Eusébio Rock Day: Marcando seu nome no calendário de festivais

Resenha - Eusébio Rock Day (Polo de Lazer, Eusébio, 08/06/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A cena roqueira cearense ferve.

5000 acessosBlack Sabbath: Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"5000 acessosEpica: veja fotos da irmã mais nova de Simone Simons

E nas últimas semanas de julho e início de agosto ferveu ainda mais. Aconteceram no Centro Cultural do Banco do Nordeste do Brasil e no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura os festivais Rock Cordel e Forcaos (além da Mostra Petrúcio Maia, no Estoril), todos na capital cearense. No final de semana seguinte, era a vez da região metropolitana mostrar sua força através da sexta edição do Eusébio Rock Day (que, na verdade, trouxe DOIS dias de muita música à cidade de Eusébio), promovido com o apoio da Secretaria de Cultura e Turismo e da Prefeitura Municipal de Eusébio. Por motivos de saúde, não pudemos estar presentes no Forcaos e Rock Cordel, mas contamos abaixo como foi o Eusébio Rock Day, principalmente seu segundo dia, mais dedicado ao heavy metal e afins.

Mais ou menos semelhante a Osasco, a cidade de Eusébio fica localizada bem perto de Fortaleza. É possível chegar lá através da BR 116 ou pelo bairro de Messejana. Logo ao chegar no Polo de Lazer, local onde aconteceria o show, já ficamos impressionados com a mega estrutura destinada ao evento. Um enorme galpão com capacidade para receber algumas milhares de pessoas. Ao fundo, uma lagoa proporcionava um clima agradável ao local, uma brisa suave (mas é bom lembrar de levar repelente da próxima vez, afinal, uma lagoa é uma lagoa). O palco também tinha boas proporções, com um grande espaço de backstage. Além disso, a sensação de segurança proporcionada pela presença da Guarda Municipal era um plus. Um ônibus também havia sido providenciado pelos próprios headbangers para trazê-los de Fortaleza ao Eusébio, apesar de que a viagem de carro não é muito longa.

O primeiro dia de festival já tinha acontecido, mas não pudemos acompanhar por outros compromissos profissionais. No fim de tarde de sexta-feira, 07 de agosto, a festa começou com as bandas PALCO DE ILUSÕES, IN NO SENSE, LAVAGE, THRUNDA, GLAUCO KING & THE WEST WOLVES e THE GOOD GARDEN. Os relatos dão conta de que perdemos uma parte importante do evento. No entanto, você vai poder acompanhar a partir de agora tudo o que aconteceu no segundo dia do Eusébio Rock Day.

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

WARBIFF

A primeira banda no palco no sábado foi a Warbiff com seu thrash metal ultra técnico, fazendo com que, já na segunda música, começassem os moshs, apesar de ainda tímidos. Logo o público começou a tomar conta do espaço, fazendo roda e headbangeando ao som de músicas como "Pigs Parliament" e "La Bestia", todas com solos cheios de feeling, vocais com muita agressividade de Daniel Bifão e cozinha sempre muito presente. Em "Eternal Violence", que vai ser parte do novo CD (ainda a ser lançado), dava pena da bateria, espancada sem dó desde o início.

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

FIST BANGER

Segunda no cast, a FIST BANGER subiu ao palco com uma formação quase completamente nova, mas já foi engatando a quinta e colocando a máquina para sofrer a 200km/h. O guitarrista Márcio Seabra estava estreando, enquanto o baixista Sílvio Arruda fazia seu segundo show com a FB. O outro guitarrista, Ígor Vinícius, já toca com a banda há um ano. Vinny Fist, o vocalista (e, além do baterista Paulo, um dos únicos da formação original), é uma grande figura, saído diretamente de um VHS de uma banda dos anos 80. Além disso, tem boa presença de palco, cantando com agudos impressionantes, abraçando os novos colegas, se jogando no chão...

No set, sons como "Speed Metal Reaper" e "Invaders of The Thrash". Apesar de algumas paradas, a mistura de speed e thrash fez com que o show parecesse ainda mais rápido do que realmente foi, exaurindo a energia dos bangers.

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

ARCHARD

Já no início da noite, a ARCHARD (ArcharD) subiu ao palco e conquistou a atenção do público com a voz poderosa de Graça Santtos e os duelos de guitarra de Fred Façanha e Isrhael Araújo em "Between Darkness and Light", além das batidas precisas de Jefté Albuquerque. Era a quarta apresentação da banda de heavy metal forte, sagrado e poderoso (como diz o nome) da vizinha cidade de Aquiraz em edições do Eusébio Rock Day.

"Now Is The Time" começa com uma intro muito bem trabalhada e foi o ponto alto do show. Apesar do som do baixo estar, digamos, baixo (merecia uma melhor equalização), era uma banda que eu não conhecia, mas deu vontade de correr para o note, acessar sua página e baixar o EP (gratuita e legalmente). Se você também se interessou, acesse o link abaixo.

http://archard.com.br

O que a banda tem obrigação de fazer agora é correr para o estúdio e registrar mais composições num full-length. Ponto.

