Resenha - Adam & Eve - Flower Kings

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Ultimamente quando aparece um 'novo' projeto ou banda de rock progressivo, pode saber que tem algum membro dos Flower Kings envolvido. Além da qualidade, eles são muitos e estão em toda parte (que afirmação paranóide, não?). Veja só: Karmakanic, Kaipa, The Tangent, Time Requiem, Arena, Midnight Sun, TransAtlantic, , Space Odyssey, Pain Of Salvation, entre outros, já contaram ou ainda contam com os trabalhos de membros da banda sueca. Seguindo um histórico desses, não podemos esperar nada além do acima da média quando esses magos se reúnem.

The Flower Kings: Ouça novo trabalho de Hasse FröbergFotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1

"Adam & Eve" é o décimo segundo lançamento do grupo - se considerarmos os ao vivo e excluirmos as relíquias para fã clubes -, e eles ainda não decepcionaram ao longo dessa trajetória que alcança uma década.

'Jams' que exigem o máximo de cada integrante, ao modo Weather Report, climas bem cadenciados, rock 'n' roll setentista, influências de neo-prog, levadas ao estilo de Yes, e toques de música pop marcam presença novamente e garantem a alegria dos fãs.

Há uma série de perdas e ganhos, no entanto, se compararmos este CD a seus antecessores. Os vocais soam melhores que nunca, especialmente pelas participações de Daniel Gildenlöw, esteja ele atuando em duetos com Roine Stolt ou solo. Seu show particular no 'rockão' da faixa título e as incontáveis intervenções misteriosas e nebulosas de sua voz pagam o disco. Por outro lado, as inspirações de Pendragon e IQ não funcionam tão bem no instrumental desta vez, como acontecera em "Stardust We Are" (1997) e "Space Revolver" (2000). "Cosmic Circus" e "The Blade Of Cain", por exemplo, não soam mal, mas ficam à margem do normal, o que definitivamente é anormal tratando-se de The Flower Kings.

As atuações são irrepreensíveis, e é redundante afirmar isso com essa turma credenciada desse jeito. Porém, a técnica aprovada nem sempre reflete um entusiasmo criativo, e parece-me que faltou um pouco disso por aqui. Química ou concordância de objetivos talvez. Todavia, estes percalços comuns na vida de um conjunto só retêm parte do brilho. O restante reluz e muito, e falamos aí da épica "Drivers Seat", de "Vampires View", "Timelines", e também "Love Supreme", com seus quase vinte minutos de duração. Ou seja, 75% do álbum. Que continuem assim, normais às vezes, extraordinários na maioria do tempo.

Site Oficial - http://www.flowerkings.se

Roine Stolt (Vocais - Guitarras - Violões)
Hasse Fröberg (Vocais)
Daniel Gildenlöw (Vocais)
Tomas Bodin (Teclados)
Jonas Reingold (Baixo)
Hasse Bruniusson (Percussão)
Zoltan Csorsz (Bateria)

Material cedido por:
Hellion Records - http://www.hellionrecords.com
Rua 24 de Maio, 62 - Lojas 280 / 282 / 308 - Centro.
São Paulo - SP - BRASIL
CEP: 01041-900
Tel: (11) 5083-2727 / 5083-9797 / 5539-7415
Fax: (11) 5549-0083
Email: hellion@uol.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Flower Kings"


The Flower Kings: Ouça novo trabalho de Hasse Fröberg

Fotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Fotos
Confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1

Álbuns: os vinte piores discos de todos os temposÁlbuns
Os vinte piores discos de todos os tempos

Mulheres no Rock: resistência em um meio machistaMulheres no Rock
Resistência em um meio machista

Hard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gêneroHard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero

Rock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na músicaRock
25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música

Alice Cooper: fotos de infância, muito antes da famaAlice Cooper
Fotos de infância, muito antes da fama

Yngwie Malmsteen: Blackmore foi o último que o impressionouYngwie Malmsteen
Blackmore foi o último que o impressionou


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336