Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu e os cinco grandes vocalistas que o mundo do Rock não dá valor

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemA música do Metallica que James não queria apresentar aos outros integrantes

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemOzzy Osbourne revela que Lemmy Kilmister era um leitor voraz

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos

imagemAngra e Shaman, Edu Falaschi fala sobre a treta que havia entre as bandas

imagemFrank Zappa surpreende ao eleger seus dez álbuns favoritos

imagemBruno Sutter explica semelhança problemática entre Ayrton Senna e Fausto Fanti

imagemDez músicas de outros estilos que ganharam ótimas versões rock/metal - Parte I

imagemMúsico de Los Angeles compartilha foto recente de Alex Van Halen

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemDave Lee Roth revela qual é seu álbum preferido do Van Halen

imagemAmy Lee comenta demissão de Jen Majura e diz que é preciso "ouvir o universo"


Stamp
2022/07/09

Resenha - Traces Of Sadness - Vanilla Ninja

Por Ben Ami Scopinho
Em 10/02/05

Vindo da Estônia, o Vanilla Ninja representa, com toda a certeza, tudo aquilo que o rock n´roll não deve ser. Primeiramente, o que é um conjunto de rock? Seriam alguns músicos tocando pelo menos guitarra, baixo, bateria e ter um cantor(a) em sua formação. Pois isso o Vanilla Ninja já não é. Começamos mal, não?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O encarte é recheado de quatro ninfetas bonitinhas vestidas de "roqueiras", mas fabricadas de uma maneira tão exagerada que é constrangedor, de doer os olhos mesmo. E nenhuma informação sobre o que cada uma destas marionetes deveria tocar consta no encarte. Por quê será?

Ao vivo, obviamente como não devem possuir afinidades com seus respectivos instrumentos, tem uma banda "de apoio" no fundo do palco (!!!); então devem ficar fazendo caras e bicos para entreter a platéia. Muitos devem estar se perguntando sobre a música que há no CD... Bom, é claro que "Traces Of Sadness" contém músicas, além de repetições de faixas com outras versões beeeeem longas, vídeos, etc, etc...

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Pois na realidade estas canções foram elaboradas por uns tais de David Brandes, Jane Tempest e John O´Flynn, que se saem bem em sua proposta de um rockinho água-com-açúcar, totalmente radiofônico, cheio de teclados, refrãos pegajosos, mas que na segunda audição já satura o ouvinte.

O mais triste disso tudo é saber que em cada canto do mundo há tantas bandas talentosas, se ralando em aperfeiçoar sua técnica de tocar, compondo como loucos, pouca verba e cheio de sonhos, mas o mercado prefere continuar investindo em lixos deste gênero e, com um programa de marketing intenso vendem apenas ilusões, e não arte.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Apenas finalizando, muitos compararam Vanilla Ninja com Lita Ford ou Vixen. Pois bem, não caia nessa; essas bandas são de mulheres que sabiam tocar - e muitíssimo bem - seus instrumentos, se envolviam diretamente na composição de suas músicas e até mesmo Lita Ford em sua fase mais pop era muito mais hard rock que esse delírio ninja. O Vixen então, era demais!

Vanilla Ninja – Traces of Sadness
(2004 – Hellion Records)

01. Tough Enough
02. Traces of Sadness
03. Stay
04. When the Indian's Cry
05. Don't Go Too Fast
06. Heartless
07. Liar
08. Don't you realize
09. Wherever
10. Metal Queen
11. Looking for a Hero
12. Destroyed by You
13. Traces of Sadness (Extended Version)
14. Heartless (Extended Version)

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Bonus Video Clip

15. Tough Enough
16. Don't Go Too Fast

homepage: www.vanilla-ninja.de


Outras resenhas de Traces Of Sadness - Vanilla Ninja

Resenha - Traces Of Sadness - Vanilla Ninja

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

2022/08/18


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

PENDENTE

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.