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

COLDNESS

O riff de teclado de Gabriel Andrade era a deixa para que o heavy metal de luxo da COLDNESS começasse com uma das mais aguardadas apresentações do festival, com melodias marcantes e virtuosismo. Depois de Lenine Matos (vocalista) sobreviver a "The Turnaround Motion", Vicente Ferreira (baterista da IN NO SENSE, substituindo Pasknel Ribeiro, viajando) deixa sua marca. "On A Great Speed", do primeiro álbum ("Existence") recebeu de Lenine (que não estava na banda à época de seu lançamento) a interpretação que merecia.

O vocalista repetiu a boa presença de palco já vista em outros shows, chegando a arriscar algumas notas no braço da guitarra de Yago ou bater nos pratos de Pasknel (temporariamente sob as baquetas de Vicente) em momentos claramente ensaiados previamente. E apesar da melodia sempre marcante, o som da COLDNESS não deixa de ter muito peso. A suite "Justify Your Existence", com todas as suas nuances, é de emocionar. "Tormented" foi a última de um show que merecia mais (nem que fosse pra tirar o riff grudento da cabeça), um show que teve belos solos de guitarra, outros belos solos de teclado, baixo sempre marcante e Vicente Ferreira mostrando estar sempre muito bem (mesmo quando substituindo um colega).

Foto: Gandhi Guimarães
Foto: Gandhi Guimarães

Foto: Gandhi Guimarães
Foto: Gandhi Guimarães

S.O.H.

grrrr, grrrr, pow, pow, pronto, cabou.

Mais um entre os mais esperados da noite, o show da SIEGE OF HATE bem que poderia ser descrito assim. Mas, vamos tentar falar dele de uma forma mais "burocrática". Com uma mistura de death metal e grind core, o trio foi buscar no estômago dos bangers toda a brutalidade e energia que havia ali. Explosões em formato de som pesadíssimo, natureza subversiva e um conjunto de bangers moendo a si próprios em moshs violentíssimos. Bruno Gabai (vocalista/guitarrista) exortou a galera curtindo toda unida os diversos estilos do festival, death, thrash, melódico, hardcore ("a galera do doom metal também", pontuou o baixista George Frizzo, em noite especialmente inspirada). A cada pedrada como "Forthcoming Holocaust", "The Walls Built Inside Us" e "Hipocrites" (dedicada aos adoradores das igrejas), o público enlouquecia mais e mais e chegou a dar trabalho abusando dos stage dives.

Frizzo estava destruindo tudo no baixo e também fazendo backing vocais, Saulo maltratava a bateria como se ela fosse Cunha, Dilma, Renan e Aécio (cada um uma peça do kit) e bruno impressionava na guitarra e alternando guturais e rasgados. Se aquela sucursal do inferno seria capaz de curar todas as doenças não sei, mas, pelo menos, curou o cansaço.

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

MORDDOR

Quando a MORDDOR começou a tocar, com som com fortes influências tolkienianas e, talvez até como consequência natural, de BLIND GUARDIAN, o público ainda se recuperava do atropelamento de caminhão que tinha sido o show da S.O.H, mas foram sendo atraídos novamente pelo som com técnica e virtuosismo da banda de casa (a banda também tem origem na cidade de Eusébio). Lincoln Silva, vocalista e guitarrista da banda e principal nome na organização do festival afirmou que o Eusébio Rock Day era um dos maiores festivais do Ceará, somando com ForCaos, somando com Rock Cordel. Estava certo. O festival firma seu nome junto a seus pares. "Beyond The Old Forest" foi um dos pontos altos de seu show, além da homenagem prestada aos seus inquestionáveis mestres, BLIND GUARDIAN, através da cover "Valhalla", que contou com a presença de Marcelo Falcão, da DARK SYDE. Virtuosismo, técnica, feeling a banda tem de sobra. Só o que falta é algo que os faça realmente inconfundíveis.

Até mesmo o timbre de voz de Lincoln é igual ao de Hansi Kürsch. O show terminaria com "Shade of The East", mas, com o avançado da hora, os anfitriões deram bom exemplo e fecharam o set com "War of Ages", apesar de alguns protestos ("aaah, não tocaram a melhor"). Ponto para a banda. Ponto para a organização. Ponto para o exemplo.

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

DARK SYDE

Outro grande nome da cena cearense, a DARK SYDE trouxe ao palco o seu lançamento mais recente, o matador "The Apocalipse Bell part II: Legacy of Shadows" (resenha em breve) tocado na íntegra. O thrash com agressividade e velocidade mas também com melodia de faixas como "Legacy of Shadows", "Human Pest Control" e "Megashits on Microminds" inaugurou outra sessão de rodas violentas em meio ao público. Com a habitual presença de palco, tocando lá em cima como se estivesse em meio ao mosh lá embaixo, o guitarrista Tales Groo ainda avisou: "galera, isso aqui foi um chute no pau. Vamos tocar um heavy metal tradicional agora". E mandaram ver em "Escape From The Doom Desert". O festival de riffs continuou com "Domination Undergroud", a homenagem à várias outras bandas da cena da qual o próprio Tales faz parte desde 1985.

