Em 03/04/2008 | Resenha - Ozzy Osbourne (HSBC Arena, Rio de Janeiro, 03/04/08)

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Resenha - Ozzy Osbourne (HSBC Arena, Rio de Janeiro, 03/04/08)


  | Comentários:

O que mais se pode falar sobre Ozzy Osbourne? Que é uma lenda viva do rock em geral, ou mais especificamente do heavy metal ou do hard rock, ou dos três ao mesmo tempo? Que é uma celebridade televisiva, e se transformou numa personalidade conhecida por quase todos, gostem ou não de sua música? Provavelmente, tudo isso e mais um pouco. Mas o ponto básico é o seguinte: toda essa fama foi construída sobre bases sólidas, que é a carreira de Mr. Madman. Teve lá seus altos e baixos sim, mas foi sempre consistente (e com muito mais altos do que baixos, é bom ressaltar).

O texto representa a opinião do autor, não do Whiplash.Net ou de seus editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Fotos: Marcello Rossi

Em meio a essa gangorra de emoções, esteve no Brasil em dois festivais: o primeiro Rock In Rio (1985), e 10 anos depois no Monsters of Rock (1995). Na primeira visita (turnê do disco “Bark At The Moon”, de 1983), veio acompanhado de uma super-banda: Jake E. Lee (guitarra), Don Airey (teclados, hoje com o Deep Purple), Bob Daisley (baixo; já tocou com Rainbow, Uriah Heep, entre outros) e Tommy Aldridge (bateria; também tocou com uma pá de gente: Whitesnake, Thin Lizzy, Ted Nugent, etc.). Já na segunda vinda, em 1995 (na turnê do disco “Ozzmosis”), que gerou o que muito provavelmente é até hoje o show mais cheio da história do Metropolitan (atual Citibank Hall) aqui no Rio, vieram o guitarrista Joe Holmes (que substituiu Zakk Wylde por uns tempos na banda), o baixista Geezer Butler (companheiro de Ozzy no Black Sabbath), o baterista Deen Castronovo e o tecladista John Sinclair (ex-Uriah Heep).

Após longos 13 anos portanto, quando poucos poderiam esperar, eis que foi anunciada uma nova turnê pela América do Sul, englobando apenas 2 shows no Brasil (Rio e SP) e promovendo o disco “Black Rain” (2007). E, mais uma vez, com ares de festival, já que Ozzy acabou vindo acompanhado pelas bandas Black Label Society e Korn. Uma espécie de mini-Ozzfest (o festival itinerante de sucesso, que Ozzy vem liderando há vários anos). O local escolhido para o show do Rio dessa vez foi a nova HSBC Arena, que recebeu um ótimo público de 12.000 pessoas, seu recorde de presença até agora.

As pessoas ainda chegavam à Arena, quando iniciou o show do Black Label Society, com um público apenas razoável já presente. Talvez por isso, muito da estrutura da casa estava ainda aparente (concreto e armações metálicas), o que não ajudou de forma alguma à qualidade do som, muito pelo contrário. Some-se a isso o som alto e pesado do BLS, com a guitarra de Zakk Wylde tocada de forma bastante estridente, e o resultado da equação acabou sendo uma maçaroca sonora que somente agradou aos que já conheciam o repertório da banda, o que não foi o meu caso. Como as canções têm também em sua maioria um andamento parecido, com poucas variações, a impressão que dá é que todas eram muito similares. De qualquer forma, os fãs se deleitaram com os constantes solos e trocas de guitarra de Zakk, cortesia da Gibson, sua “endorsee”. Além disso, ele cuidou dos vocais de forma eficiente e correta, porém sem grande brilho. Foi uma apresentação curta, de 45 minutos, mas o BLS deu o seu recado e agitou a galera.

