Resenha - Endrah - Endrah

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Curto e grosso. É assim que pode ser definido o disco de estréia dos paulistas do Endrah. A banda de hardcore-death-metal (dá pra ler sem respirar no meio?), formada por Fernando Schaefer (bateria - Kiko Loureiro, Pavilhão 9, Treta e ex-Korzus e Rodox), TJ (baixo - Treta), Covero (guitarra - Nervochaos, Mindmaker) e o americano Relentless no vocal, mostra a que veio num petardo homônimo de 10 faixas e cerca de 44 minutos de música extrema como cartão de visitas. E se a primeira impressão é a que fica, a que ficou foi aquela sensação de "porrada na oreia"! Mas também, o que se poderia esperar de um conjunto que tenta quebrar limites e tabus ao misturar Hardcore e Death Metal?
5000 acessosSlayer: Araya fala sobre fé e sua relação com o cristianismo5000 acessosAngra: banda errou na escolha de Fabio Lione?

E este peso que os estilos sugerem aparece em todo o projeto, além das suas composições. São exemplos o nome da banda e a arte gráfica deste debut, creditada a André Ottoni. Na bela capa, figura um "demonião" (como define o batera Fernando) empunhando uma arma que parece misto de um soco inglês com pontas afiadas e um machado. Tudo em cores que aludem ao sangue. Já é uma prévia do que se encontrará musicalmente: agressividade e letras recheadas de ódio.

Quanto ao seu conteúdo, Endrah não decepciona. Mesmo sendo a estréia da banda, ela conta com membros experientes, o que resultou num trabalho consistente.

A primeira faixa é "61 Rounds", começando apenas com um riff de guitarra antes da banda se juntar com toda a brutalidade e quebrar tudo. Ela resume bem o que aparecerá no álbum como um todo, sendo que a principal característica é a variação de velocidade e ritmo dentro de cada música. Nos seus mais de cinco minutos, alternam-se tanto blast-beats quanto andamentos mais lentos e há até uma passagem só no baixo. Além de muita criatividade para os riffs, outro ponto forte está na bateria. Fernando Schaefer abusa dos bumbos duplos e da velocidade para acompanhar quase sempre o ritmo das bases levadas por guitarra e baixo, mas nunca de forma óbvia.

"Depht of Corruption" segue com a porrada lá em cima, com destaque para o vocal do californiano (de San Francisco) Ryan "Relentless" Raes, que lembra o de Marcello Pompeu, do Korzus, mas é ainda mais agressivo. Uma das melhores faixas é a próxima, "Worms of Envy", com uma estrutura interessante. Ela começa rápida, mas antes do refrão fica mais lenta e retoma a aceleração aos berros de "Worms of Envy", que grudam na cabeça de qualquer headbanger que se preze.

Em "A Lot of Blood", aparece o primeiro (e um dos únicos) solos de Covero. É uma pena pois ele mostra boa qualidade e a banda poderia ter aproveitado a infinidade de riffs criados para adicionar sobre eles um dos elementos mais legais do rock. E até para quebrar um pouco o ciclo riff-vocais-riff em algumas músicas.

"Stay Spiting" conta com uma sonoridade diferente e interessante de guitarra e mais um belo trabalho nos vocais. Mas é com "Turns Blue", primeiro vídeo dos paulistas, que o nível volta a bater no teto. Seu começo é bem hardcore, com uma levada veloz e um solo furioso. Mas a fúria aparece mesmo é nas letras, consideradas perturbadoras pelo próprio Endrah. A maioria delas é de Relentless, que diga-se de passagem tem seu apelido vindo da palavra em inglês para cruel! Com tanta agressividade, a composição deve ter sido um verdadeiro período de terapia para a banda, que pode por tudo o que tinha engasgado para fora!

Afinal, como a música diz, quem mexer com o Endrah já sabe o que esperar:

"You wanted a fight
You must be taken
You disrespect Endrah
Your life might be taken"

Uma das inspirações para as letras é o jiu-jitsu, uma vez que o vocalista e o baixista TJ incluem nos agradecimentos pessoais seus alunos na arte marcial.

Já caminhando para o final do álbum, "Witness Count 0" tem uma base forte, com um trabalho conjunto dos instrumentos sobrepostos, e apresenta uma variação maior nos vocais do que nas outras composições, em que se mantém uma linha mais fixa e que pode cansar um pouco.

"Collapse" é a melhor do CD, além de a mais curta, com três minutos, e já era destaque na demo lançada anteriormente pelo grupo, a "DEMONstration". O destaque fica por conta do trabalho e velocidade das palhetadas de Covero e das baquetas de Fernando, que usa os "blast beats" de forma criativa e não massante. O resultado é difícil esquecer mesmo após uma só escutada.

Fechando, "Emetic Manifesto" fala sobre suícidio e "You're the Hunted Now" tem um tempo bastante quebrado, mantendo e enfatizando o padrão do resto do CD. Esta última praticamente faz com que o ouvinte fique ansioso por um segundo álbum (calma! se nem o primeiro saiu no Brasil até agora...). No final, a levada vai sendo acelerada cada vez mais até que a música simplesmente acaba, ficando aquele gostinho de "é isso? acaba assim???".

Como estréia, o Endrah deve ser aprovado tanto no Brasil (onde em breve começará a ser distribuído pela Dynamo) quanto no exterior, onde foi lançado no dia 13 de outubro pela gravadora alemã Coretex. Quanto à produção, feita pelos próprios integrantes e por Ciero (Krisiun), o único ponto negativo é o baixo ficar meio escondido. Isso aconteceu pois a bateria tem destaque nas composições e Covero sobrepõe mais de uma guitarra para "encher" o som.

Musicalmente, o quarteto atinge o objetivo de fazer um estilo próprio, podendo agradar a quem curte os extremos do hardcore e do metal. Agora resta esperar as outras dez músicas que os paulistas dizem terem no forno e uma turnê em solo nacional. Depois do finzinho de "You're the Hunted Now", realmente não há mais nada a fazer... Quem sabe colocar o CD no repeat?

Track-list
1. 61 Rounds
2. Depht of Corruption
3. Worms of Envy
4. A Lot of Blood
5. Stay Spitting
6. Turns Blue
7. Witness Count 0
8. Collapse
9. Eretic Manifesto
10. You're the Hunted Now

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Endrah - Endrah

1409 acessosEndrah: dá vontade de se jogar de um penhasco1264 acessosEndrah: death metal de contornos perturbadores

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Endrah"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Endrah"

SlayerSlayer
Araya fala sobre fé e sua relação com o cristianismo

AngraAngra
Banda errou na escolha de Fabio Lione?

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Ozzy Osbourne e Renato Aragão

5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura5000 acessosAngra e Detonator: "Sem nenhuma dúvida, esse cara comprou a mídia!"5000 acessosPlanet Rock: 40 melhores discos ao vivo de todos os tempos5000 acessosGuns N' Roses: cover de AC/DC em homenagem a falecido cão de Axl Rose5000 acessosQueen: estudo diz que Bohemian Rhapsody é melhor que sexo5000 acessosMötley Crüe: "não somos como o Bon Jovi", diz Nikki Sixx

Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online