Dark Age: como alvo a geração mais nova de headbangers

Resenha - Acedia - Dark Age

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Na ativa desde 1994, o Dark Age já possui um bom tempo de estrada, porém seu nome nunca conseguiu se expandir para muito além dos porões da Alemanha. Mas esse fato poderá se reverter com a chegada de seu sexto disco, “Acedia”, que mostra uma considerável mudança de rumos em relação ao Death Metal Melódico bem feito, mas ainda um tanto quanto estereotipado, do passado.
Cópia Infiel: Ato 1, Raul Seixas e o Dolo de OuroBaixista Magnus Rosén quase morre durante vôo rumo à América do Sul

Nesta nova fase o Dark Age investe com força em sonoridades mais contemporâneas, expandindo em muito as vocalizações limpas e as guitarras sendo empurradas um pouco mais ao fundo, inclusive com boa redução dos solos. Essas medidas deram maior espaço aos teclados e sintetizadores, possibilitando que “Acedia” seja de fácil assimilação e tenha como alvo óbvio a geração mais nova de headbangers.

O trabalho com as vozes chega a ser monumental e talvez o grupo até venha a depender muito dos refrões, mas não negligencia a seção instrumental, tanto que os alemães exibem grande preocupação para que cada composição possua suas próprias características. O resultado é bastante inofensivo, mas de bom gosto em sua proposta, tanto que faixas como "Kingdom Nevercome", "Neon Gardens" e "10 Steps To Nausea" realmente conseguem ser simpáticas.

Como não poderia deixar de ser, a produção é cristalina e está aí para captar toda essa nova tendência, lapidando e aumentando ainda mais toda a vibração modernosa de “Acedia”. O público que aprecia Death (bom, não tããão Death assim...) Metal Melódico poderá encontrar muitos atrativos nesta linha musical, que agora oferece mais chances para que o nome Dark Age seja mais difundido mundo afora – e a bolachinha já está aportando por aqui através da Laser Company. É bonitinho, pode conferir...

Contato:
http://www.dark-age.eu
http://www.myspace.com/darkage404

Formação:
Eike Freese - voz e guitarra
Jörn Schubert - guitarra
Alex Henke - baixo
Martin Reichert - teclados
André Schumann - bateria

Dark Age - Acedia
(2009 / AFM Records - 2010 / Laser Company Records - nacional)

01 - Kingdom Nevercome
02 - Devote Yourself To Nothing
03 - Neon Gardens
04 - Snake Of June
05 - Zeitgeist (Ghost In A Machine)
06 - 10 Steps To Nausea
07 - Halo Meridian
08 - Underneath These Burdens
09 - All The Unfullfilled
10 - Babylon Riots
11 - Myself Heretic

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Acedia - Dark Age

Dark Age: Competente mistura de Heavy e Death Melódico

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Darkage"

Raul Seixas
Os plágios da carreira do artista

Hammerfall
Magnus Rosén quase morre durante vôo à América do Sul

Metallica
Guitarrista carioca grava medley com 102 riffs

Tenacious D: faturando o Grammy com cover de Ronnie James DioRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90Guitarpedia: os 5 erros mais comuns do guitarristaCuriosidade: 13 estranhos objetos relacionados à músicaNando Moura: "E as viadagens do Rammstein?"GN'R: Eu que saí daquela banda de sucessos do passado, diz Chris

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online