Após um intervalo enxuto (as trocas de palco foram bem organizadas e bastante eficientes), subiu ao palco o Korn. Notava-se entre os presentes que a banda dividia opiniões: alguns adoravam, outros odiavam, alguns eram indiferentes, e outros ainda se divertiram mesmo sem ter se impressionado muito com o som. Uma boa amostra disso foi que as áreas próximas aos bares ficaram cheias durante todo o show (embora a pista e as arquibancadas também estivessem bem recheadas, é justo ressaltar). As guitarras de 7 cordas com afinação mais baixa cria um clima bem pesado, auxiliadas por uma iluminação adequada e uma qualidade sonora já melhor que a do BLS (o público já mais numeroso ajudou a “esquentar” a sonoridade da casa, e certamente os técnicos de som foram se encontrando com o passar do tempo). O som “nu-metal”, misturando heavy metal com hip hop, não me atrai particularmente, logo dei uma conferida mas não tenho condições de analisar o show como um todo. Esperava ouvir o cover de “Another Brick In The Wall” (Pink Floyd), mas o máximo que rolou foi uma citação de “We Will Rock You”, do Queen. Digno de menção é também o pedestal do microfone usado pelo vocalista Jonathan Davis, uma bela obra de arte do artista suíço H. R. Giger, que se notabilizou principalmente pela capa do disco “Brain Salad Surgery” (do Emerson Lake & Palmer) e pelos figurinos do filme “Alien”, misturando sempre um visual futurístico com cenas de terror (e eventuais e veladas referências eróticas).

Apesar do show de Ozzy especificamente ter sido anunciado para ter início às 23h, o que acabou ocorrendo foi que às 22:15h teve início o espetáculo. Quem se programou em função do que estava escrito no ingresso, se deu mal e perdeu boa parte do show. Mas vamos ao que interessa. Com as luzes ainda acesas, pôde-se ouvir pelos PA’s a voz de Ozzy atiçando o público, conclamando todos a fazer corinhos e a gritar, aumentando assim o nível de excitação geral. Alguns chegaram a duvidar que fosse mesmo ele, ou a pensar que se tratasse de uma gravação com a sua voz, mas pelo grau de interação em função da resposta do público, ficou claro que era a figura mesmo. Em seguida, apagaram-se as luzes e o tradicional vídeo contendo fragmentos de filmes e séries de sucesso, e inserindo o próprio Ozzy no contexto, surgiu nos telões e gerou as esperadas gargalhadas e aplausos. Cenas de “Piratas do Caribe”, “Lost”, “The Office”, “Os Sopranos”, etc., foram se sucedendo, até que o telão se encheu de cruzes e o P.A. iniciou a tocar a indefectível “Carmina Burana”, de Carl Orff, que antecedeu como usual a entrada do grupo.

Como o repertório foi fartamente comentado de antemão, poucas foram as surpresas. A abertura com a nova “I Don’t Wanna Stop” mostrou que o disco mais recente (o já citado “Black Rain”) já é bem conhecido do público brasileiro, e seu pique foi adequado para o início do show. Na realidade, pela excitação da maioria dos presentes, Ozzy poderia ter tocado qualquer coisa que o resultado teria sido positivo. Seguiu-se uma série de clássicos da carreira solo do vocalista: “Bark At The Moon” (da era Jake Lee), “Suicide Solution” e Mr. Crowley (ambas da era Randy Rhoads). Vale aqui um parêntese: Ozzy esteve sempre acompanhado de ótimos guitarristas em sua carreira solo, e na minha humilde opinião Zakk fica abaixo somente de Rhoads (RIP) e Lee. Anda um pouco presepeiro ultimamente, mas a garotada gosta de firulas. De qualquer forma, é capaz de emular os solos de Lee e Rhoads com absoluta precisão (sem contar com os seus próprios, claro). A “cozinha”, formada por Rob “Blasko” Nicholson (baixo, ex-Prong, Danzig, Rob Zombie) e Mike Bordin (bateria, ex-Faith No More), segurou a peteca muito bem, e se não chegou a brilhar, pelo menos manteve o nível de qualidade lá no alto. Por fim, o tecladista Adam Wakeman, filho de ninguém mais, ninguém menos, que Rick Wakeman, tecladista virtuose mais conhecido por seu trabalho no Yes, mas que ostenta longa carreira solo e já tocou também com artistas que vão de David Bowie a Strawbs, além de ter participado de discos tanto do Sabbath quanto do próprio Ozzy. Um detalhe curioso: outro filho de Rick, Oliver Wakeman (irmão mais velho de Adam e também tecladista), é quem irá excursionar com o Yes na turnê de 40 anos do grupo, substituindo o pai. Mas isso já é outra estória...

Voltemos ao show. Mais uma música nova se seguiu, “Not Going Away”, que com o seu refrão cativante não deixou nada a desejar em comparação ao material antigo. É verdade que as coisas viriam a esquentar de fato na música seguinte, “War Pigs”. O clássico do Black Sabbath, composto há quase 40 anos atrás, venceu o teste do tempo e continua atual. Tudo nela funciona de forma perfeita numa apresentação ao vivo: a introdução pesada e lenta, acompanhada por sirenes que parecem prenunciar o apocalipse, as partes vocais que parecem ter sido premeditadamente calculadas para angariar a participação do público (que não fez feio aqui no Rio), e a cataclísmica parte final, com sua empolgante e arrebatadora acelerada, um autêntico “presto” metálico.

Seguiram-se alguns grandes sucessos da carreira solo de Ozzy, uma sucessão deles, sem deixar o pique cair um minuto. “Road To Nowhere” (do multi-platinado álbum “No More Tears”, que relançou Ozzy ao estrelato em tempos de MTV) e “Crazy Train”, com o solo original de Rhoads sendo bem interpretado por Wylde, que continuava a desfilar suas várias guitarras (incluindo uma modelo Flying V Randy Rhoads, algumas Les Paul signature suas, uma SG de braço duplo, etc.). Foi hora de uma pausa para Ozzy, que se deu através de um longuíssimo solo de Zakk, que durou (pasmem!) cerca de 10 minutos. Há quem goste, mas acho uma total perda de tempo, tendo em vista a quantidade de solos dentro das próprias músicas, além do que acaba por cansar os ouvidos da platéia. Mais sensato seria a banda toda levar algum tema instrumental durante a saída do líder (com direito, é claro, a solos de Zakk!).

Bem, de volta à música, foi a vez de mais um clássico do Sabbath, “Iron Man”, que agora virou até tema de trilha sonora de filme hollywoodiano (“Homem de Ferro”). Como qualquer clássico sabbathiano, levantou até mesmo os bêbados ou chapados que estavam até então jogados em algum canto. Os bares? Estavam às moscas nessa hora, é fato. Pena que não tenham tocado a versão completa, com a parte mais rápida ao seu final. O pique não podia cair, e emendaram em “I Don’t Know”, que durante muitos anos foi a música de abertura dos shows. Nas partes instrumentais, Ozzy seguia o seu tradicional rito de arremessar baldes e mais baldes de água na galera, que adorava. Dizem as más línguas que havia um segurança que andava a catar para si próprio as palhetas arremessadas por Zakk e que o público não conseguia alcançar, provavelmente com o intuito de tentar vendê-las após o show. Por coincidência ou não (quem sabe se Zakk não deu um toque em Ozzy), toda a água um dos baldes foi parar na cabeça do dito cujo, que teve continuar estático pelo resto do show inteiro com seu terno literalmente ensopado. A galera se divertiu ainda mais...

Imagem

E, finalmente, um momento surpresa acabou por surgir: Ozzy anunciou “No More Tears”, talvez o maior sucesso de sua carreira solo por essas bandas, e que não vinha sendo tocada nos shows mais recentes. A galera, é claro, foi ao delírio. Um breve problema técnico no baixo de Blasko exigiu do Madman uma rápida sacada espirituosa, mas logo em seguida a música teve início, tendo seu refrão cantado por todos. O interlúdio instrumental em sua metade deu destaque ao tecladista Adam Wakeman, e em seguida Zakk Wylde detonou seu tradicional solo (talvez o mais bonito que já compôs para uma música do Ozzy). De alma (e, para o pessoal das primeiras filas, a cara também) lavada, o final da apresentação foi se aproximando. A nova balada “Here For You” proporcionou o indefectível momento “isqueiros e celulares ao alto”, com os braços balançando numa coreografia orquestrada pelo próprio Ozzy. “I Don’t Want To Change The World” foi a última antes da saída para o bis. Talvez a escolha de tantas músicas do mesmo disco (“No More Tears”) seja o único ponto desbalanceado do set, porém a popularidade delas é clara. E, afinal de contas, “I Don’t Want To Change The World” deu um Grammy ao Ozzy.

A rápida volta para o bis ocorreu com mais uma canção repleta de prêmios e boas colocações nas paradas, “Mama, I’m Coming Home”. Depois dessa, só faltava mesmo o fecho com mais uma clássica e infalível do Sabbath, “Paranoid”. Aí ocorreu o inesperado. Zakk Wylde simplesmente arremessou sua guitarra (na oportunidade, uma Gibson Chet Atkins) no público localizado na pista. A audiência, incrédula, se dividiu entre os que queriam simplesmente tocar no instrumento, os que literalmente queriam um pedaço para levar para casa, e os que trataram de sair de perto da confusão armada. Seguranças, da casa e da banda, surgiram rapidamente de todos os lados, tentando recuperar o instrumento. Enquanto isso, “Paranoid” rolava só com baixo, teclado e bateria. Então, o mais inusitado acabou ocorrendo: Zakk se atirou no meio do público. Depois de algum tempo, porém, cansou e retornou ao palco. Pouco depois, os seguranças recuperaram sua guitarra ou, melhor dizendo, o que restou dela. A mão (“headstock”) havia sido arrancada, e provavelmente outras peças menores, além das cordas, é claro. Zakk recebeu a guitarra e, com pinta de irritado, simplesmente jogou-a de lado, no chão perto dos amplificadores. A essa altura, o show já havia se encerrado, e Ozzy convocou todos os músicos a se abraçarem na frente do palco e agradecer ao público, naquela hora completamente extasiado. Zakk, meio contrariado, participou da confraternização, sendo consolado por Mike Bordin. Vamos aguardar para ouvir a versão dele (Zakk) sobre o incidente (há registros de casos bem parecidos em outros shows).

Imagem

Conclusão final: Ozzy pode estar lá com seus quase 60 anos, apresentando seqüelas decorrentes de anos de abuso de álcool e drogas, tremedeiras oriundas da Síndrome de Parkin (enfermidade genética e relativamente branda que o acomete), e outras coisas mais. Entretanto, quando sobe no palco, mostra que nasceu para isso, e que poucos podem se comparar a ele. Sua voz está em bom estado (as eventuais desafinadas ocorrem há muitos anos), ele transborda carisma, e nitidamente curte tanto os shows quanto seus fãs. Longa vida ao “Príncipe das Trevas”, e que retorne em breve conforme prometeu nos shows!

Setlist:

- I Don’t Wanna Stop
- Bark At The Moon
- Suicide Solution
- Mr. Crowley
- Not Going Away
- War Pigs
- Road To Nowhere
- Crazy Train
- Zakk Wylde guitar solo
- Iron Man
- I Don’t Know
- No More Tears
- Here For You
- I Don’t Want To Change The World

Bis:
- Mama, I’m Coming Home
- Paranoid

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Resenhas de Shows
Todas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"

Ozzy: as bagunças de Justin Bieber nem se comparam com as dele
Paulo Schroeber: homenageado com música de Ozzy Osbourne
Black Sabbath: Ozzy achava que Iommi não sobreviveria
Kelly Osbourne: ela está passando por uma "rehab alimentar"
Kelly Osbourne: filha de Ozzy dublará nova série da Disney
Black Sabbath: Ozzy volta a comentar sobre o sucessor de "13"
Ozzy Osbourne: "me sinto como um jovem de 19 anos"
Mötley Crüe: A turnê com Ozzy foi o auge do alcoolismo
Black Sabbath: Ozzy está animado por poder tocar em Londres
Ultimate Classic Rock: Os 10 melhores singles de estreia
Vinny Appice: Sabbath de Dio e Ozzy tem a mesma força musical
Ozzy Osbourne: ameaçando de processo fabricantes de cerveja
Rockstars: algumas imagens de momentos pessoais emocionantes
Kelly Osbourne: há dez anos achava que nem estaria viva até hoje
Kelly Osbourne: salva de ser atropelada por seu cachorro

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D’Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas