Resenha - Genoma - Narcoze

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Drustan
Enviar Correções  

8


Causa estranheza o nome unusual adotado por este grupo de Brasília (DF), aparentando ligação com outros gêneros, notadamente o Punk ou talvez aquelas bandas metidas a "engraçadinhas" que infestaram o mercado há algum tempo, na esteira do sucesso de uns garotos de Guarulhos, falecidos prematuramente num acidente de avião.

publicidade

Mas não é nada disso, pois conforme eles explicam em diversas entrevistas, a inspiração veio da expressão "narcose", que significa algo como "estado de sono induzido artificialmente, no caso em questão provocado pela música", sendo que ainda por cima resolveram se valer de uma "licença poética" para usar o "z" no lugar do "s".

Por outro lado, logo aos primeiros acordes de "The Dawning", faixa que abre o disco, têm-se a impressão que estamos diante de mais uma banda de Heavy Melódico (P.S.: nada contra o gênero, é que realmente já encheu o saco a quantidade absurda de grupos que se dedicam a tal, a grande maioria sem o mínimo resquício de criatividade, apenas copiando os clichês do estilo), algo que felizmente se dissipa quando entram os vocais, pois ao invés daquele gritinho agudo característico, o vocalista Carlos possui um timbre que lembra vagamente Jon Oliva, do SAVATAGE, apesar de cantar de forma mais natural, sem forçar tanto nas partes mais altas.

publicidade

Na realidade, apenas esta primeira faixa e "The Lord Of Time" possuem elementos de Melódico, pois o que norteia a sonoridade deste, que é o primeiro trabalho do NARCOZE, é o Metal Progressivo, um tanto quanto na esteira do SYMPHONY X em seus primeiros discos, embora vez por outra resvale pelo Metal tradicional, o que lhes confere uma certa identidade própria, provavelmente pela experiência adquirida devido ao fato de já estarem na estrada desde 1991, tendo lançado neste meio tempo duas demos ("The Wrath Of Kron" em 1995 e "Dreams" em 1998) - apesar que, da formação original sobraram apenas o vocalista Carlos Souza e o baixista André Veras, sendo que os outros dois "Andrés" ingressaram na banda em 1997, e o baterista Luciano Tolledo (egresso do DARK AVENGER) está no grupo desde 2000.

publicidade

O CD, cuja produção está muito bem feita, tanto no que diz respeito à parte gráfica quanto à gravação e mixagem, ainda traz uma versão poderosa de "Signs Of The Night", do VIPER, gravada originalmente para um tributo, que acabou não saindo do papel.

Instrumentalmente falando todos os integrantes cumprem seu papel com louvor, e as composições são bastante criativas, tanto que numa primeira audição é um tanto quando difícil "digerir" este álbum, sendo necessário ouvi-lo com mais atenção para se perceber com detalhes os arranjos, extremamente trabalhados e cheios de variações, o que credencia ao NARCOZE a possibilidade de vir a ocupar um posto entre as grandes bandas de Metal do Brasil na atualidade.

publicidade

Faixas:
The Dawning
Genoma
Hunter
Into The Light
Promised Land
Grains Of Sand
The Lord Of Time
Avalon
Signs Of The Night
Immortal Warriors
total time: 60:49

Formação:
Carlos Sousa (vocal)
André Veras (baixo)
André Lima (guitarra)
André Santos (teclado)
Luciano Toledo (bateria).

Site oficial:
www.narcoze.hpg.com.br.

publicidade

Material cedido por:
Zenor Records - www.zenorrecordz.hpg.com.br.


Outras resenhas de Genoma - Narcoze

Resenha - Genoma - Narcoze




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Galeria: Musas do Rock e Heavy MetalGaleria
Musas do Rock e Heavy Metal

Motorhead: perguntas dos fãs respondidas por LemmyMotorhead
Perguntas dos fãs respondidas por Lemmy


Sobre Drustan

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin