Dream Theater: Refrescante como há tempos não soava

Resenha - A Dramatic Turn of Events - Dream Theater

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Mudanças de formação são sempre complicadas. No caso do Dream Theater, a coisa foi ainda mais séria. Com a saída de Mike Portnoy, a banda perdeu não apenas o seu baterista, mas principalmente a força motriz e a mão controladora que conduziram o grupo ao topo do prog metal. Além disso, Portnoy foi o responsável por definir o papel da bateria dentro do metal progressivo, com seus andamentos quebrados, velocidade, precisão, quebras constantes e tempos incomuns sendo adotados como padrão.
Portnoy: Bumblefoot e Derek Sherinian podem estar em supergrupoUltimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os tempos

Estilisticamente, há uma aproximação maior com o rock progressivo em "A Dramatic Turn of Events", ao contrário dos últimos álbuns. Produzido pelo próprio Petrucci, o disco é longo, com quatro de suas nove faixas durando mais de dez minutos. Ou seja: se você não é fã do Dream Theater, não é com esse álbum que você passará a ser. Agora, se você curte o som da banda, prepare-se para ouvir um de seus melhores trabalhos.

Algumas características são bem marcantes em "A Dramatic Turn of Events". Em primeiro lugar, nunca houve tanta melodia em um disco do Dream Theater como aqui. Há uma presença maior do teclado de Jordan Rudess, que emerge como a principal força criativa do grupo, ao lado de John Petrucci. O peso dos riffs da guitarra de Petrucci também se destaca. E, fechando, um surpreendente e até então inédito clima épico surge em algumas composições, levando a música do grupo para terrenos inesperados.

Mas o ponto que todos querem saber é como Mike Mangini se integrou ao grupo, certo? A resposta é simples e direta: da melhor forma possível. Dono de uma técnica absurda, o novo baterista do Dream Theater parece fazer parte da banda há tempos, não deixando a falta de Mike Portnoy ser sentida. Se havia alguma dúvida sobre a capacidade de Mangini em substituir o antigo dono da banda, ela se desfaz ao final da audição.

"A Dramatic Turn of Events" é um álbum feito sob medida para aqueles fãs que curtem as composições mais instrincadas da carreira do Dream Theater, pródigas em longas passagens instrumentais elaboradíssimas. Faixas como “Lost Not Forgotten”, “Bridges in the Sky”, “Outcry” e “Breaking All Illusions” estão repletas de momentos assim. O que se ouve é uma espécie de mistura do que a banda fez nos álbuns "Awake" e "Scenes from a Memory", dois dos pontos mais altos da discografia do quinteto.

Entre as faixas, o maior destaque é a sensacional “Breaking All Illusions”, com status de novo clássico. “Build Me Up, Break Me Down”, com seu início com elementos eletrônicos e uma clara influência do Muse, também chama a atenção. Mas é quando o grupo resolve focar naquilo que sabe e faz como ninguém que o disco cresce assustadoramente. O prog metal puro e do mais alto gabarito é a marca principal de “Lost Not Forgotten”, “Bridges in the Sky” e “Outcry”, além da já citada “Breaking All Illusions”, a melhor do disco. Entre as mais calmas, “This is the Life” é uma prima próxima de “The Spirit Carries On”, e a bela “Beneath the Surface” fecha o álbum com classe e bom gosto.

A saída de Portnoy e a entrada de Mangini mexeram positivamente com o Dream Theater, tirando a banda de sua zona de conforto e levando os músicos a se desafiarem mutuamente. O som do grupo surge renovado em "A Dramatic Turn of Events", refrescante como há tempos não soava.

Ao lado de "Images and Words" (1992), "Awake" (1994) e "Scenes from a Memory" (1999), o melhor disco do grupo.

Faixas:
On the Back of Angels
Build Me Up, Break Me Down
Lost Not Forgotten
This is the Life
Bridges in the Sky
Outcry
Far From Heaven
Breaking All Illusions
Beneath the Surface

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de A Dramatic Turn of Events - Dream Theater

Resenha - A Dramatic Turn Of Events - Dream TheaterDream Theater: Uma montanha russa de sensaçõesDream Theater: Insosso, covarde e ganancioso, mas não ruimDream Theater: O que importa é a música, palmas para eles!Dream Theater: É só isso? Tanta tempestade pra isso?Dream Theater: Novo álbum não agrada de imediatoDream Theater: É ouvir sem preconceitos e ser felizDream Theater: No topo inatingível do metal progressivo

Vocalistas
Os menos conhecidos de bandas famosas

Portnoy: Bumblefoot e Derek Sherinian podem estar em supergrupoBlend Guitar: John Petrucci tenta tocar como Lil WayneMike Portnoy: tocando sua "12 Steps Suits"Todas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Dream Theater
Jordan Rudess quase tocou no The Wall, do Pink Floyd

Mike Portnoy
Não me considero um grande baterista

Mike Portnoy
"Sou um dos músicos incompreendidos"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dream Theater"

Ultimate Guitar
As 28 canções mais sombrias de todos os tempos

Humor
As primeira fotos de Horgh, do Immortal, no Brasil

Para Músicos
Como tirar músicas de ouvido?

Axl Rose: "tomo muito cuidado com minha voz"Mortes em 2014: Rockstars e pessoas ligadas que nos deixaramLed Zeppelin: o lendário solo de bateria de John BonhamRamones: a prova que a humanidade ainda comandaAngela Gossow: conselhos para bandas novas independentesDuff McKagan: a espiral descendente após os "Illusion"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online