Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRegis Tadeu expõe como Spotify e YouTube fazem falcatrua para fraudar views

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemPrika diz que fez "tudo errado" na primeira turnê da Nervosa, mas aprendeu lição

imagemJoão Gordo compara anarcocapitalistas com quem acredita em terraplanismo

imagemVídeo de clássico do Kiss é disponibilizado no canal oficial da banda

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemLutador Wanderlei Silva curte noite curitibana com Angra e Sons of Apollo

imagemGeddy Lee e Alex Lifeson tocam clássica do Rush em evento nos EUA

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemLemmy, Filho e Espírito Santo: Gary Holt tem certeza que ele era três ao mesmo tempo


Stamp

Chthonic: Black Metal Sinfônico feito em Taiwan

Resenha - Seediq Bale - Chthonic

Por Gustavo Hermann
Em 19/05/08

Nota: 5

A economia chinesa* experimentou um crescimento fantástico nos últimos anos por meio da fabricação de produtos tipicamente ocidentais, voltados para o mercado de consumo ocidental, produzidos com tecnologia ocidental. E parece que o país se especializou de tal forma nesse ramo que agora está produzindo também música ocidental e exportando-a com sucesso para o Ocidente. É o caso da banda de black metal taiwanesa Chthonic.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar do verniz oriental, o som da banda é completamente calcado no "black metal sinfônico" surgido no final da década de 90 com bandas como Dimmu Borgir e Covenant. E esse é justamente o problema do Chthonic, sua falta de originalidade. Assim como boa parte dos produtos chineses consiste em genéricos de qualidade inferior, também o Chthonic é um genérico de produtos ocidentais melhor acabados. Não que o som seja ruim, é bem feito e tudo mais, mas ainda assim batido e sem graça, a banda ganha evidência com uma década de atraso em relação aos seus pares ocidentais.

"Mas o corpsepaint que eles usam e as letras que escrevem têm inspiração na cultura e folclore taiwaneses, até usam a língua materna deles nas músicas e um instrumento específico da cultura deles numa música. Ah, e as capas dos discos tem um visual bem oriental..." Sim, isso tudo é verdade. Mas nada disso torna a banda menos genérica. Trocando a capa por uma imagem viking e mudando um ou outro detalhe superficial a banda passaria por uma banda norueguesa facilmente. O corpsepaint pode ter a inspiração que quiserem, mas é idêntico ao das bandas de black metal ocidentais. A única coisa que denuncia a origem da banda no visual são as características étnicas dos membros, pois de resto é tudo idêntico ao visual batido da maioria das bandas ocidentais - que convenhamos, já não assusta mais ninguém, não tem mais impacto, se tornou até mesmo um elemento cômico.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O disco em questão, "Seediq Bale" (05) é em grande medida uma cópia descarada do disco "Nexus Polaris " (98) dos noruegueses do Covenant. Os vocais femininos, os riffs, os teclados, tudo lembra demais esse álbum, exceto os vocais - que no caso do Covenant são bem peculiares, já no caso do Chthonic soam bem genéricos. A banda é tão ocidentalizada que em vez de um nome inspirado na sua própria cultura traz um nome grego. Ironicamente uma referência à Grécia, berço da civilização ocidental!

Quem estiver procurando por um metal diferenciado, original, que realmente incorpore elementos orientais à sua sonoridade e proposta, aconselho ir atrás de material da banda israelense Orphaned Land. O Chthonic pode agradar os fanáticos pelo estilo ou aqueles que tiveram pouco contato até o momento com o que tem sido feito em termos de black metal sinfônico no Ocidente, pois pra quem acompanha o gênero há mais de uma década, desde o álbum "Enthrone Darkness Thriumphant" do Dimmu Borgir (97) e o já citado "Nexus Polaris" do Covenant (98), o Chthonic não tem nada de novo pra oferecer.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

* Nos últimos anos o Ocidente foi invadido por produtos made in China. A maior riqueza do país, sua mão-de-obra barata, atraiu as corporações e a China se tornou a "fábrica do mundo." Como conseqüência sua economia sofreu um crescimento astronômico, e, devido ao seu tamanho colossal, o país já possui PIB mais alto que o das grandes potências européias, mesmo se tratando ainda de um país em desenvolvimento. Outra conseqüência do crescimento da China é o seu impacto ambiental. A industrialização do país e sua incorporação ao capitalismo geraram uma enorme demanda de energia e recursos com resultados catastróficos. 16 das 20 cidades mais poluídas do mundo ficam na China e o país é o segundo maior emissor de gás carbônico (CO2) do planeta.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Bom, o que todo esse papo sobre a China tem a ver com o Chthonic? Ocorre que muitos desconhecem que Taiwan, país de origem da banda, não é atualmente reconhecido como país independente pela maioria dos países do mundo, mas considerado uma província rebelde chinesa. A ruptura entre China e Taiwan se mantém desde 1949, quando ocorreu em função da fundação da República Popular da China na China continental.

Em 2007 a União Européia se opôs ao referendo que propunha a incorporação de Taiwan às Nações Unidas. Diante disso, a banda Chthonic soltou o single "UNlimited TAIWAN", como protesto contra a UE pela sua atitude de "limitar a participação de Taiwan como país independente".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal


Outras resenhas de Seediq Bale - Chthonic

Resenha - Seediq Bale - ChthoniC

Resenha - Seediq Bale - Chthonic

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Gustavo Hermann

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Gustavo Hermann.