Resenha - Jupiter's Darling - Heart

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Uma década de pausa nas atividades e o Heart prova que o período no limbo foi essencial, principalmente após o lançamento do fraco "Desire Walks On" (1993). "Jupiter's Darling" (2004), o mais novo álbum, é facilmente o melhor trabalho das irmãs Wilson desde o aclamado auto-intitulado de 1985.

Heart: banda toca "Stairway To Heaven" em show; assistaFotos de Infância: Lemmy Kilmister, do Motorhead

Para acompanhá-las neste retorno, revelou-se o excelente guitarrista Craig Bartock, além da continuação da parceria com Ben Smith na bateria, e a adição de ninguém menos que Mike Inez (Alice In Chais, Ozzy Osbourne, etc) no baixo. Como convidados especiais aparecem Mike McCready (Pearl Jam) nas guitarras de "Led To One", "Down The Nile" e "I'm Fine", e Jerry Cantrell (Alice In Chains) no mesmo instrumento, mas apenas na faixa "Fallen Ones".

De início, com "Make Me", você já saca que valeu a pena esperar tanto tempo para que o Heart se reiterasse e voltasse com inspiração e força total em seu rock 'n' roll vivido e repleto de inferências de música country e folk em geral.

A seqüência das dezessete composições posteriores foi nitidamente feita a dedo, numa variação constante de arranjos de puro 'rock', incluindo bastante guitarras e os vocais rasgados de Ann Wilson, e músicas mais calmas, baladas folk se assim quiserem, contendo bandolins, belas texturas de mellotron, violinos, e algumas gaitas. Via de regra praticamente e, às vezes, quebra um ritmo bacana impresso por uma ou outra canção arrebatadora. Prejudica em certos instantes o desenvolvimento do CD.

Os convidados conseguiram imputar suas próprias sonoridades no estilo do Heart, sem que quaisquer das partes tivesse que ceder. Ótimas as músicas com McCready e Cantrell. Não obstante, os grandes destaques são "Oldest Story In The World", "Move On" e "Vainglorious". Incríveis composições que de imediato capturam o ouvinte. Todavia, também é inegável que a escolha das melhores faixas depende da velha discussão de preferência entre as vozes de Nancy e Ann Wilson. Particularmente, parece-me que para o rock 'n' roll Ann é a indicada, ficando com Nancy a responsabilidade pelas melodias mais sutis.

"Jupiter's Darling" fecha com "How Deep It Goes" e uma versão acústica de "Fallen Ones", novamente na variante supradita, e numa produção direta e exata, como todo o álbum. Algumas falhas pelas incessantes quebras de ritmo, é verdade, mas um retorno definitivamente suficiente para dez anos de espera.

Lançado pela Eagle Records - 2004


Outras resenhas de Jupiter's Darling - Heart

Resenha - Jupiter's Darling - HeartResenha - Jupiter's Darling - Heart




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Heart"


Heart: banda toca "Stairway To Heaven" em show; assista

Heart: Barracuda, uma narrativa contra uma mentira sexistaHeart
"Barracuda", uma narrativa contra uma mentira sexista

Heart: não fiquei surpresa com a morte de Chris CornellHeart
"não fiquei surpresa com a morte de Chris Cornell"

Heart: Barracuda surgiu a partir de uma insinuação incestuosaHeart
"Barracuda" surgiu a partir de uma insinuação incestuosa


Fotos de Infância: Lemmy Kilmister, do MotorheadFotos de Infância
Lemmy Kilmister, do Motorhead

Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontroGlen Benton e Euronymous
A verdade sobre o encontro

Vícios: As 10 melhores músicas sobre drogasVícios
As 10 melhores músicas sobre drogas

Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãFrances Bean Cobain
Assustada com tatuagem de fã

Twisted Sister: segundo Dee, ser pobre e famoso é uma merdaTwisted Sister
Segundo Dee, "ser pobre e famoso é uma merda"

Immortal: achando que estava só, Abbath tentou registrar marcaImmortal
Achando que estava só, Abbath tentou registrar marca

Não culpe as gravadoras: você que é um tosco mesmo!Não culpe as gravadoras
Você que é um tosco mesmo!


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.