Ainda tocaram "Braindead" junto com Bruno Gabai, revivendo o INSANITY, cultuada banda pioneira. O show terminou com "Fragments of Time", com solo de baixo e Groo fazendo seu próprio stage dive, para então ser reconduzido ao palco pelo público. Músicas como "Born For War" e "Bubonic" fizeram falta, mas, o show foi realmente especial.

Foto: Victor Rasga
Foto: Victor Rasga

Foto: Gandhi Guimarães
Foto: Gandhi Guimarães

ORÁCULO

A maratona de shows estava chegando ao fim. O público já era até mesmo diferente daqueles que acompanharam o seu início com a WARBIFF, ainda no meio da tarde. E muitos já tinham até mesmo ido embora porque naquela noite, em Fortaleza, também haveria um show de Black Metal com as cearenses MONGE e MALEFICARUM e a paranaense AMEN CORNER. O reduzido número de guerreiros que persistiram no Polo de Lazer do Eusébio ainda foram brindados com o New Wave of British Cearense Heavy Metal da ORÁCULO. Canções longas, solos longos de guitarra e até de baixo e bateria são características do som da banda, formada por Paulo Henrique, Franzé, Vicente, Sula e Robson Alves. São composições que qualquer pessoa que já tenha ouvido falar de uns caras lá da Inglaterra (que atendem pelo nome de IRON MAIDEN) tem obrigação de ouvir. "Secrets" uma das mais marcantes faz um dos guitarristas trocar seu instrumento por um piano. E até mesmo o vocalista/guitarrista Wolney Mendes, da BETRAYAL, que ali era só público, fez questão de, emocionado, subir ao palco e fazer sua participação. Além dele, o show também teve participação de Lincoln Silva em uma das músicas, e Daniel Camelo, guitarrista da STEELFOX, que também engrossou o caldo participando de uma outra canção. E apesar do horário, por não haver mais nenhuma outra banda à espera por sua vez no palco, a ORÁCULO não economizou no set list, incluindo canções como "Shadows", "Ilusions of Time", "Pandora", "Lord of The Seas", "Sounds of Life", "Disciples of Metal" e, obviamente, a faixa que dá nome a banda, "Oráculo", entre outras não listadas aqui.

O show recebeu adjetivos como "lindo" e até chegou a ser considerado o melhor do dia por alguns presentes. O som, realmente, foi, com certeza, o mais bem ajustado entre todas as bandas que se apresentaram, principalmente nos graves do baixo. Isso, no entanto, custou caro. A longa demora para dar início ao show e algumas paradas no meio tornaram a experiência, embora boa, ainda mais cansativa. Devido ao horário, aqueles que vieram de ônibus até tiveram que deixar o Polo antes do final do show. A ORÁCULO já tem vinte anos de estrada e tem muito o que ensinar, mas um show mais coeso poderia trazer mais reconhecimento (que é bastante merecido) à sua música.

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

O saldo final é que atestamos que o festival merece ter data reservada no calendário de todo headbanger de Fortaleza, Eusébio e região metropolitana, tanto pela qualidade de suas atrações quanto pela estrutura e organização. Como sempre há pontos a melhorar, um que deve ser citado (e certamente será revisto) para a já aguardada sétima edição é a quantidade de banheiros químicos disponibilizada, claramente insuficiente para o público que o festival recebeu (o caso é ainda mais notório quando prevemos que o público só tende a aumentar). É fato que estaremos presentes na sétima edição do Eusébio Rock Day em 2016.

Foto: André Rocha
Foto: André Rocha

Foto: Gandhi Guimarães
Foto: Gandhi Guimarães

A cena roqueira cearense ferve.

Confira abaixo o vídeo, lançado antes desta edição, contando a trajetória do festival em suas cinco edições anteriores.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Agradecimentos:

Lincoln Silva, pela atenção e credenciamento.
André Rocha, Gandhi Guimarães, Victor Rasga e Helena Braga, pelas imagens que ilustram esta matéria. Confira mais fotos no endereço abaixo:

http://ce-rock.blogspot.com.br/2015/08/eusebio-rock-day-seti...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Darksyde"

Melhores de 2012Melhores de 2012
As escolhas do redator Leonardo Daniel Tavares

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Oráculo"0 acessosTodas as matérias sobre "Darksyde"0 acessosTodas as matérias sobre "Siege Of Hate"0 acessosTodas as matérias sobre "Coldness"

Black SabbathBlack Sabbath
Tony Iommi explica o segredo para tocar "Paranoid"

EpicaEpica
Veja fotos da irmã mais nova de Simone Simons

HeadbangerHeadbanger
Mostre que você é true em qualquer oportunidade

5000 acessosAC/DC: prostitutas revelam as esquisitices de Phil Rudd5000 acessosAC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de Angus5000 acessosO trágico acidente que vitimou o Lynyrd Skynyrd5000 acessosPink Floyd: entenda o "estilo Gilmour" de tocar guitarra5000 acessosPokemon: tema de batalha tocado em uma bateria brutal5000 acessosJim Root: ser despedido é "como acabar um namoro"

Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online