Resenha - CJ Ramone (Hangar 110, São Paulo, 15/11/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Juliana Carpinelli
Enviar correções  |  Ver Acessos

Texto: Carlos Daniel Vieira - site Big Rock n' Roll

Fotos de Infância: SlayerPorta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vamos juntar dois nomes emblemáticos: CJ RAMONE e Hangar 110. De um lado, Christopher Joseph Ward, o baixista de uma das maiores bandas de punk rock da história, que substituiu Dee Dee Ramone em 1989 e ficou até a dissolução do grupo, em 1996. De outro, a casa nascida para o público underground e alternativo que, desde sua inauguração em 1998, receberia nomes gigantescos do punk e do hardcore mundial - como G.B.H., The Varukers, The Exploited, Agnostic Front, Stiff Little Fingers e Riistetyt, só para citar alguns.

E para dar mais um tempero a essa mistura, vamos adicionar mais um elemento que sempre gera comoção: a despedida. Isso porque, no dia 15 de novembro, a casa noturna de 19 anos de tradição recebeu a turnê do baixista como um dos últimos shows antes de fechar as portas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O evento fez parte da turnê de CJ (com seus 52 anos) pela América do Sul, passando pela Argentina, Paraguai e Brasil. Em São Paulo, deu grandeza ao Hangar pela última vez enquanto promovia seu terceiro álbum de inéditas, "American Beauty" (2017), e o histórico DVD "Havanna GoGo", gravado em Cuba. CJ foi acompanhado pelas guitarras de Nate Sander e Joshua Blackway, além da bateria de Pedro Esteban Sosa (que já tocara com CJ no Hangar 110 na turnê de dois anos atrás).

A abertura do show ficou por conta de JIRO OKABE, produtor, baixista e presidente da Mosrite americana que acompanhou CJ durante toda a excursão, juntamente com Richard Griffin Harrison (bateria) e Alex Kne (vocal/guitarra). Além das tradicionais, Jiro tocou canções de seu novo álbum, "My Revolution".

Como se não bastasse, o Hangar ainda fez uma espécie de "pré-abertura", às 19h00, com a banda nacional DON DILLINGER, além da participação de Duda Calvin (Tequila Baby) e Erika Martins (Autoramas). O "esquenta" foi marcado por canções como "Carinha Triste", "Quando a Polícia Chegar", "Minha Menina", "Velhas Fotos", entre outras. Inesperadamente, Supla também subiu ao palco, cantando as despojadas Should I Stay or Should I Go (The Clash) e Surfin' Bird (The Trashmen).

Setlist CJ RAMONE:

1- Durango 95
2- Lets Dance
3- Lets Go
4- Outsider
5- Yeah Yeah Yeah
6- Do You Remember Rock 'N' Roll Radio
7- Chinese Rock
8- Havana Affair
9- Girlfriend in a Graveyard
10- Judy is a Punk
11- One More Chance
12- Psycho Therapy NO
13- Babe, I Love You
14- Rock 'N' Roll High School
15- Understand Me
16- I Wanna Be a Boyfriend
17- Glad To See You Go
18- Rockaway Beach
19- 53rd & 3rd
20- Commando
21- The KKK took My Babe Away
22- Danny Says
23- Do You Wanna Dance
24- California Sun
25- Pinhead
26- I Wanna Be Sedated
27- Shenna is a Punk Rocker
28- Blitzkrieg Bop
29- R.A.M.O.N.E.S.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "CJ Ramone"


CJ Ramone: Usar camiseta dos Ramones por causa da moda é uma estupidezCJ Ramone
"Usar camiseta dos Ramones por causa da moda é uma estupidez"


Fotos de Infância: SlayerFotos de Infância
Slayer

Porta dos Fundos: Andreas Kisser e a cobrança dos metaleirosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros


Sobre Juliana Carpinelli

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline