Dillinger Escape Plan: Matemática e democracia não fazem mal

Resenha - Dillinger Escape Plan (São Paulo, Clash Club, 17/04/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Durr Campos
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Fotos por Fernando Yokota

5000 acessos55Gore: o nome e o logotipo mais complicados da história5000 acessosRock in Rio: 10 bandas que poderiam estar na próxima edição

Assistir a "Miss Machine: The DVD" há dez anos mudou bastante meu conceito relacionado à música extrema. Diante dos meus olhos e ouvidos estava uma espécie de Napalm Death antigo, mas com a tecla 'FF' do controle remoto apertada. Lembro-me de ir em busca do debut "Calculating Infinity" (1999), ainda contando com o vocalista original Dimitri Minakakis, mas não percebi ali o que fez-me realmente curtir THE DILLINGER ESCAPE PLAN, o que ocorreu de fato após degustar seu sucessor "Miss Machine" (2004). Com "Ire Works", lançado três anos após, aí sim tornei-me apreciador da piração denominada Mathcore, que basicamente é um metalcore experimental, progressivo e matemático (leia-se extremamente técnico) com letras, na maioria das vezes, nonsense. Os caras vieram a São Paulo e não dava para perder.

Parece uma repetição escrever isto, mas ver o TEST será sempre um prazer. Um dos nomes mais 'cult' e relevantes do cenário da música underground brasileira, possui um catálogo instigante contendo demos, DVDs não oficiais, um 7” EP e seu debut "Arabe Macabre". Formado por João Kombi (vocal/guitarra) e o ótimo baterista Thiago Barata, nos brindaram com barulhos curtas e nocivos, conforme pede o grindcore com pitadas de black metal praticado pelo duo. Você pode ter diversas daquelas músicas na ponta da língua, mas não adianta, pois a metodologia dos dois imprime novas configurações sempre que executadas ao vivo. Por exemplo, caso João precise dar um gole de sua breja ou o Barata enxugar o suor, é preciso apenas um olhar para que o tema seja entoado de modo quase matemático (agora percebem o porquê de tê-los abrindo o show do DEP, certo?). Tocaram algumas de minhas prediletas: 'Mundo Feroz', 'Nasceu o Assassino', 'Encarando a Morte', 'Ninguém É Ninguém' e 'Auto Execução'.

Após o set sempre matador do Test, não levou tanto tempo para 'Prancer', item que abre o derradeiro de estúdio "One of Us Is the Killer" (2013), trazer o lendário Ben Weinman (guitarra, único membro original), Liam Wilson (baixo), Billy Rymer (bateria), Kevin Antreassian (guitarra-base) e o insano vocalista Greg Puciato. A seguinte era de meu álbum favorito. Ouvir 'Milk Lizard' encheu-me de alegria em uma data para lá de esquisita. Greg aproveitou para se jogar na plateia sem interromper sua performance, como de costume. Devidamente devolvido ao palco, 'Room Full of Eyes' deu sequencia ao rito e ali a coisa ficou realmente séria. Havia uma possessão coletiva. Em meio à catarse sonora acontecia um refrão intruso, mas sem perder a qualidade estranha. Ben tocou de pé seguro pela galera. Quem mais apronta dessas com tanta segurança?

Apreciei bastante posicionar 'Panasonic Youth' e 'We Are the Storm', ambas de "Miss Machine" pois nos devolveu aquele velho sentimento de uma década atrás. Não dava tempo nem de cuspir. Olha, mesmo 'donos' do Mathcore não os mantenha apenas ali, porque ninguém nem nada é dono daqueles homens. A liberdade criativa apresenta provas e dá-lhe 'Black Bubblegum', uma absurda canção em resumo ao que DEP é capaz de fazer quando compõe. Percebem até um 'vento' de Björk nela? Em 'Hero of the Soviet Union' é possível entender melhor quando coloquei aquela comparação ao Napalm Death acelerado no primeiro parágrafo. Assim como ela, 'Nothing's Funny', também "recente" (ops!), mantém a frase 'takipariu!' em repetição na mente. Pelo menos na minha.

