Deadend In Venice: Apesar de polido, obscuro e furioso

Resenha - See You On The Ground - Deadend In Venice

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É sempre legal ver bandas novatas já estreando com um disco tão bem feito... O Deadend In Venice é oriundo da Alemanha e começou suas atividades em 2008, para, neste mesmo ano, soltar a demo “Batavian Sundown” e sair tocando por aí. Desde então conquistaram sua cota de fãs e chamaram a atenção do selo Casket Music, que se propôs a liberar este convincente “See You On The Ground”.
5000 acessosHeavy Metal: quais as 10 melhores vozes da história?5000 acessosDanilo Gentili: O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

Sendo músicos da nova geração, “See You On The Ground” segue a tendência em mesclar elementos de vários dos subgêneros do Heavy Metal e também oferecer vocalizações masculinas e femininas, tendo em Annabell Klein e Christian Litzba os responsáveis por intercalar respectivamente linhas limpas e agressivas. Ok, nada de novo, mas se não existe inovação, o Deadend In Venice mostrou preocupação e desenvoltura para manter tudo muito interessante durante a audição.

E a diversidade é considerável... Desde a profusão de melodias se combinando a arranjos que beiram à música extrema, velocidade e passagens cadenciadas que remetem diretamente ao Power Metal, existe uma sensibilidade e disposição para tornar tudo muito grudento. Ainda que tenha como único ponto passível de algum ajuste o trabalho das vocalizações, que poderia ser desenvolvido de forma que o padrão masculino/feminino não se mostrasse tão similar ao longo das nove faixas, é inegável que os alemães se mostram eficientes em “See You On The Ground”.

São apenas 30 minutos de som, mas “Hate Sweet Hate”, “Personal Decay”, “Last Chances” e principalmente “Dirt Little Princess” mostram a confiança e eficiência do sexteto neste primeiro álbum. O repertório possui características que o posiciona na esfera mainstream, mas nunca se desleixando com o fator distorção. Apesar de relativamente polido, tudo segue meio obscuro e devidamente furioso, sendo que os adeptos do chamado Death Metal Melódico terão muito que apreciar por aqui!

Contato:
http://www.deadend-in-venice.de
http://www.myspace.com/deadendinvenice

Formação:
Annabell Klein - voz
Christian Litzba - voz gutural
Tim Schmidtke - guitarra
Kevin Klein - guitarra
Andreas Ackermann - baixo
Frank Koppe - bateria

Deadend In Venice – See You On The Ground
(2011 / Casket Music - importado)

01. Hate Sweet Hate
02. Personal Decay
03. Brain Execution
04. Long Way Home
05. War
06. Last Chances
07. The Monkey In My Closet
08. Dirt Little Princess
09. Tomorrow Never Comes

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dead End In Venice"

Heavy MetalHeavy Metal
Quais as 10 melhores vozes da história?

Danilo GentiliDanilo Gentili
O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

Álbuns de rockÁlbuns de rock
Kerrang! aponta os 100 melhores de todos os tempos

5000 acessosMomentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outros5000 acessosNuno Bettencourt: Rihanna canta muito, mas ele não quer mais tocar com ela5000 acessosIron Maiden: mulheres em uniforme de couro e com spikes5000 acessosCinema + Rock, uma dupla dinâmica5000 acessosOzzy Osbourne: os álbuns do madman listados do pior para o melhor5000 acessosKiss: Paul Stanley conta como perdeu a sua virgindade

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online