Resenha - Touched By The Crimson King - Demons & Wizards

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 7


Logo nos primeiros segundos de "Touched By The Crimson King" John Schaffer faz questão de nos lembrar que usa o mesmo riff há mais de 15 anos. Ok, isso não impede que ele seja um grande guitarrista. Yngwie Malmsteen e Chris Impelliteri também se repetem muito e são guitar-heros de respeito. Contudo, isso começa a ficar realmente chato. Sorte que o conjunto do material presente nesta sua nova empreitada ao lado de Hansi Kürsch salva o resto. E nunca é demais colocar Hansi no seu devido lugar: uma das vozes mais espetaculares do mundo e intérprete soberbo, talvez o maior do metal. Incrível a garra e intensidade do sujeito.

Lemmy Kilmister: A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron MaidenHumor: as 101 regras do New Metal/Nu-metal

O primeiro álbum do D&W, auto-intitulado (odeio álbuns "auto-intitulados") era bom, mas longo em demasia, se perdendo em meio às suas 16 canções. Já que a dupla Schaffer & Kürsch assina todas as letras e composições, algum engraçadinho poderia fazer a incrível revelação de que o D&W nada mais é que o instrumental do Iced Earth com os refrães e o estilo vocal do Blind Guardian. Tá, claro que o é.
A princípio não seria um problema, pois as duas bandas são ótimas. Mas "Touched By The Crimson King" vai muito pouco além disso. Parece que a duplinha se contentou ao saber que entraria em campo com o jogo ganho. Como resultado, produziram um verdadeiro espetáculo de déja-vu's consecutivos.

"Crimson King", "Beneath These Waves" e "Terror Train" é rigorosamente IGUAL a tudo que eles fizeram antes. As coisas só mudam com "Seize The Day", mid-tempo, mais cérebro que músculos, mas ela é medíocre. Ás vezes me pergunto se grandes compositores que só sabem compor as mesmas coisas são grandes compositores realmente (!?!?!?!?!) e é visível que Hansi fica muito refém de Schaffer nestas horas. Ou você não conhece o comportamento tirano do rapaz? A coisa se complica se pensarmos que o D&W é um projeto paralelo, fora de suas bandas normais, e como tal deveria trazer algo de novo, dando a oportunidade dos músicos experimentarem coisas que sempre quiseram. Pelo jeito o que eles quiseram testar aqui é quanta grana conseguiriam ganhar juntos...

Por isso, não perderei nosso tempo com músicas mais surpreendentes que peru no natal. "Love's Tragedy Asunder" tem um riff realmente inspirado e que cresce aos poucos, valorizando o bonito refrão cantado por Kürsch. "Wicked Witch" traz um belíssimo trabalho de vozes, numa faixa agradável onde Hansi lembra Warrel Dane, em seu final, especialmente. "Dorian", ao contrário do esperado nestas alturas, faz valer os seus seis minutos e meio, apesar de Schaffer insistir em ser Schaffer o tempo todo. "Down Where I Am" é a magnífica balada que felizmente nos foi concedida, deixando-nos com a conclusão de que o ato final do trabalho é, disparado, o melhor e o que realmente importa.

No disco anterior eles gravaram "White Room", cover do Cream, e neste eles mantém a tradição de coverizar alguma banda clássica. Agora foi "Immigrant Song", do Led Zeppelin, a escolhida. Claro, mais pesada. Claro, mais agressiva. Só que não tinha necessidade. Sabe estrangeiro falando português? È a mesma sensação de deslocamento que se tem aqui. Destruíram com a essência musical que só músicos daquela época e com aquela mentalidade poderiam ter. Ou seja..."Immigrant Song" virou mais uma.

Falei tanto para dizer que "Touched By The Crimson King" é medíocre. Até Bobby Jarzombek, baterista que já passou pelo Iced Earth e músico de estúdio requisitado atualmente, não está tão apreciável quanto o costumeiro. Na verdade, até a arte gráfica está abaixo do esperado.

O sinal amarelo foi ligado. Se Schaffer & Kürsch pensam em levar o Demons&Wizards adiante é melhor produzir algo que não seja "a mesmice da mesmice". Observando que as baladas correspondem ao melhor momento desta bolachinha, porque não um trabalho acústico dos dois, com Hansi interpretando tanto clássicos do Iced Earth quanto do Blind Guardian?
Isto sim seria legal de se ver.

Formação:
Hansi Kürsch (Vocal)
Jon Schaffer (Guitarra Base/Baixo/Violão)
Jim Morris (Guitarra Solo)
Rubin Drake (Baixo)
Bobby Jarzombek (Bateria)
Howard Helm (Piano)

Site Oficial: www.demosandwizards.de

Hellion Records - 2005.


Outras resenhas de Touched By The Crimson King - Demons & Wizards

Resenha - Touched By The Crimson King - Demons & WizardsDemons & Wizards: análise da edição deluxe do segundo disco




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Demons And Wizards"


Stephen King: Top 5 das canções inspiradas em sua obraStephen King
Top 5 das canções inspiradas em sua obra

Heavy Metal: Alguns discos que são obras-primas pouco lembradasHeavy Metal
Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas


Lemmy Kilmister: A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron MaidenLemmy Kilmister
A opinião da lenda sobre Sharon Osbourne e Iron Maiden

Humor: as 101 regras do New Metal/Nu-metalHumor
As 101 regras do New Metal/Nu-metal

Aquiles Priester: Posters, action figures e latinhas de coca-colaAquiles Priester
Posters, action figures e latinhas de coca-cola

Keith Richards: colocando Justin Bieber em seu devido lugarKeith Richards
Colocando Justin Bieber em seu devido lugar

A7X: Curiosidades sobre a banda que talvez você não saibaA7X
Curiosidades sobre a banda que talvez você não saiba

Metallica: o que James Hetfield pensa de música eletrônica e hip-hop?Metallica
O que James Hetfield pensa de música eletrônica e hip-hop?

Metallica: Jason Newsted é melhor que Cliff Burton, mas Lars e James ferraram eleMetallica
Jason Newsted é melhor que Cliff Burton, mas Lars e James ferraram ele


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336