Resenha - Stormbringer - Deep Purple

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Olímipio Moreira Rocha
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Há bandas que mudam a formação e lançam discos carentes de criatividade e talento, como se o "fantasma" dos que saíram atormentasse a banda - vide o Pink Floyd sem Roger Waters. Há bandas que mudam a formação e fazem o que faziam antes de maneira melhor - vide o Pearl Jam com Matt Cameron na bateria. E a bandas que mudam a formação, acenam com mudança de direcionamento musical, mas com o mesmo talento e qualidade musical. Esse é o caso do Deep Purple, especificamente a transição da MK II (o clássico line up Blackmore/Gillan/Glover/Lord/Paice) para MK III (Blackmore/Coverdale/Hughes/Lord/Paice). Após o (absoluto, clássico, estupendo, maravilhoso) álbum Machine Head, problemas internos vieram a tona, e um álbum fraco (Who Do We Think We Are) e Gillan e Glover pulam fora (alguns dizem que eles foram "atirados" para fora, mas isso é outroa história). Quando achavam que sem o Silver Throat não haveria mais nada, é recrutado então o novato David Coverdale para cantar e o baixista (ex-Trapeze) Glenn Hughes, que tinha o adicional de fazer de maneira competentíssima a segunda voz, projeto antigo de Ritchie Blackmore (uma das principais razões da debandada de Gillan e Glover). Lançam então o estupendo Burn - e o que viria depois? Um álbum até hoje capaz de provocar calorosas discussões entre os fãs da banda, do estilo "ame-o ou odeie-o", que é o alvo dessa (pseudo) resenha: STORMBRINGER!
28 acessosDeep Purple: Ian Gillan, uma das vozes extraordinárias5000 acessosTotal Guitar: os melhores e piores covers da história

O romantismo exacerbado de Coverdale e as influências cheias de groove de Glenn Hughes aparecem de forma cristalina nesse disco, o que desagradou em cheio Blackmore. Composições como Hold On e You Can Do It Right não casavam de forma alguma com o hard rock veloz, pesado e virtuoso que Blackmore planejava para sua banda. O resultado é um novo "racha": sai Ritchie Blackmore e entra Tommy Bollin.

Mas como estamos aqui para falar do Stormbringer, segue um "track by track":

1) STORMBRINGER: Um começo de tempestade, um riff de guitarra avassalador e um David Coverdale furioso são o que essa ótima faixa de abertura nos traz. A banda se apresenta muito coesa, e com força. Grande música!

2) LOVE DON'T MEAN A THING: Momento mais cool e relax, com um bom trabalho de guitarra, e uma letra bem sacada, sobre um bon vivant que só se interessa por dinheiro, pois "amor não significa nada". Para os atentos, algumas impressões do que viria a ser, anos mais tarde, o Whitesnake.

3) HOLY MAN: É a hora de Glenn Hughes brilhar, numa balada emocionada, apesar da letra meio clichê. Mas com um arranjo simples, porém bonito. Destaques para a interpretação de Mr Hughes e para o solo cheio de feeling de Blackmore.

4) HOLD ON: Outro "momento Whitesnake". Se aproxima do que seria conhecido como "Hard Rock dos anos 80". Música meia boca, mas que ganha pontos pela letra franca sobre sexo. Se você gosta e pratica esse "esporte", vai acabar se amarrando nesse som. Destaque óbvio para a letra. Embora seu irmão de 16 anos tenha chances reduzidas de sacar qualé.

5) LADY DOUBLE DEALER: Finalmente um som do quilate Purple! Velocidade, berros, bateria alta. Destaque positivo para a coesão da banda e negativo para o solo sem inspiração de Ritchie Blackmore.

6) YOU CANT DO IT RIGHT: momento funky do disco, da abertura em diante. Coverdale utiliza seu dom de "sussurrar" a letra, mas aqui o show é de Glenn Hughes, sem dúvida. Aliás, é a faixa mais "Glenn Hughes" desse disco. Se você se despir de preconceitos bestas, pode até sair dançando pelo quarto.

7) HIGH BALL SHOOTER: Outro show de Hughes numa outra faixa um pouco mais veloz. Destaque para Ian Paice. Mais uma faixa "meia boca".

8) THE GIPSY: O ponto fraco do disco. Xoxa, não ata nem desata. Aquele som de fm romântica às 03 da madruga, saca? Pule.

9) SOLDIER OF FORTUNE: Uma das baladas mais lindas que já ouvi na vida. Triste de doer, com uma letra maravilhosa. Blackmore e Coverdele (autores) competem pra ver quem brilha mais. Quem sai ganhando é o ouvinte: o trabalho de Blackmore no violão e na guitarra e a interpretação emcionada de Coverdale levam o ouvinte mais despreparado às lágrimas. Linda música, belo final de disco.

Chama a atenção a discrição de Jon Lord, que pouco aparece. Talvez por isso a banda se mostrasse sem um direcionamento definido, ora fazendo o bom e velho hard que a consagrou (Stormbringer, Lady Double Dealer) ou caindo para uma vertente mais funky (You Can't Do It Right, Gipsy). Mas se você não é daqueles bitolados e cheios de preconceito, aqui tem um grande disco pra se escutar. Um ponto positivo é a bateria - alta, como deve ser um disco de rock and roll.

É isso, meus filhos. Grandes músicos, ótimas canções, feeling sobrando. Se você já tem Burn, Machine Head, In Rock e Fireball, ESSE é o disco. Esqueça as modernices do Morse, o retorno da banda no (regular) Perfect Strangers. Temos aqui um grande disco! Como diria Coverdale, na Sail Away, do Burn: "You buy, steal or borrow". Yeah, man!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Stormbringer - Deep Purple

5000 acessos"Stormbringer", o álbum mais injustiçado do Deep Purple?

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Kerry KingKerry King
O Deep Purple influenciou mais o Thrash que o Black Sabbath

28 acessosDeep Purple: Ian Gillan, uma das vozes extraordinárias952 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?456 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Deep Purple"

Pré-Clube dos 27Pré-Clube dos 27
10 astros do rock que morreram antes dos 27 anos

David CoverdaleDavid Coverdale
Como ele soava antes da fama?

Deep PurpleDeep Purple
Phil Collen na contracapa de Made In Japan?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"

Total GuitarTotal Guitar
Os melhores e piores covers da história

ReligiãoReligião
Os rockstars que se converteram

As I Lay DyingAs I Lay Dying
Banda cristã comenta proximidade com o Behemoth

5000 acessosBruce Dickinson: sua coleção de clássicos do Metallica5000 acessosFotos de Infância: Cradle Of Filth5000 acessosCannibal Corpse: o pescoço gigante de George Fisher4897 acessosTony Iommi sobre Lemmy: "Sua lenda nunca morrerá"5000 acessosIron Maiden: as mais raras e curiosas músicas - parte 15000 acessosJared Leto: a reação ao se ver no papel do Coringa

Sobre Olímipio Moreira Rocha

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online