Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemSteve Perry revela o motivo ter recusado substituir Dave Lee Roth no Van Halen

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemGordo diz que atualizou termos politicamente incorretos após puxão de orelha de filha

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemA opinião de Brian May sobre Lemmy Kilmister e o Motörhead

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio


Stamp

2º Jork n' Roll: homenagem a Jorkdean Silva no Amapá

Resenha - 2º Jork n' Roll (Praça da Bandeira, Macapá, Amapá, 13/09/2014)

Por Bruno Blackened
Em 22/09/14

Assim como o falecido pai do Death Metal Chuck Schuldiner (DEATH) ganhou um festival de peso com bandas ótimas no cast, o Zombie Ritual, o Metal amapaense homenageou, neste final de semana, um músico marcante no cenário, Jorkdean Silva, mais conhecido como Jork. Ele tinha 35 anos e foi assassinado durante uma discussão depois de um acidente de trânsito.

Apresentado por Bio Vilhena, o evento teve como headliner a banda MITRA, de Belém (PA), que tem na bagagem uma demo e um CD, intitulados In the Blackland e Enigma, respectivamente. Em meio as apresentações, Bio jogava vários brindes para a galera e também dava prêmios para quem acertasse as perguntas do apresentador. Discursos em homenagem ao Jork também eram constantes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como sempre, eventos em um lugar público como a Praça da Bandeira são sinônimos de muita animação e plateia garantida. O palco estava bem estruturado, com muitas luzes e o som estava ótimo. A primeira banda a mostrar seu poder de fogo foi a MADAME BUTTERFLY, executando um set baseado em Hard Rock, com músicas de WHITESNAKE, BON JOVI, SKID ROW e EUROPE, o que serviu para aquecer os metalheads para as próximas atrações.

A CERIMONIAL SOMBRIO está fazendo shows com mais frequência, o que é ótimo, visto que estilo da banda é pouco praticado no Estado e faz o grupo angariar cada vez mais ouvintes e seguidores. A banda SLOTH, na qual Jork tocava baixo, também mandou bem, tocando covers de IRON MAIDEN, PANTERA e METALLICA. Só faltou mesmo covers do DEATH pra homenagem ficar mais completa!

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Pouco depois da pausa para troca de equipamentos, a atração principal do 2º Jork n’ Roll subiu ao palco e tocou composições de In the Blackland e Enigma (este, infelizmente, não estava disponível no stand de merchandise da banda). Músicas como Final Brains, Children of Metal, Bravery, Bloodhunters, Silver Hawks e Fires of Glory agitaram as cabeças e cabelos dos metalheads sedentos por Heavy Metal Tradicional.

Aliás, a vinda do MITRA é algo a ser lembrado e incentivado, pois o Amapá está acostumado a receber bandas de Thrash/Death Metal, Hardcore e Black Metal, por vezes, mas dificilmente de Heavy Metal Tradicional. Promotores e produtores de eventos locais poderiam refletir um pouco mais sobre isso e trazes bandas de outros estilos para cá, como Doom, Gothic, Industrial, Symphonic, Folk, Power Metal e por aí vai. O Brasil é um país rico em grupos com diferentes sonoridades. Basta um pouco mais de esforço e vontade que as coisas acontecem.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Voltando ao show, as músicas tem riffs marcantes e bem estruturados, solos cortantes e "cozinha" veloz e precisa, completados pelo vocal ora rasgado, ora limpo e agudo. O grupo ainda mandou dois covers: South of Heaven (SLAYER) e Seek and Destroy (METALLICA).

Foi uma bela homenagem a um músico que era tão querido e admirado pelos demais músicos de Metal amapaenses. Como esta é a segunda edição do evento, ele não será esquecido, ficará para sempre na memória de amigos e familiares, que compareceram e prestigiaram a homenagem. R.I.P. Jork!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Sobre Bruno Blackened

Metalhead desde os 16, jornalista desde os 23. Grande incentivador da cena Metal amapaense através de resenhas, reportagens, fotos, artigos, entrevistas e assiduidade nos shows. Minhas vertentes favoritas são o Thrash, Death e Power Metal. \m/

Mais matérias de Bruno Blackened.