Dream Theater: No topo inatingível do metal progressivo

Resenha - A Dramatic Turn of Events - Dream Theater

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Depois de um turbilhão de eventos tormentosos que pairaram sobre o DREAM THEATER, e que culminaram com a saída do fundador (e um dos seus principais compositores e líder) Mike Portnoy da banda, depois de 25 anos, no final de 2010, eis que os mestres do metal progressivo chegam a seu 11° álbum, repleto de expectativas por parte dos fãs.
5000 acessosPortnoy: ele entende porque os caras do DT recusaram o convite5000 acessosKeith Richards: Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"

Foto da chamada: Roberta Forster

Realmente, substituir um baterista do nível de Mike Portnoy é uma tarefa das mais tormentosas, sem dúvida. E depois de uma grande novela envolvendo o nome do novo baterista, a banda anunciou no final de abril de 2011 que o excepcional Mike Mangini seria o responsável pelas baquetas. Quem conferiu os vídeos das audições do cara, bem como todo seu histórico como músico, pode perceber o quanto este é um excelente baterista, e poderia se encaixar bem à proposta da banda, que realiza um dos sons mais complexos e emotivos de que se tem notícia.

Então, em relação à sua qualidade como baterista, não havia dúvida de que Mangini não ficaria muito atrás de Portnoy, pois ambos são bateristas geniais. Mas a grande dúvida dos fãs era saber como ficaria o som da banda sem a influência de Portnoy nas composições, posto que, além de um grande baterista, este é um compositor fenomenal, e exercia esse papel de forma bastante ativa na banda, além de possuir um carisma gigantesco.

E esta resposta já fica clara logo com a primeira audição do disco: felizmente, a qualidade das composições, incluindo as passagens mais complexas e intrincadas, foi mantida, graças ao trabalho conjunto de John Petrucci e Jordan Rudess, grandes responsáveis pelas novas músicas, que mantém o nível de excelência que o Dream Theater forjou ao longo dos anos.

John Petrucci continua com a criatividade de sempre, esbanjando técnica e precisão em seus solos e riffs, ora mais melódicos, ora mais agressivos, mas sempre muito complexos e técnicos. John Myung também é um baixista monstruoso, mas, infelizmente, mais uma vez foi prejudicado pela mixagem do disco, que acabou por deixar seu instrumento escondido nas partes mais “recheadas” das músicas, sendo mais perceptível apenas nas partes mais leves ou instrumentais, solando ou fazendo base para os demais instrumentos.

Confesso que nunca fui muito fã de James LaBrie, mas não há como negar que ele evolui a cada trabalho, e sua voz é muito marcante, e já se tornou referencia ao som da banda, conseguindo transmitir muito sentimento com suas interpretações. E Mike Mangini, bom, realmente foi a escolha certa para a banda, sendo um baterista fenomenal, com muita técnica e uma pegada bastante agressiva, conforme comprovam suas incursões nas passagens mais intrincadas, comuns nas músicas do DREAM THEATER.

Deixei para tratar do trabalho de Jordan Rudess para o final porque realmente é um dos grandes destaques do trabalho, incluindo novos elementos na sonoridade da banda, deixando-a ainda mais especial e diversificada, se é que isto é possível. Comete alguns exageros, é verdade, mas nada que comprometa sua grande atuação no álbum.

O álbum já abre com a excelente e pesadíssima “On the Backs of Angels”, cujos teclados com coros iniciais lembram um pouco os tempos áureos do Stratovarius, e é repleta de peso e partes quebradas, daquelas para fazer a alegria de qualquer fã, e possui um refrão emotivo típico da banda.

“Build Me Up, Break Me Down” possui alguns elementos mais modernos meio estranhos, mas tem um belo refrão, além de riffs muito cativantes. Já “Lost Not Forgotten”, com seus mais de 10 minutos de duração, é repleta de climas diversificados, riffs pesados e técnicos, e possui uma levada de bateria espetacular, além de ótimos solos, tanto de guitarra como de teclados, e mais um refrão muito cativante, sendo uma das mais progressivas do trabalho, com todos os elementos que elevaram o Dream Theater à qualidade de maior banda do metal progressivo de todos os tempos. Ah, e nesta faixa o baixo é mais perceptível, e muito legal.

