Resenha - Traces Of Sadness - Vanilla Ninja

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  


Vindo da Estônia, o Vanilla Ninja representa, com toda a certeza, tudo aquilo que o rock n´roll não deve ser. Primeiramente, o que é um conjunto de rock? Seriam alguns músicos tocando pelo menos guitarra, baixo, bateria e ter um cantor(a) em sua formação. Pois isso o Vanilla Ninja já não é. Começamos mal, não?

O encarte é recheado de quatro ninfetas bonitinhas vestidas de "roqueiras", mas fabricadas de uma maneira tão exagerada que é constrangedor, de doer os olhos mesmo. E nenhuma informação sobre o que cada uma destas marionetes deveria tocar consta no encarte. Por quê será?

publicidade

Ao vivo, obviamente como não devem possuir afinidades com seus respectivos instrumentos, tem uma banda "de apoio" no fundo do palco (!!!); então devem ficar fazendo caras e bicos para entreter a platéia. Muitos devem estar se perguntando sobre a música que há no CD... Bom, é claro que "Traces Of Sadness" contém músicas, além de repetições de faixas com outras versões beeeeem longas, vídeos, etc, etc...

publicidade

Pois na realidade estas canções foram elaboradas por uns tais de David Brandes, Jane Tempest e John O´Flynn, que se saem bem em sua proposta de um rockinho água-com-açúcar, totalmente radiofônico, cheio de teclados, refrãos pegajosos, mas que na segunda audição já satura o ouvinte.

O mais triste disso tudo é saber que em cada canto do mundo há tantas bandas talentosas, se ralando em aperfeiçoar sua técnica de tocar, compondo como loucos, pouca verba e cheio de sonhos, mas o mercado prefere continuar investindo em lixos deste gênero e, com um programa de marketing intenso vendem apenas ilusões, e não arte.

publicidade

Apenas finalizando, muitos compararam Vanilla Ninja com Lita Ford ou Vixen. Pois bem, não caia nessa; essas bandas são de mulheres que sabiam tocar - e muitíssimo bem - seus instrumentos, se envolviam diretamente na composição de suas músicas e até mesmo Lita Ford em sua fase mais pop era muito mais hard rock que esse delírio ninja. O Vixen então, era demais!

publicidade

Vanilla Ninja – Traces of Sadness
(2004 – Hellion Records)

01. Tough Enough
02. Traces of Sadness
03. Stay
04. When the Indian's Cry
05. Don't Go Too Fast
06. Heartless
07. Liar
08. Don't you realize
09. Wherever
10. Metal Queen
11. Looking for a Hero
12. Destroyed by You
13. Traces of Sadness (Extended Version)
14. Heartless (Extended Version)

Bonus Video Clip

15. Tough Enough
16. Don't Go Too Fast

publicidade

homepage: www.vanilla-ninja.de


Outras resenhas de Traces Of Sadness - Vanilla Ninja

Resenha - Traces Of Sadness - Vanilla Ninja




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Galeria: Musas do Rock e Heavy MetalGaleria
Musas do Rock e Heavy Metal


Separados no nascimento: Cazuza e Lauro CoronaSeparados no nascimento
Cazuza e Lauro Corona

Iron Maiden: versões pesadas para clássicos do RockIron Maiden
Versões pesadas para clássicos do Rock


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin