Matérias Mais Lidas

imagemThin Lizzy e o álbum picareta de covers do Deep Purple que garantiu sua sobrevivência

imagemConheça o guitarrista brasileiro de 16 anos que estará no próximo clipe do Megadeth

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemBeatles: A música que Paul McCartney compôs para calar a boca de Pete Townshend

imagemA inteligente estratégia de Prika para não perder gravadora na ruptura da Nervosa

imagemPor que o processo de composição da Legião Urbana e Engenheiros era tão diferente?

imagemSteve Grimmett: vocalista do Grim Reaper morre aos 62 anos

imagemSons of Apollo une carisma e técnica em show no Rio com direito a piada de Mike Portnoy

imagemAs 10 músicas mais estranhas do Guns N' Roses, em lista do Ultimate Classic Rock

imagemDez clássicos do thrash metal que não foram gravados pelo "Big Four" - Parte I

imagemAs obscuras músicas favoritas do Red Hot Chili Peppers de John Frusciante

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemAs 10 melhores músicas "lado b" da carreira solo de Dio, em lista do Metal Injection

imagemOzzy comenta a brutal honestidade de Lemmy quando estava próximo da morte


Stamp

Resenha - Icon - Paradise Lost

Por Ben Ami Scopinho
Em 24/12/04

Os ingleses do Paradise Lost, como tantas outras bandas do underground mundial, começaram sua carreira tocando um típico death metal. Mesmo com a boa repercussão de seus álbuns, e devido à necessidade de tranformação que alguns artistas apresentam, seus próximos trabalhos nunca se pareceriam entre si, sempre acrescentando algo inusitado (na época) ao seu death metal, sejam coros femininos ou instrumentos que não faziam parte do gênero até então famoso pela extrema agressão sonora.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Em 1993, Paradise Lost lança seu quarto disco, "Icon", dando um adeus definitivo ao death metal. Na época de seu lançamento, os músicos da banda comentavam que a idéia deste disco era a de que, no momento de sua audição, se tivessem a impressão de estar numa catedral. E conseguiram plenamente este objetivo. A sensação de opressão aliada à beleza das composições deste disco é evidente (com certeza, no caso das catedrais católicas, era isso que a Igreja queria passar aos seus fiéis – beleza divina e algum temor necessário, mostrando o quanto o homem é pequenino perante Deus, o que ajudaria na "orientação" de seus seguidores).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O talento de Gregor Mackintosh e Nick Holmes, que são os gênios atrás das letras introspectivas e dos arranjos musicais, nos apresentam alta qualidade nas composições que passam por todas as faixas. A constante de "Icon" são os riffs de heavy metal recheados de passagens doom e góticas e climas orquestrados, e, ao invés dos tradicionais urros de outrora, Nick Holmes realmente canta neste álbum, mesmo de maneira um tanto áspera.

A faixa de abertura, "Embers Fire" já é um clássico, com uma melodia de guitarra muito forte, gerando uma atmosfera obscura e triste. "Remembrance " e "Colossal Rains", com seus pesos e irresistíveis guitarras-solo, nos prendem a atenção desde o começo pela atmosfera intensa e densa, como somente muito, muito poucas canções deste estilo conseguem nos transmitir.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

E as canções fluem, todas tendo seu momento, seja nas mais rápidas como "Dying Freedom" e "Widow", seja na arrastada "Joys Of The Emptiness", ou na bonita "Christendom", que se completa com vozes femininas. E para finalizar tanta melancolia, "Deus Misereatur", instrumental tal como as melodias que se terminam um filme.

Mesmo com um trabalho deste nível, o Paradise Lost se supera com seu sucessor, o ainda mais gótico "Draconian Times", atingindo popularidade imensa por todo o planeta, até que resolvem, em seus próximos discos, pender para o lado mais pop da música, usando efeitos eletrônicos em detrimento do peso, e como consequência, caindo em desgraça com os apreciadores de sua arte.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Paradise Lost – Icon
Music For Nations – 1993

Embers Fire
Remembrance
Forging Sympathy
Joys Of The Emptiness
Dying Freedom
Widow
Colossal Rains
Weeping Words
Poison
True Belief
Shallow Seasons
Christendom
Deus Misereatur

Formação:
Nick Holmes - Vocais
Gregory Mackintosh - Guitarra
Aaron Aedy - Guitarra
Stephen Edmondson - Baixo
Matt Archer – Bateria

Discografia:
Lost Paradise - 1990
Gothic - 1991
Shades Of God - 1992
Icon - 1993
Draconian Times - 1995
One Second - 1997
Reflections - 1998
Host - 1999
Believe In Nothing - 2001
Symbol Of Life - 2002


Outras resenhas de Icon - Paradise Lost

Resenha - Icon - Paradise Lost

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Companheiro de banda diz que baterista foi demitido do Opeth por não tomar vacina

De Metallica a Depeche Mode: A drástica mudança sonora do Paradise Lost

Bandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresa

Paradise Lost: a melhor música de cada álbum de estúdio

Paradise Lost: Suas 10 melhores músicas, pela Classic Rock History

Mick Jagger: em cerimônia na escola do filho em São Paulo

Oh, não!: clássicos do Rock Heavy Metal e que foram "estragados" pelo tempo


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.