Resenha - Darklife - Silent Cry

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9


Embora não conheça a fundo os trabalhos anteriores do Silent Cry, pude acompanhar - através de contatos - a trajetória tortuosa destes mineiros de Governador Valadares. Após alguns álbuns, mudanças de formação, apresentação no Brasil Metal Union e o contrato com a Hellion Records, eis que chegamos à "Darklife".

Ozzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressacaPlanet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarra

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Sufocated In Darkness", como faixa de abertura, finca os pés no heavy metal, impressionando pelo solo incomum apresentado. E a partir daí identificamos facilmente os acertos da banda: eles não carregam tanto na atmosfera tétrica, deixam a veia progressiva supinamente presente nas composições, capricham nas harmonias vocais - guturais, líricos e screams são usados soberbamente e com ciência de sua colocação - e trazem riffs e solos inspiradíssimos, em quantidade bem maior se comparado às bandas do estilo.
Ouça "Sweet Serenades" e comprove o que foi dito acima.

Garantindo a audição prazerosa do material, notamos o cuidado em compor músicas que se diferenciem entre si (e o feliz acerto da disposição das mesmas no álbum), mantendo o ritmo intenso e a qualidade intacta. Dado isso, temos o real bom gosto da balada "Last Goodbye", o prog/power (não, você não leu errado) vigoroso e quebrado de "Innocence's Look", as acertadas digressões de "My Tears Are Still Falling", a classe e as harmonias belíssimas de "Wine's Dance", culminando no singelo desfecho com "Enigmatic".

Sandra Felix é competente tanto nos tons altos quanto nos baixos, se encaixando satisfatoriamente no som do sexteto (e seus "duelos" com Dilpho Castro são ótimos), a dupla de guitarristas é polivalente (garantindo a variação citada), a cozinha dosa a intensidade com sabedoria e os teclados de Phillipe Dutra sempre trazem algo relevante. A produção, ainda que não seja perfeita, é correta, e jamais atrapalha.

Eles nunca se esquecem que são, antes de tudo, uma banda de metal, concedendo momentos suculentos aos headbangers amantes do gênero. Destacam-se justamente por seguirem na tradição mais pesada do lado soturno da música. Black Sabbath, Candlemass, Paradise Lost e até o Tristania, em seus melhores momentos, podem ser tidos como referências aqui. No entanto, sem nunca esquecer de sua personalidade própria e criar composições que tenham um diferencial. Junto ao Avec Tristesse, considerando as bandas que me vem à mente agora, o Silent Cry se credencia como um dos grandes representantes do gothic metal brasileiro.

Garantia de bom investimento.

Formação:
Sandra Felix (Vocal)
Dilpho Castro (Vocal/Guitarra)
Albenez Carvalho (Guitarra)
Roberto Freitas (Baixo)
Phillipe Dutra (Teclado)
Ricardo Meirelles (Bateria)

Site Oficial: www.silentcry.com.br

Material cedido por:
Hellion Records
Rua 24 de Maio, 62 - Lojas 280/282/308 - Centro
São Paulo - SP - CEP: 01041-900 - Brasil
Tel: (11) 5083-2727 - 5083-9797 - 5539-7415
Fax: (11) 5549-0083
Internet: www.hellionrecords.com
Email: hellion@hellionrecords.com


Outras resenhas de Darklife - Silent Cry

Resenha - Darklife - Silent Cry



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Silent Cry"


Blog Sutil Como Uma Granada: Musas do rock/metal nacionalBlog Sutil Como Uma Granada
Musas do rock/metal nacional


Ozzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressacaOzzy Osbourne
Madman dá a cura para a ressaca

Planet Rock: As músicas com os melhores solos de guitarraPlanet Rock
As músicas com os melhores solos de guitarra


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL