra que soam ainda mais pesados e memoráveis. Em minha opinião, "Leprosy" é um exemplo do que é o estilo em sua essência; afinal, ele exibe todas as características do death metal old school.

Músicas-chave:
"Choke On It" ; "Pull The Plug" ; "Forgotten Past"

#3 - Spiritual Healing (1990)



Em seu terceiro disco, Schuldiner divide, pela primeira vez, as seis cordas com um outro grande músico, James Murphy. Além dos excelentes solos, a adição de Murphy permitiu que Chuck melhor explorasse os duetos de guitarra, honrando suas raízes do heavy metal tradicional - vindas de bandas como "Iron Maiden" e "Mercyful Fate"-, e fizesse um maior uso das melodias. Contrariando o senso comum, a banda soa ainda mais pesada do que em "Leprosy". A faixa-título, por exemplo, seguiu como uma das melhores introduções criadas por Chuck, além de contar com um riff tão macabro que consegue transmitir a raiva da sua letra falsos pregadores.

Melódico e pesado ao mesmo tempo, tal combinação seria uma espécie de padrão para as composições de Chuck. Em "Spiritual Healing" faixas como"Within the Mind" e "Defensive Personalities" representando bem esse conceito.

Nesse registro as letras são de cunho altamente social, em meio aos riffs pesados e urros em "Living Monstrosity", "Low Life" e "Genetic Reconstruction", por exemplo, estão críticas severas e reflexivas sobre o sistema e o ser humano em si. Recomendo ao ouvinte que acompanhe as letras durante a audição, especialmente dessas citadas, pois elas são ótimas. Não é a toa que sempre lembro das letras ao falar dessa banda.

Este álbum é um 'divisor de águas' na carreira da banda e aponta, de vez, a direção musical que Chuck Schuldiner seguiria daqui para frente: um som pesado, técnico 'recheado' com letras significativas . Em meio a tantos clássicos, infelizmente, "Spiritual Healing" é um dos menos lembrados na discografia do "Death".

Músicas-chave:
"Spiritual Healing" ; "Within The Mind" ; "Defensive Personalities"

#4 - Human (1991)



Após desentendimentos sobre a direção musical da banda com alguns membros - que formaram o "Massacre" com um antigo guitarrista, Rick Rozz -, Chuck já havia desistido de trabalhar o "Death" como uma banda com decisões coletivas. A solução foi atuar com músicos contratados, de acordo com o propósito e direcionamento que ele (Chuck) daria as suas composições. O "Death", em "Human", teve uma de suas melhores formações. Explico: além de iniciar a duradoura amizade com o exímio baixista Steve DiGiorgio (do "Sadus"), Chuck contou com os excelentes músicos Sean Reinert (bateria) e Paul Masvidal (guitarra) - ambos, após dois anos, gravariam o clássico "Focus" com o "Cynic".

"Human" elevou o nível técnico das composições do "Death" a um novo patamar porque dessa vez não apenas as guitarras guiaram as músicas: bateria e o baixo ganharam um papel de suma importância no som da banda. Provas? Confira "Flattening of Emotions" - com uma intro de bateria de cair o queixo - e porradas como "Vacant Planets" e "Together As One". A faixa instrumental "Cosmic Sea", que contou com um pequeno solo de baixo de Scott Karino, sela o nível de técnica - sempre a serviço da compasição, bom lembrar -, e peso que a banda atingira.

Mais uma vez, a forma de escrever de Schuldiner evoluiu, pois as letras tornaram-se 'menos ácidas' e mais filosóficas. Nesse registro, o "Death" também produziu o seu primeiro videoclipe, "Lack of Comprehension" foi a escolhida e manteve-se como um dos maiores clássicos da banda. Infelizmente, depois de "Human", Schuldiner mudou - ou teve que trocar- gradativamente o estilo de seus vocais guturais. Saliento que TODAS as composições são excelentes e mantém o nível alto até o fim do disco.

