Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemBenny Anderson toca música do Foo Fighters por ter visto Dave Grohl homenageando Abba

imagemA categórica opinião de Dave Mustaine sobre religião "abusiva e falsa" de sua mãe


Stamp

Rolling Stones: Quarenta anos de "Sticky Fingers"

Resenha - Sticky Fingers - Rolling Stones

Por Pedro Lucas Sousa
Em 24/04/11

23 de abril de 1971. Quarenta anos atrás era lançado um dos melhores álbuns dos Rolling Stones, "Sticky Fingers". Os veteranos do rock and roll podem chiar e falar, "Quem esse moleque pensa que é para falar desse álbum? Não era nem vivo na época!", mas essa é um das características que tornam esse disco tão especial. Mesmo depois de tanto tempo, ainda é um disco marcante, daqueles que você não para de escutar. Confesso que faz muito tempo que não o escutava, mas ao lembrar dele hoje e colocar para tocar, me veio aquela sensação de saudade de bons tempos que não vivi. Rock and Roll não tem idade, e "Sticky Fingers" é um bom exemplo disso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além da ótima qualidade musical, o álbum é marco histórico de grandes momentos na carreira dos Stones. É o primeiro álbum em que Mick Taylor, que substituiu Brian Jones (morto em 1969) exerce totalmente sua função de guitarrista e é o primeiro disco lançado pela Rolling Stones Records, selo criado após o rompimento da banda com a gravadora Decca Records.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os atrativos do disco já começam pela criativa e polêmica capa, que mostra um jovem com um jeans apertado e um pênis supostamente ereto e que continha um zíper de verdade que poderia ser aberto, mas teve que ser trocado, pois estava causando danos ao disco. Por causa da temática sexual da capa ela foi modificada em vários países como na Espanha, onde foi trocada por dedos femininos entrando em uma lata com um liquido preto. Agora, vamos deixar as calças, os pênis e zíperes de lado e vamos direto ao que interessa.

"Sticky Fingers" é um álbum bastante balanceado, explorando a criatividade dos Stones em diversos aspectos. O disco abre com a excelente "Brown Sugar", um clássico que acompanha os Stones até hoje em qualquer show que façam. Uma música intensa, envolvente, com melodia marcante. É uma das músicas que mostram bem a energia dos Stones. Logo em seguida vem "Sway" já um pouco mais lenta mas com uma pegada forte, onde Jagger participa da gravação das guitarras.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dando meio que uma cortada no clima, vem "Wild Horses". Uma baladinha lenta, romântica, que talvez soaria melhor em outro disco, não é um grande destaque, mas não chega a ser ruim. O mesmo já não acontece "I got the Blues", que tem mais a cara do disco e "tapa" o buraco deixado por "Wild Horses".

"You Gotta Move", "Sister Morphine" e "Dead Flowers" são faixas que devem ser ouvidas com atenção. São faixas carregadas da identidade do Stones, principalmente "You Gotta Move", com suas raízes fincadas no blues "slide". "Bitch" e "Moonlight Mile" também são pontos interessantes do disco, com ritmos mais lentos e melodias envolventes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um trabalho marcante tanto para a carreira da banda como para a história do Rock and Roll, sendo incluído nos 200 álbuns definitivos do Rock and Roll Hall Of Fame. Extremante importante para qualquer fã da década de 70, "Sticky Fingers" contém a receita certa para um bom disco, daqueles que só os Stones conseguem fazer.


Outras resenhas de Sticky Fingers - Rolling Stones

Resenha - Sticky Fingers - Rolling Stones

Resenha - Sticky Fingers - Rolling Stones

Resenha - Sticky Fingers - Rolling Stones

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Super Bowl: quando as guitarras fizeram touchdown

Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Pedro Lucas Sousa

Pedro Lucas é maranhense, vocalista, e viu no jornalismo uma chance de poder trabalhar com o que mais gosta. Adorador fiel do heavy metal, hard rock, folk/viking metal entre outros, mas possui um amor incondiconal pelo hard rock. Começou a colaborar com o Whiplash! recentemente enviando reviews e notícias.

Mais matérias de Pedro Lucas Sousa.