Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemFãs de Stranger Things do Tik Tok querem cancelar o Metallica

imagemPrika: "Já esperava saída da Fernanda, mas só em longo prazo e não naquele momento"

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemA canção do Rush que tira sarro de balada clássica do Kiss

imagem"Babá de Artista" do Rock in Rio diz que Iron Maiden não dá trabalho e são "gentleman"

imagemIngressos para o Wacken 2023 se esgotam em tempo recorde

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemBlack Sabbath: Ozzy e Iommi sobem ao palco para tocar clássicos na final do Commonwealth

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii com citação de canção soviética sobre defender a pátria

imagem"Farsa" da Mobile Fidelity abre crise no conceito de "áudio puramente analógico"

imagemDinho lembra quando entrevistou Robert Plant sem poder falar sobre Led Zeppelin

imagemTom Morello explica por que o RATM se reúne, mas não lança novas músicas


Stamp

Necropsya: Thrash Metal com proposta flexível

Resenha - Distorted - Necropsya

Por Ben Ami Scopinho
Em 15/08/11

Nota: 8

Ainda que o Necropsya não tenha gerado muitos discos – apenas o debut Roars (07) e um EP exclusivo do projeto "Bandas Fora da Garagem" (10) – os paranaenses trabalharam duro, tocaram ao lado de vários nomes importantes e tiveram o privilégio de coroar sua primeira década com o título de ‘Melhor Banda de Curitiba em 2010’ através do ‘1° Prêmio Ivo Rodrigues’, e deixando para trás até mesmo algumas bandas já consideradas veteranas no estado.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mantendo a mesma formação, agora o Necropsya está lançando o tão aguardado "Distorted". E, assim como o oferecido pelo citado EP de 2010, este novo trabalho também oferece um maior leque de possibilidades sonoras se comparado à "Roars". Ainda que fortemente influenciado pela estética Thrash, o grande lance por aqui é a capacidade de se trabalhar com as melodias e variação de ritmos, onde cada músico desempenha um papel significativo para determinar o ambiente adequado e necessário às composições.

Assim, o Necropsya consegue imprimir algumas gratificantes características peculiares em sua música. Além da individualidade do repertório gerar faixas muito fortes como "Easy Target", "Proud And Maggots", "Head Up!", "Kill´em" e a matadora "Son Of A Bitch", certamente são as referências jazzísticas de "What The Hell?" que agradarão ao público que lamenta a saturação da cena underground e, consequentemente, sua compreensível falta de inovação.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Também é impossível não tecer as devidas considerações ao caprichado projeto gráfico em agradáveis tons claros, repleto de detalhes bem encaixados. E, ainda que o Necropsya afirme categoricamente que seja, antes de tudo, Thrash Metal, sua proposta é flexível o suficiente para se distanciar de rótulos e subgêneros. Fica a sugestão em conferir "Distorted" e tirar suas próprias conclusões – a banda é excelente!

Contato: www.myspace.com/necropsya

Formação:
Henrique Vivi - voz e baixo
Henrique Bertol - guitarra
Celso Costa - bateria

Necropsya – Distorted
(2011 / independente – nacional)

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

01. Easy Target
02. Proud And Maggots
03. Ask Myself
04. Kill´em
05. Son Of A Bitch
06. Sorry
07. What Remains For You
08. Head Up!
09. Individual
10. Utopia
11. What The Hell?
12. Distorted
13. Stress


Outras resenhas de Distorted - Necropsya

Resenha - Distorted - Necropsya

Resenha - Distorted - Necropsya

Resenha - Distorted - Necropsya

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Necropsya e Bad BeBop juntam forças em campanha de financiamento coletivo

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.