Enfim, "Human" é um dos melhores e mais essenciais álbuns da banda. Entretanto, a mixagem original do disco não foi muito feliz; escondeu as excelentes linhas de baixo de Steve DiGiorgio, portanto, é recomendável que se ouça a versão remasterizada ( lançada em 2011) e que, finalmente, faz jus ao trabalho desse incrível baixista.

Músicas-chave:
"Lack Of Comprehension" ; "Secret Face" ; "Suicide Machine"


"As emoções tomam conta da vida diariamente

Variações imprevisíveis de comportamento
Guardam a chave para a porta mental
Onde nada é tudo
E tudo é nada
Olhando além da parede
Milhões e milhões de vezes"
- Nothing is Everything

"Onde está a linha invisível
Que devemos traçar para criar os
Padrões de pensamentos individuais?"
- Individual Thougth Patterns

#5 - Individual Thought Patterns (1993)



"Individual Thought Patterns" é um dos trabalhos essenciais do "Death". Ponto. A partir deste lançamento a banda elevaria sua importância para além do rótulo o qual pertenciam.

Steve DiGiorgio permaneceu sob o comando das quatro cordas evidenciado seu domínico com o fretless bass (baixo sem trastes). Tal medida deixou as músicas do álbum com um som ainda mais distinto - escute "Nothing is Everything" e o 'duelo' com o Chuck ao fim de "The Philosopher" para compreender. Completavam a formação: o monstro Gene Hoglan, baterista incrivelmente técnico, - experimente ouvir o que ele faz em faixas como "Overactive Imagination" e "In Human Form" - e o guitarrista, convidado por Chuck, Andy LaRoque (King Diamond) - que presenteou a banda com solos fantásticos, como o primeiro em "Trapped In A Corner".

Schuldiner conseguiu extrair, talvez, tanto o melhor de todos esses músicos, como o melhor de si nesse trabalho. O nível técnico das composições foi ainda mais alto que em "Human"; mas, surpreendemente, o disco soa, apesar da agressividade, cativante e único. Sim, até hoje nunca ouvi algo parecido com "Individual Thought Patterns" e que, ao mesmo tempo, soasse tão bem coeso e harmônico, ou seja, sem parecer mera exibição virtuosística.

Esse disco também marca uma significativa evolução de Chuck como guitarrista, pois seus riffs e solos, em músicas como "Jealousy" e "Trapped In A Corner", estão afiados como nunca. No que diz respeito as letras, em "Individual Thought Patterns" Chuck superou-se . Acompanhe as palavras de músicas como "Destiny", "Nothing Is Everything" e a faixa-título.


Foi produzido um videoclipe para "The Philosopher", faixa esta que, até hoje, segue como um dos maiores 'hits' - se é que isso é possível - do death metal. "The Philosopher" consegue sintetizar (bem) todos os elementos que fazem o som do "Death" e segue como 'porta de entrada' para muitos futuros admiradores da banda. Sua introdução, realizada com o uso do tapping, mostra a evolução de algo visto desde os primeiros álbuns da banda - trace um paralelo entre "Evil Dead", "Leprosy" e "Spiritual Healing". Para quem deseja conhecer o trabalho do "Death", "Individual Thought Patterns" seria uma ótima opção.

Músicas-chave:
"The Philosopher" ; "Destiny" ; "Trapped In A Corner"

#6 -Symbolic (1995)



O sexto álbum do "Death" demonstra o amadurecimento da banda, com o passar dos anos, reunindo os principais elementos de sua carreira. A produção aqui fora uma das melhores que o grupo já teve, pois cada instrumento soa em seu devido lugar. Bom lembrar que, como de praxe, a formação do "Death" renovou-se e, em relação ao disco anterior, apenas Gene Hoglan (baterista) manteve-se. Sinceramente, não sei sua performance foi superior aqui, ou no disco anterior - ouça "Sacred Serenity", "Misanthrope" e a faixa-título para tirar suas conclusões.

