RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Paul McCartney que flopou nos Beatles, mas bombou em carreira solo

imagemJéssica di Falchi é efetivada como guitarrista da banda Crypta

imagemEngenheiros do Hawaii não era uma banda amiga da galera, diz ex-baterista

imagemVídeo de vocalista brasileiro batendo cabeça em "Toxicity" atinge 1 milhão de views

imagemEmpresário rebate críticas ao Parkway Drive no Summer Breeze: "Dinossauros vão morrer"

imagemDream Theater já fala de novo álbum; Mike Portnoy cada vez mais próximo da banda

imagemNoel Gallagher detona o jazz: "Todo mundo tocando músicas diferentes ao mesmo tempo"

imagemO Sepultura honrou nossos ancestrais bem antes do pessoal da Noruega lembrar dos vikings

imagemGuns N' Roses posta teaser alucinante de "You Could Be Mine" no Ritz de 1991

imagemO guitarrista que o Pink Floyd queria ao invés de David Gilmour

imagemRob Halford revela quais são seus álbuns preferidos do Metallica

imagemHétero decide aprender metal extremo na guitarra para impressionar héteros, diz estudo

imagemCorey Taylor diz que novo álbum do Slipknot é dedicado ao baterista Joey Jordison

imagemEx-guitarrista do Ghost diz que Tobias Forge é um gênio

imagemViolão & Decepção: o dia que eu assisti o pior show da minha vida


Stamp

Resenha - Land Of Broken Hearts e Clown In The Mirror - Royal Hunt

Por Fábio Trovão
Em 16/04/00

Esse álbum duplo trata do relançamento dos dois primeiros álbuns do Royal Hunt (Land Of Broken Hearts e Clown In The Mirror) mais faixas-bônus tiradas do EP The Maxi - Single.

O primeiro álbum da banda, lançado em 1994, trazia a formação da época: Andre Andersen (teclados e guitarras), Kenneth Olsen (batera), Henrik Brockman (vocal) e Steen Mogensen (baixo). E isso é detalhe que influencia demais o som desse álbum, pois as músicas possuem teclados demais, chegando em alguns momentos bem próximo do pop, devido à combinação teclado+vocais hard - como na música Age Gone Wild. Em seu primeiro álbum, Andre Andersen (o chefão da banda) aposta na mistura hard rock + heavy melódico. O álbum alterna bons e médios momentos, provavelmente devido à inexperiência da banda, mas já dava mostra de que a banda poderia evoluir muito bem. As performances individuais dos instrumentistas, infelizmente, se limitam a acompanhar Mr. Andersen, que deixa pouco espaço para seus companheiros de banda mostrar suas técnicas. Os destaques ficam por conta das músicas mais pesadas: One By One e a faixa título.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Já em Clown In The Mirror, a banda acrescenta um guitarrista, Jacob Kjaer. E a escolha foi muito acertada, pois Jacob trouxe peso e técnica para equilibrar com o virtuosismo de Andre nos teclados. Somando a isso o fato de os outros instrumentistas (batera, baixo e vocal) terem mais espaço nas composições, faz com que o segundo álbum da banda seja de fato muito melhor que o primeiro. Com mais peso, mais guitarras e composições mais amadurecidas, o álbum serviu para conquistar muitos fãs e mostrou que o Royal Hunt se tornaria uma das bandas grandes do metal melódico, fato que viria a se confirmar na "era" do vocalista DC Cooper. O álbum é bastante homogêneo e fica inclusive difícil escolher as melhores músicas. Pessoalmente, as que mais me agradaram foram a faixa-título e The Body Guard.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

E, terminando, temos as faixas do EP como bonus-tracks. São composições dos dois álbuns em formato acústico. As músicas não chegam a empolgar, e valem mais como "brinde" para os fãs da banda.

Ao ouvir os dois álbuns, chega-se à conclusão de que esse relançamento é muito bom para fãs que queiram completar sua coleção, pois quem gosta vai continuar gostando, quem não gosta não vai passar a gostar, e para quem não conhece existem outros álbuns posteriores que valem mais a pena.

Material cedido por:
Laser Company Records

Land Of Broken Hearts - Nota: 6
Clown In The Mirror - Nota: 8

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

NFL Steve Harris


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Top 10: Álbuns conceituais

Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

Dinamarca: 10 grandes bandas de rock e metal que foram formadas no país

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

A importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars


Sobre Fábio Trovão

Guitarrista e professor de Inglês! Adora Heavy Metal em geral, principalmente Heavy Progressivo!

Mais matérias de Fábio Trovão.