Resenha - Shadow Zone - Axel Rudi Pell

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Discos de bandas capitaneadas por guitarristas podem ser considerados como uma sessão de auto promoção. Uma banda que só serve de apoio para o guitarrista despejar todo seu virtuosismo e velocidade. Porém com Axel Rudi Pell a coisa é um pouco diferente. Embora ele escreva todas as músicas, a banda realmente existe e é participativa. Com feras do porte de Mike Terrana (RAGE), Johnny Gioeli (Hardline) e Volker Krawzack (multi bandas), também seria incoerente para Axel ser o centro. Mas que ele se sobressai dos outros, isso é verdade... não adianta.... é regra. Mas com uma banda dessas, Axel nos brinda com mais um cd, o terceiro com a mesma formação, aonde ele repete seu consagrado hard rock a lá Scorpions com pitadas de heavy metal.
288 acessosAxel Rudi Pell: sua mais nova compilação de baladas5000 acessosGuitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

Axel parece seguir uma fórmula, que se é repetitiva, é sempre competente. Abre o cd com 2 faixas bem agressivas, a hard “Edge of the World” (show da banda, com destaque para os vocais de Johnny, que honra o posto que já foi de Jeff Scott Soto com maestria e da bateria de Mike Terrana) e Coming Home, mais heavy, que parece ter 3 minutos, embora seja uma faixa longa, com cerca de 7 minutos... muito boa abertura por sinal.

Depois o cd apresenta uma semi-balada que engata numa faixa cadenciada, a cativante “Live for the King”, com sua levada tipicamente heavy oitentista, um dos destaques do cd. As influências de Scorpions ficam muito aparentes na hard “Follow the Sign”, cuja intro lembra diretamente “Blackout”, sendo uma ótima faixa.... por sinal, a banda toda dá show nessa faixa. O cd também traz uma marca já conhecida de Axel: as baladas, que nesse cd se fazem presentes nas faixas “All the Rest of My Life”, “Heartbreaker” e “Under the Gun”, todas cativantes e muito agradáveis. Mais os maiores destaques ficam para os momentos mais heavy do cd, com “Time for the Truth”, com um show de teclados de Volker Krawzack, “Saint of Fools”,que lembra muito o heavy/hard do Helloween fase Andi Deris.

Este cd não é diferente dos anteriores que Axel Rudi Pell e banda já fizeram.... porém continua igualmente cativante. Confira sem medo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

288 acessosAxel Rudi Pell: sua mais nova compilação de baladas0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Axel Rudi Pell"

Baladas do MetalBaladas do Metal
Blog elege as mais bonitas de todos os tempos

Heavy MetalHeavy Metal
Discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 1

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Axel Rudi Pell"

Guitar WorldGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

BizarricesBizarrices
Ozzy Osbourne, Rolling Stones, The Who e outros

Metal NeoclássicoMetal Neoclássico
As regras para se tornar uma estrela do gênero

5000 acessosMegadeth: as 10 maiores tretas de Dave Mustaine5000 acessosMetal Rules: Os 100 melhores discos da História do Metal5000 acessosClassic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 805000 acessosSolos de guitarra: os 100 melhores segundo a Classic Rock Magazine5000 acessosMetallica: Segundo Mustaine, James, Cliff e Kirk iam demitir Lars5000 acessosMotley Crue: Sebastian Bach chegou a ser chamado para o vocal

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online