Momentos de total inspiração permeiam o disco, seja pela agressividade de faixas como "1,000 Eyes", "Misanthrope" e "Zero Tolerance" ou pelas belas melodias de composições como "Without Judgement" - que guitarras! -, "Empty Words" e "Crystal Mountain" - sendo essas últimas citadas, duas das maiores pérolas de Chuck; melodias e peso na medida certa, além do uso de guitarras limpas.

"Symbolic" também marcou pelo fato ter um maior número de elementos progressivos nas composiçõe; o final de "Perennial Quest" - uma das melhores letras que Schuldiner já escreveu, a propósito - exemplifica essa afirmação sendo, este encerramento, um dos momentos mais inspirados e únicos do álbum. Um Outro digno de encerrar um álbum desse porte.

Apesar da clareza do instrumento - graças a, já citada, produção -, um dos poucos pontos fracos do disco são as linhas de baixo, pois Kelly Conlon não conseguiu chegar perto do que DiGiorgio proporcionou a música do "Death.

No que diz respeito ao conteudo lírico, Chuck manteve temáticas similares as do álbum anterior. Contudo, talvez houve um foco 'espiritual' mais apurado - como pode ser visto em canções como "1,000 Eyes" e "Perennial Quest". Novamente ele toca na questão religiosa, pois em meio a diversas metáforas de "Crystal Mountain", por exemplo, estão críticas pesadas a pessoas que utilizam a religião em benefício próprio.

"Symbolic" é um dos álbuns mais cultuados do "Death" e faz por merecer, pois em um período que o heavy metal (no geral) não ia bem, poucos foram os discos com o impacto e qualidade vistas nesse álbum. Curiosamente, "Symbolic" também representava o 'ato final' de Chuck Schuldiner para com o "Death"; após a turnê de promoção do álbum, Schuldiner decidiu focar-se no seu novo projeto - em que desejava atuar apenas como guitarrista e compositor -, o "Control Denied".

Músicas-chave:
"Empty Words" ; "Crystal Mountain" ; "Perennial Quest"

#7 -The Sound Of Perseverance (1998)



"The Sound of Perseverance" viu a luz do dia após os primeiros experimentos de Chuck Schuldiner com o seu novo projeto, o "Control Denied". Entretanto, algumas composições soaram, para Chuck, como algo do "Death" e fora decidido reviver a banda lançando, assim, tais músicas sob a forma de um novo álbum.

A evolução de Chuck como musicista foi constante; o que se viu nesse disco foi uma banda mais técnica que nunca. Mas, a maior diferença não está no instrumental das composições, e sim no vocal de Schuldiner que, nesse álbum, optou por uma vocalização mais aguda e rasgada, longe do gutural seco e agressivo de outrora.

A formação do álbum incluiu ótimos músicos - 'aproveitados' do "Control Denied" -: mesmo substituindo um monstro, como Gene Hoglan, Richard Christy conseguiu conquistar respeito entre os fãs da banda através do que fez em músicas como "Scavenger of Human Sorrow" e "Forgive is To Suffer", por exemplo.

O que falar da dupla formada por Chuck Schuldiner e Shannon Hamm? Apesar dos ótimos guitarristas de outrora, houve, ao meu ver, uma espécie de empatia aqui que foi além da relação estúdios/palcos. "The Sound of Perseverance" fora o mais perto que o "Death" chegou de ser, de fato, uma banda. Pérolas como "Flesh and The Power It Holds" e "Story To Tell" mostram isso através de estruturas complexas e, até mesmo, inéditas para o estilo do "Death".

O cover de "Painkiller" (Judas Priest) foi uma surpresa e mostrou a versatilidade da banda. Chuck também conseguiu provar de vez que música extrema pode sim ser emocionante, ouça "A Moment of Clarity" - sendo esta uma das antigas composições do "Control Denied" - e a inspiradíssima instrumental "Voice of the Soul" para comprovar.