Uma 'intro' tétrica entregou a chegada de 'Happiness Is a Smile'. Se o mundo tiver um fim a trilha sonora seria mais ou menos isto! Minutos depois, quando tudo não mais existir sobre o solo, ouvir-se-á 'One of Us Is the Killer', o mais próximo de uma balada que o DEP vai te dar. Menciono ainda as belíssimas e intrigantes projeções. Penso ser delas a razão dessas loucas linhas aqui. E como preciso variar meu estilo vez ou outra, nada melhor que ouvindo 'Crossburner', perfeita para um jornalista de música inspirar-se na hora de trabalhar. Obra-prima esquizoide e que rufem os tambores porque 'Good Neighbor', a seguinte no repertório, fez-me focar no baterista Billy. Rapaz, que dificuldade o menino deve ter se pensarmos em uma turnê mundial. Pelo menos deve estar sempre em forma.

De volta à estreia de Greg na banda, 'Setting Fire to Sleeping Giants' iniciou uma trinca mista em euforia e tristeza, pois pairava no ar a proximidade do final. 'Farewell, Mona Lisa' não ajudou muito a nos fazer esquecer disto, mesmo sendo excelente! Coube ao hino 'When I Lost My Bet' devolver aos meus sentidos a tônica de saber que, mesmo não havendo 'loop' no concerto, presenciava um dos momentos mais importante do calendário de eventos de 2016 na cidade. Uma dica: Se for apresentar o The Dillinger Escape Plan a um neófito, comece por esta.

O 'encore' iniciou com 'Sunshine the Werewolf'. Logicamente que a festa não seria a mesma sem o público, devidamente convidado a subir ao palco. Aproveitaram a bagunça e mandaram logo '43% Burnt'. Daí, meu amigo, não houve um rosto sem sorriso deixando a Clash Club naquela noite.

Agradecimento à Ultimate Music pela atenção e credenciamento, bem como o setlist do Test, algo difícil de conseguir. :)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dillinger Escape Plan"

Heavy MetalHeavy Metal
10 bandas com formações tumultuadas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 25 de abril de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Dillinger Escape Plan"0 acessosTodas as matérias sobre "Test"

55Gore55Gore
O nome e o logotipo mais complicados da história

Rock in RioRock in Rio
10 bandas que poderiam estar na próxima edição

ScorpionsScorpions
A história por trás da música "Wind of Change"

5000 acessosSlipknot: banda trolla repórter da Multishow antes de show no RIR5000 acessosO Whiplash.Net protege quem anuncia no site?5000 acessosMetallica: registro de encontro com uma fã muito especial5000 acessosIron Maiden: banda lança vídeo de "Wasted Years" com áudio do Rio de Janeiro5000 acessosLady Gaga: "Eu sou o próximo Iron Maiden"5000 acessosLemmy Kilmister: Enquanto isso, lá embaixo...

Sobre Durr Campos

Graduado em Jornalismo, o autor já atuou em diversos segmentos de sua área, mas a paixão pela música que tanto ama sempre falou mais alto e lá foi ele se aventurar pela Alemanha, país onde reside atualmente e possui família. Lendo seus diversos artigos, reviews e traduções publicados aqui no site, pode-se ter uma ideia do leque de estilos que fazem sua cabeça. Como costuma dizer, não vê problema algum em colocar para tocar um Scum do Napalm Death, seguido de Substance do New Order ou Black Celebration do Depeche Mode, daí viajar no tempo com Stormbringer do Deep Purple, se acabar ao som do Bounded By Blood do Exodus e finalizar o dia com alguma coisa do ABBA ou Impetigo. Simples assim.

Mais matérias de Durr Campos no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online