Na sequência temos a emocional “balada” “This is the Life”, replete de teclados climáticos e solos fantásticos de John Petrucci. “Bridges In The Sky” também segue a linha mais progressiva, e é uma das mais pesadas do disco, com riffs que beiram ao thrash metal, e com LaBrie em sua melhor forma, cantando de forma mais agressiva. Destaque também para os teclados de Jordan, muito diversificados e repletos de novas influências. Genial.

“Outcry”, para variar, também é cheia de passagens pesadas, complexas e quebradas, sendo repleta de grooves e solos virtuosos, e um baixo muito técnico. “Far From Heaven”, a menor do album, é uma balada bem emocional e climática, conduzida pelos teclados de Jordan, e com mais uma bela interpretação de LaBrie.

Em “Breaking All Illusions”, que possui todos os elementos progressivos sempre presentes no som da banda, aliando novas influências, principalmente nos teclados, muito bem arranjados e executados, com algum toque de elementos setentistas, a banda mostra que não esta para brincadeira, criando harmonias completamente carregadas de emoção, e passagens instrumentais simplesmente perfeitas, sendo uma das melhores composições do disco. Por fim, encerrando o trabalho, temos outra balada, “Beneath The Surface”, que apesar de ser mais direta e com uns teclados meio estranhos, é mais uma bela canção.

Enfim, pode não ser o melhor trabalho da banda, mas mesmo assim é um disco excelente, e o DREAM THEATER continua no topo inatingível do metal progressivo. E embora tenha causado calafrios nos fãs, não foi a saída de Mike Portnoy que conseguiu fazer a banda perder o seu brilho. Podem ficar tranqüilos e conferir o material sem medo.

A Dramatic Turn of Events – Dream Theater
(2011 – Roadrunner Records – Importado)

Formação:

James LaBrie - Vocals
John Myung - Bass
John Petrucci - Guitar
Mike Mangini - Drum
Jordan Rudess – Keyboards

Tracklist:

01. On the Backs of Angels 08:42
02. Build Me Up, Break Me Down 06:59
03. Lost Not Forgotten 10:11
04. This is the Life 06:57
05. Bridges In The Sky 11:01
06. Outcry 11:24
07. Far From Heaven 03:56
08. Breaking All Illusions 12:25
09. Beneath The Surface 5:26

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de A Dramatic Turn of Events - Dream Theater

3805 acessosResenha - A Dramatic Turn Of Events - Dream Theater5000 acessosDream Theater: Uma montanha russa de sensações5000 acessosDream Theater: Insosso, covarde e ganancioso, mas não ruim4405 acessosDream Theater: O que importa é a música, palmas para eles!5000 acessosDream Theater: É só isso? Tanta tempestade pra isso?5000 acessosDream Theater: Novo álbum não agrada de imediato4744 acessosDream Theater: Refrescante como há tempos não soava5000 acessosDream Theater: É ouvir sem preconceitos e ser feliz

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mike PortnoyMike Portnoy
Ele entende porque os caras do Dream Theater recusaram o convite

874 acessosNeno Fernando: Vocalista lança tributo ao Dream Theater305 acessosDarkos: os incríveis solos de guitarra de John Petrucci0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

Dream TheatherDream Theather
A parafernália usada por Petrucci e Myung

Mike PortnoyMike Portnoy
Ele toparia tocar com o Dream Theater?

Guns N RosesGuns N' Roses
A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dream Theater"

Keith RichardsKeith Richards
Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"

EsquireEsquire
Integrantes do Metallica fingem ser do Led Zeppelin

InspiraçãoInspiração
30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado

5000 acessosSeparados no nascimento: Geddy Lee e Marquito do Ratinho5000 acessosFotos de Infância: Evanescence5000 acessosRoqueiro poser: 100 regras essenciais para se tornar um5000 acessosLimp Bizkit: "Heavy Metal é algo chato pra caramba"5000 acessosQuem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal?5000 acessosMax sobre Sepultura: "hoje eu faria diferente"

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online