Em seu último álbum - com o "Death" - Schuldiner provou que, além de ser um dos responsáveis pela criação do gênero, também poderia ser um dos pioneiros na evolução do mesmo; "The Sound of Perseverance" foi crucial para a 'nova onda' do death metal técnico que surgiria posteriormente e, além disso, um digníssimo encerramento para uma das bandas mais singulares da história do metal.

Músicas-chave:
"Spirit Crusher" ; "Story To Tell" ; "A Moment Of Clarity"

# Live In Eindhoven / Live in LA


Lançados no ano de 2001, como forma de arrecadar fundos para o tratamento de Schuldiner, ambos os discos registram performances da "The Sound of Perseverance Tour" possuindo setlists focados nos últimos três discos do "Death".

A performance, num todo, é excelente, porém o fato de Schuldiner cantar de forma mais rasgada - tal como fez no "The Sound of Perseverance - talvez cause estranhamento, pois ele canta dessa forma até em composições antigas.

As diferenças nos setlists são mínimas, sendo elas:"Flattening of Emotions" e "Lack of Comprehension" - em "Live in Eindhoven" - ; "Symbolic", "Scavenger of Human Sorrow", "Empty Words e "Zombie Ritual" - no "Live in LA".


Talvez, por ter sido gravado em um clube fechado, "Live in LA" soe melhor pelo fato da banda tocar de forma mais descontraída - Eindhoven fora registrado no festival "Dynamo". Tratam-se de boas performances, sendo álbuns bem recomendados para fãs e curioso, mas não são indicados como forma de conhecer o "Death", pois os setlists são 'limitados' e a forma de cantar de Chuck difere do habitual.

Ambos as performances também foram lançadas sob a forma de DVD e, em Fevereiro, os CDs de áudio serão remixados e relançados em um único disco intitulado "Vivus".

"A simbólica e frágil arte da existência nada mais é que o som da perseverança" SCHULDINER, Chuck

Esta frase resume toda a carreira musical do músico aqui reportada. Enfim, lembremos sempre desse cara simples que, apesar de ter perdido a batalha contra a 'morte' prematuramente, conseguiu, através dela, provar que 'morte' também poderia ser arte - para isso, basta encararmos o que não desejamos e temos medo, como a própria... 'morte'.

Dados técnicos da discografia:
http://www.metal-archives.com/bands/Death/141

Originalmente publicado em:
http://hangover-music.blogspot.com/2012/01/discografia-comen...




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Lista: álbuns de metal extremo sem uma única música fracaLista
álbuns de metal extremo sem uma única música fraca

Death: álbum ao vivo com shows de 1990 e 1991 é lançadoDeath
álbum ao vivo com shows de 1990 e 1991 é lançado

Death: álbum ao vivo gravado em 1995 é lançado

Death: leia 1º capítulo de Death by Metal, a biografia de Chuck SchuldinerDeath
Leia 1º capítulo de Death by Metal, a biografia de Chuck Schuldiner

Há 53 anos: nascia o genial Chuck Schuldiner, um dos mestres do metalHá 53 anos
Nascia o genial Chuck Schuldiner, um dos mestres do metal

Death: Chuck Schuldiner disse que bateria e cagaria em Vince Neil, do Mötley CrüeDeath
Chuck Schuldiner disse que bateria e cagaria em Vince Neil, do Mötley Crüe

Death: gravadora lança show completo da banda em Tijuana

Death: novo álbum ao vivo é lançado, desta vez, com show realizado em 1990, no MéxicoDeath
Novo álbum ao vivo é lançado, desta vez, com show realizado em 1990, no México

Death: gravadora lança mais um show inédito da banda

Death: show histórico da banda é disponibilizado no YoutubeDeath
Show histórico da banda é disponibilizado no Youtube


Metal: você acredita na lenda do terceiro álbum? - Parte 1Metal
Você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 1

HailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death MetalHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal


Dimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do KissDimebag Darrell
Guitarra de Van Halen num caixão do Kiss

Preconceito: dificuldades de ser roqueiro em cidade do interiorPreconceito
Dificuldades de ser roqueiro em cidade do interior


Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280