Matérias Mais Lidas

Queen: Estaríamos fazendo música se Freddie estivesse vivo, mas não sei de JohnQueen: "Estaríamos fazendo música se Freddie estivesse vivo, mas não sei de John"

Queen: como Brasil preparou banda para brilhar no Live Aid, segundo Brian MayQueen: como Brasil preparou banda para brilhar no Live Aid, segundo Brian May

Queen: como eles dividiam a grana das músicas, segundo o prejudicado Roger TaylorQueen: como eles dividiam a grana das músicas, segundo o "prejudicado" Roger Taylor

Queen: Uma entrevista histórica da irmã de Freddie Mercury para o Queen BrazilQueen: Uma entrevista histórica da irmã de Freddie Mercury para o Queen Brazil

Em 18/02/1990: Freddie Mercury faz última aparição públicaEm 18/02/1990: Freddie Mercury faz última aparição pública

Iron Maiden: por que eles abandonaram clipes e descartam livestreams? Bruce respondeIron Maiden: por que eles abandonaram clipes e descartam livestreams? Bruce responde

Angra: a curiosa frase de Dennis Ward que resume problemas na fase Aurora ConsurgensAngra: a curiosa frase de Dennis Ward que resume problemas na fase Aurora Consurgens

Judas Priest: Rob Halford fazendo bico vendendo seguros; não está fácil pra ninguémJudas Priest: Rob Halford fazendo bico vendendo seguros; não está fácil pra ninguém

Kiko Loureiro: na Finlândia a sociedade pensa como sociedadeKiko Loureiro: na Finlândia "a sociedade pensa como sociedade"

Queen: Brian May conta por que não celebra data em que Freddie Mercury nasceuQueen: Brian May conta por que não celebra data em que Freddie Mercury nasceu

Queen: saiba tamanho da fortuna de John Deacon - e quanto ele ganha sem sair de casaQueen: saiba tamanho da fortuna de John Deacon - e quanto ele ganha sem sair de casa

Iron Maiden: banda aponta qual música de Senjutsu tem recebido grande destaqueIron Maiden: banda aponta qual música de "Senjutsu" tem recebido grande destaque

Queen: na época, eles acharam que show no Live Aid havia sido até que meio okQueen: na época, eles acharam que show no Live Aid havia sido "até que meio ok"

Guns N' Roses: Slash posta trecho de música nova no Tik TokGuns N' Roses: Slash posta trecho de "música nova" no Tik Tok

Brian May: Eu não sabia que Freddie Mercury era GayBrian May: "Eu não sabia que Freddie Mercury era Gay"


Stamp

Rancid: "...And out come", clássico absoluto do punk rock

Resenha - ...And Out Come The Wolves - Rancid

Por Sérgio Fernandes
Em 04/06/11

Nota: 10

Estados Unidos, meio dos anos 90, o punk estava em alta novamente, depois de uma ligeira queda de popularidade na década anterior. Bandas como Green Day, Offspring e Bad Religion faziam a cabeça dos aficionados pelo estilo. E da ensolarada Califórnia nasce o Rancid, criada a partir dos "restos" do Operation Ivy (banda que, com o tempo, ganhou o status de "cult" no cenário punk). Tim Armstrong (guitarra e vocal) e Matt Freeman (baixo e vocal) saem do Operation e juntam-se a Brett Reed (bateria) e Lars Frederiksen (voz e guitarra) para formar o Rancid. Lançam o álbum homônimo em 1993 e "Let’s GO" em 1994, conseguindo boa notoriedade no circuito punk americano. Mantendo o ritmo, eles seguem com a tendência de lançarem um álbum a cada ano e, em 1995, criam o que viria a ser um dos clássicos absolutos não só da própria banda mas do punk rock em geral.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Com as gravações alternando entre os estúdios "Fantasy" na Califórnia e "Eletric Lady" em Nova York, produção a cargo de Jerry Finn e do próprio Rancid e mixagem nas mãos de Andy Wallcae, "... And out come the wolves" mistura o punk e o rock’n roll clássico com as influências de ska que seguiram Tim Armstrong e Matt Freeman desde os tempos do "Operation Ivy". Característica essa que se torna uma marca do grupo, assim como foi com o "The Clash" (influência assumida de Tim e companhia) anos antes.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O álbum começa com "Maxwell murder". E não poderia começar de melhor forma: punk rock rápido, cru, direto e divertido; características que se mantém em todo o trabalho, mas sem nunca ficarem enjoativas, pois a banda soube dosar muito bem suas várias influências e referências musicais.

"The 11th Hour", "Olympia WA" e "Ruby Soho" (que tocou muito nas rádios rock dos anos 90) mostram o lado mais melódico do grupo, enquanto "Junkie man", "Daly city train" e o clássico absoluto "Time bomb" (com clipe no topo das paradas) flertam com a música tradicional jamaicana e mostram a influência que bandas como o já citado "The Clash", os "Special" e o "Madness" exerceram sobre o grupo.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

O som mais direto de músicas como a já citada "Maxwll murder", "Roots radicals" e "Listed M.I.A." agregam mais ingredientes nessa salada musical, e fazem (o álbum) "... And out come the wolves" te prender a atenção do começo ao fim, tamanha a coesão e qualidade do trabalho. Difícil encontrar um destaque único no CD...

