Resenha - Touched By The Crimson King - Demons & Wizards

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Cinco anos após a sua elogiada estréia, o Demons & Wizards, projeto que une o vocalista Hansi Kürsch (Blind Guardian) e o guitarrista Jon Schaffer (Iced Earth) solta o seu segundo álbum.

1055 acessosDemons & Wizards: fãs ficarão surpresos com o próximo álbum5000 acessosO Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais


Em 2000, data do lançamento de “Demons & Wizards”, as duas bandas viviam fases espetaculares. Enquanto o Iced Earth ainda colhia os louros do ótimo “Something Wicked This Way Comes”, o Blind Guardian via o seu nome crescer à uma velocidade espantosa, graças ao excelente “Nightfall In Middle-Earth”. Nestes sessenta meses que separam os dois álbuns, muita coisa mudou para as duas bandas. O Iced Earth lançou o mediano “Horror Show”, e perdeu o ótimo vocalista Matthew Barlow em uma história até hoje mal contatada. Apesar da entrada do ex-Judas Priest Tim Owens no posto de Barlow e do lançamento de dois bons álbuns, “The Glorious Burden” e “The Blessed And The Damned”, a banda infelizmente não conseguiu manter o posto de destaque merecidamente conquistado com “The Dark Saga” e o já citado “Something Wicked This Way Comes”.

Já o Blind Guardian colocou no mercado “A Night At The Opera”, que apesar de toda a qualidade apresentada em suas composições não conseguiu sair da sombra de “Nightfall In Middle-Earth”, sem dúvida alguma um dos melhores álbuns da história do heavy metal.

A volta do Demons & Wizards reflete esta situação. Se no primeiro álbum a mistura entre a sonoridade dos dois grupos soava inspirada e renovadora, em “Touched By The Crimson King” muitas vezes ela soa repetitiva. A abertura com a ótima e pesada “Crimson King” parece saída do debut, com destaque para o refrão totalmente Blind Guardian cantado por Hansi Kürsch. “Beneath These Waves” busca novos caminhos, com um andamento mais cadenciado, enquanto “Terror Train” soa como sobra de estúdio de “Horror Show”.

Uma guinada de 360 graus é dada quando começam os primeiros acordes da bela “Seize The Day”. Nesta música mais uma vez nota-se o quanto Hansi Kürsch possui uma voz privilegiada, alternando momentos mais agressivos com outros em que usa a sua voz de forma mais limpa.

O caminho é seguido com mais peso na ótima “Love´s Tragedy Asunder”, uma das minhas preferidas, culminando na acústica “Wicked Witch”, com resquícios daquele clima medieval característico do Blind Guardian.

Poderia ser um ótimo álbum, mas não o é pela excesso de fórmulas repetitivas. “The Gunslinger” tenta ser climática e consegue apenas ser chata. “Dorian”, apesar do ótimo riff de Schaffer, é repetitiva e longa demais.

Encerrando o CD temos uma versão para a imortal “Immigrant Song” do Led Zeppelin. Ao contrário da excelente releitura de “White Room”, que fechava seu álbum de estréia, “Immigrant Song” acaba soando muito estranha na “atmosfera” Demons & Wizards, e isso se dá muito mais por um erro de escolha do que pela qualidade dos músicos envolvidos no projeto. Se a idéia era homenagear Jimmy Page e Robert Plant, refazer clássicos como “The Rover”, “Over The Hills And Far Away” ou até mesmo uma versão de “Stairway To Heaven” com o clima da Terra Média teria sido uma idéia melhor.

A versão nacional conta ainda com quatro faixas bônus. “Lunar Lament” e “Spatial Architects” poderiam tranquilamente fazer parte do set list principal do álbum, pois não ficam devendo nada às músicas escolhidas. Além delas, temos também uma releitura de “Wicked Witch” batizada como “slow version”, além de uma versão editada de “Beneath These Waves”.

Fechando, não poderia deixar de ressaltar, mais uma vez, o respeito mostrado pela Hellion Records, que colocou o álbum no mercado nacional com uma bela versão “slip-case”, além de um longo encarte com todas as letras.

A idéia de unir a sonoridade do Iced Earth e do Blind Guardian soou bem em 2000 no álbum de estréia, mas, se o plano de Kürsch e Schaffer for manter o Demons & Wizards na estrada, é preciso ir além disso.

Faixas:

1. Crimson King
2. Beneath These Waves
3. Terror Train
4. Seize The Day
5. The Gunslinger
6. Love´s Tragedy Asunder
7. Wicked Witch
8. Dorian
9. Down Where I Am
10. Immigrant Song

Bonus Tracks:

11. Lunar Lament
12. Wicked Witch (Slow Version)
13. Spatial Architects
14. Beneath These Waves (Edit)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Touched By The Crimson King - Demons & Wizards

4270 acessosResenha - Touched By The Crimson King - Demons & Wizards2791 acessosTradução - Touched By The Crimson King - Demons & Wizards

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

1055 acessosDemons & Wizards: fãs ficarão surpresos com o próximo álbum1040 acessosDemons & Wizards: Schaffer e Kursch trabalham em novo material0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Demons And Wizards"

Stephen KingStephen King
Blog elege Top 5 das canções inspiradas em sua obra

Stephen KingStephen King
As 12 melhores canções inspiradas em sua obra

Heavy MetalHeavy Metal
Discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 1

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Demons And Wizards"

Os 11 mais (ou menos)Os 11 mais (ou menos)
O Suprassumo do Superestimado

Em 19/03/1982Em 19/03/1982
Randy Rhoads morre em um acidente de avião

Álbuns ao vivoÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

5000 acessosFama: 5 bandas que são grandes no exterior e nem tanto no Brasil5000 acessosVocalistas: cantora clássica analisa cinco ícones do Heavy Metal5000 acessosO Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica5000 acessosAndreas Kisser: Max e Igor hoje são "pessoas totalmente diferentes"4152 acessosOzzy Osbourne: entre artistas com letras mais mal interpretadas4955 acessosBon Jovi: "Blaze of Glory" foi composta em guardanapos em um bar

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online