Skid Row: os anos 80 não ficaram para trás

Resenha - Revolutions Per Minute - Skid Row

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quem disse que os anos 80 ficaram para trás? E não me refiro a músicas como “I Remember You” ou “18 And Life”, porque não é só de baladas que viveu o Hard Rock e certamente não é o que se encontrará em “Revolutions Per Minute”, quinto álbum do Skid Row, segundo desde que Johnny Solinger assumiu os vocais, no lugar de Sebastian Bach.
1025 acessosSebastian Bach: cantor faz cirurgia relacionada ao vocal5000 acessosA Vida Pós-bilau: vocalista do Life of Agony abre o jogo

Claro que os novos sons não podem ser simplesmente comparados com clássicos como os de “Slave to the Grind”(nostalgia é algo bom, mas há limites!). Mas o álbum tem algo que o Skid Row mostrou não ter perdido desde sua reformulação, que é atitude. A característica, aliás, é uma das fundamentais para qualquer banda, ainda mais uma que calca seu som no Hard e ainda tem uma grande influência do estilo Punk de ser. Além disso, os americanos, que tem no line-up os membros fundadores Rachel Bolan (baixo), Scotti Hill e Snake (guitarra), além do baterista Dave Gara e Solinger no vocal, não tiveram medo algum de assumir suas influências neste disco e de se “adequarem” às modernidades do Rock no século XXI.

Por modernidade, digo que o Skid Row, como a maioria das bandas de Hard Rock que seguem na ativa, encorporou o peso e as afinações mais baixas ao seu som, como não é diferente logo na abertura , “Disease”. Cada vez mais à vontade como frontman, Solinger também é responsável pela banda não ter deixado apagar sua “chama”, com sua voz agressiva e sem apostar nos agudos típicos de Bach. “Another Dick in the System” segue na mesma levada, com bons riffs de Snake e Hill, que ainda caem matando nos solos, numa linha mais despojada.

E se a atitude é Punk, a sonoridade tem de ser livre, não. Ouça então “When God Can’t Wait” e “You Lie”. A primeira, é basicamente punk e country, enquanto a segunda parece ter saído diretamente do Velho Oeste dos Estados Unidos, ainda mais na versão que aparece como bônus, com direito a gaitas e lap steel. 99% country! As faixas parecem passar o clima de diversão que deve ter sido a gravação, como também em “White Trash”.

Para quem não gostar da viajada dos americanos, não é necessário se preocupar, porque o Hard Rock ainda volta com tudo na veloz “Shut Up Baby, I Love You” e “Nothing”. Quanto às letras, as revoluções do nome “Revolutions Per Minute” podiam ser trocadas facilmente por rebeliões ou coisa do tipo, tamanha a revolta do quinteto. Já a capa, com um tema simples, só intensifica toda a mensagem passada.

No fim das contas, o disco se apresenta até como uma grata surpresa, superando o anterior, “Thickskin”. Claro que o Skid Row não faz o mesmo som daquele que o fez famoso e o levou a tocar à exaustão nas rádios e demais meios. Mas isso é até uma qualidade. Moderno e pesado, porém sem perder a energia e a atitude, “Revolutions Per Minute” mostra que a idade chega, mas não pesa para todos.

Skid Row – Revolutions Per Minute
2007 – Hellion Records – Nacional

Track List:
01. Disease
02. Another Dick In The System
03. Pulling My Heart Out From Under Me
04. When God Can't Wait
05. Shut Up Baby, I Love You
06. Strength
07. White Trash
08. You Lie
09. Nothing
10. Love Is Dead
11. Let It Ride
12. You Lie (com fed mix)

Formação:
Johnny Solinger – vocal
Snake – guitarra
Scotti Hill – guitarra
Rachel Bolan – baixo
Dave Gara – bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Revolutions Per Minute - Skid Row

5000 acessosSkid Row: ainda com combustível para queimar3167 acessosResenha - Revolutions Per Minute - Skid Row

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Skid RowSkid Row
Banda se apresenta no Brasil em dezembro, diz jornal

1025 acessosSebastian Bach: cantor faz cirurgia relacionada ao vocal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Skid Row"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Sebastian Bach muito antes da fama

Skid RowSkid Row
Bolan: "Fique claro... nós despedimos Sebastian Bach!"

Sebastian BachSebastian Bach
Voando em classe econômica para a América Latina

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Skid Row"

A Vida Pós-bilauA Vida Pós-bilau
Vocalista do Life of Agony abre o jogo

Em 03/02/1959Em 03/02/1959
Três ícones do rock morrem em acidente aéreo

Simplicidade é para os falsosSimplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo

5000 acessosIron Maiden: Nado sincronizado ao som de "The Trooper"5000 acessosLGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais5000 acessosMetallica: banda pensou em demitir Lars Ulrich?5000 acessosSeparados no nascimento: Eddie e Seu Madruga3411 acessosDream Theater: ouça um impressionante "vocal cover" de "Pull Me Under"5000 acessosBruce Dickinson: interpretando clássico do AC/DC em 1990

Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online