No que diz respeito às performances individuais dos integrantes do grupo, TIM Armstrong chama atenção com sua voz rouca e desafinada na medida certa! Além disso, Tim mostra que é também um ótimo compositor, unindo o ska ao punk como poucos conseguem. Agrega-se a isso sua grande capacidade lírica, que nos brindam com lindas letras como as de "Olympia WA", "Ruby Soho" e a autobiográfica "Journey to the end of east bay". É ai que reside grande parte do charme do álbum (e da banda em si): talvez por não possuir técnica vocal alguma, Armstrong imprime muito sentimento em suas interpretações e letras, cantando e tocando com uma garra única.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lars Frederiksen também canta em boa parte das músicas do álbum, e divide vocais com Tim em várias outras canções, como "Disorder and disarray", "You don’t care nothin’", "As wicked" e "Avenues and alleyways": outra característica que se tornou uma marca da banda. Sua voz rouca e machucada, típica coisa de quem deve fumar horrores, dá um toque agressivo ao som, ao mesmo tempo em que Lars consegue criar boas melodias e mostra uma grande técnica. Destaque para sua interpretação em "The wars end"

Brett Reed faz um trabalho correto na bateria, mas sem maiores destaques. Já Matt Freeman... Bem, não é preciso dizer muito desse que, com certeza, esta entre os 3 melhores baixistas do punk rock de todos os tempos e, porquê não, figura também entre os maiores desse instrumento de maneira geral. Linhas criativas, técnicas, complexas e certeiras, aliadas à produção e mixagem do álbum, elevam o baixo de Matt ao status de instrumento mais importante nos arranjos das canções do grupo. Para se ter uma idéia do que o cara é capaz, basta ouvir o solo (sim, o SOLO) dele em "Maxwell murder" e a intro de "Journey to the end of east bay"... Quem disse que baixista de punk não sabe tocar?

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Garra, carisma, melodia, boas doses de ska, feeling, e aqueles refrões feitos na medida certa para serem cantados em uníssono e a plenos pulmões nos shows: talvez por essas características "...And out come the wolves" tenha se tornado o álbum de maior sucesso comercial e de crítica do Rancid. O carisma de Tim Armstrong e companhia tem boa dose de culpa nisso, assim como o ressurgimento do punk nos anos 90, que ajudou a impulssionar o interesse dos jovens na banda. Enfim, uma série de fatores podem ser listados aqui para que se chegue a uma conclusão do porquê deste ser considerado um dos grandes clássicos de todos os tempos do punk rock.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Independente dos motivos, causas, razões ou circunstâncias (parafraseando o grande "Cháves"), o que realmente importa é que essa é uma obra que merece (e deve) ser ouvida por todos os fãs de rock em geral.

Rancid:
Tim Armstrong (Guitarra e Vocal)
Lars Frederiksen (Guitarra e Vocal)
Matt Freeman (Baixo e Vocal)
Brett Reed (Bateria)

"...And out come the wolves"
1."Maxwell Murder" 1:25
2."The 11th Hour" 2:28
3."Roots Radicals" 2:47
4."Time Bomb" 2:24
5."Olympia WA." 3:30
6."Lock, Step & Gone" 2:25
7."Junkie Man" 3:04
8."Listed M.I.A." 2:22
9."Ruby Soho" 2:37
10."Daily City Train" 3:21
11."Journey to the End of the East Bay" 3:11
12."She's Automatic" 1:35
13."Old Friend" 2:53
14."Disorder and Disarray" 2:49
15."The Wars End" 1:53
16."You Don't Care Nothin'" 2:28
17."As Wicked" 2:40
18."Avenues & Alleyways" 3:11
19."The Way I Feel" 2:34

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Duração total:
49:37

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Tunecore 2
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ultimate Classic Rock: dez músicos com tatuagem na cabeça/rostoUltimate Classic Rock
Dez músicos com tatuagem na cabeça/rosto

Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensaPunk
10 músicos que são mais ricos do que você pensa

Loudwire: Os 20 melhores álbuns de Rock de 2014Loudwire
Os 20 melhores álbuns de Rock de 2014


Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista


Sobre Sérgio Fernandes

Paulistano desde abril de 1988, Sérgio Fernandes é baterista da banda CARAPUÇA (www.youtube.com/tvcarapuca), diretor de imagem e produtor multimídia do portal Terra e formado em Rádio e TV pela UNISA em São Paulo no ano de 2009. Ouve rock desde pequeno por influência de seus pais. Entre suas bandas preferidas estão Sepultura, Rolling Stones, Rancid, Muse, Fresno, Slayer e qualquer outra que toque algo que lhe agradar os ouvidos, nunca se fechando a gêneros e estilo, mantendo a mente aberta a novas experiências sonoras. E-mail para críticas e sugestões: [email protected]

Mais matérias de Sérgio Fernandes.