1º Metal Manifest: Os irmãos Cavalera invadem São Paulo

Resenha - 1º Metal Manifest (HSBC Brasil, São Paulo, 12/09/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


























Sexta-feira foi o dia da primeira edição do Metal Manifest, evento comemorando os 20 anos do Manifesto, que reuniu em um único palco três grandes ícones do metal nacional. Junto com os irmãos Cavalera, grandes responsáveis pelo surgimento do gênero no Brasil que vieram ao país Brasil em extensa turnê com seu grupo CAVALERA CONSPIRACY, se juntaram os clássicos do thrash metal nacional KORZUS e KRISIUN para uma grande festa. O que era comemoração se tornou uma pista cheia do melhor do thrash metal: altos mosh pits e muita vontade do público. Confiram abaixo os principais detalhes do espetáculo, com as imagens exclusivas de Kennedy Silva.

Fotos: Kennedy Silva. Galeria completa neste link.

KORZUS

A banda subiu ao palco sem nenhum atraso para iniciar a festa. A pista premium estava bem vazia e a casa parecia ter um público humilde quando o Korzus subiu ao palco abrindo o show com "Guilty Silence", do "Ties of Blood". A banda estava extremamente afiada, e o som do HSBC favoreceu muito as pancadas frenéticas de Rodrigo Oliveira e a ótima voz de Marcello Pompeu. O público gritou com vontade o nome da banda, e se arriscou uma dúzia de vezes a acompanhar o vocalista, mostrando sempre grande vontade.

O setlist foi bem curto e baseado fortemente nos últimos dois álbuns da banda, o "Discipline of Hate" de 2010 e o já citado "Ties of Blood", de 2004. Pareceu agradar bastante o público, que curtiu muito a apresentação do Korzus. Destaque para "Correria", onde os fãs cantaram com muita vontade, apesar de muitos ainda parecerem mais acanhados do que o normal em um show de thrash. A banda fechou com a excelente "Guerreiros do Metal", deixando o público com um gostinho de quero mais.

A banda ainda trouxe um presente ao público que chegou mais cedo: uma faixa do próximo disco da banda rolou nos PAs no final da apresentação.

Korzus é:
Marcello Pompeu - Vocal
Heros Trench - Guitarra
Antônio Araújo - Guitarra
Dick Siebert - Baixo
Rodrigo Oliveira - Bateria

Setlist:
1. Guilty Silence
2. Discipline of Hate
3. Raise Your Soul
4. Never Die
5. Respect
6. What Are You Looking For
7. Correria
8. Truth
9. Guerreiros do Metal

KRISIUN

Passados exatos dez minutos das 22h foi à vez do Krisiun subir ao palco do HSBC Brasil. Cheios de vontade, trataram de imprimir desde a abertura seu estilo forte e violento ao público presente. Não se intimidaram com o tamanho do palco e nem com o público, os três irmãos entregaram um som cheio de qualidade desde a abertura do show com "Ominous" e "Combustion Inferno", mostrando que realmente era uma honra tocar em São Paulo ao lado do Cavalera Conspiracy - como disse Alex Camargo, se não fosse eles não haveria metal nacional.

Para quem já viu recentemente alguma das diversas apresentações que o Krisiun fez tanto neste ano como no ano passado, pode ver que não houve grandes diferenças no setlist. As principais músicas da banda, como "Blood of Lions", "Kings of Killing" e "Vicious Wrath" estavam no setlist. A banda só reforçou mais uma vez porque é realmente um dos grandes destaques nacionais da atualidade.

Fecharam o show com a mais que manjada "Black Force Domain", que como sempre arranca belos mosh pits do público presente, que saiu na porrada, com finalização perfeita do solo de guitarra de Moyses Kolesne.

Krisiun é:
Alex Camargo - Vocal e baixo
Moyses Kolesne - Guitarra
Max Kolesne - Bateria

Setlist:
1. Ominous
2. Combustion Inferno
3. The Will To Potency
4. Vicious Wrath
5. Ravager
6. Descending Abomination
7. Vengeance's Revelation
8. Blood Of Lions
9. Slain Fate
10. Kings of Killing
11. Bloodcraft
12. Black Force Domain

CAVALERA CONSPIRACY

Para fechar, se aproximava já da meia-noite quando o Cavalera Conspiracy subiu ao palco. Ovacionada pelo público, já lançou de mão de "Inflikted", do álbum de mesmo nome. Max parecia extremamente insano no palco, um pouco perdido em alguns instantes, mas o show fluía extremamente bem em termos de energia e sinergia. Resultado disso foi o mosh pit extremo que ocorreu nas músicas seguintes "Warlord" e "Torture", impulsionada pela qualidade do som da banda, quase que uma referência do Metal Manifest como um todo.

A banda tocou durante toda a primeira metade do show praticamente apenas músicas do Cavalera Conspiracy, com exceção de um medley do Sepultura e uma música do extinto projeto Nailbomb. O show estava extremamente forte, e o público não guardou nenhuma energia. Durante este tempo, muitas pessoas inclusive saltaram da pista para a pista premium, onde não havia seguranças para impedirem a passagem.

Também houve a apresentação de "Babylonian Pandemonium", música do novo álbum do Cavalera Conspiracy que será lançado em novembro. A música é uma pancada, com força nas baquetas e nas guitarras, mas parece ter elementos bastante modernos que diferem da carreira mais old school dos irmãos Cavalera. Parece não ter pegado tão bem nos ouvidos do público em geral, mas quem sabe quando o disco lançar. Outra música também do disco novo que também foi tocada pela primeira vez nesta tour foi "Bonzai Kamikaze", que pareceu agradar mais ao público.

Na segunda parte do show a banda sacou de todas as suas armas e tocou música do Sepultura atrás de música do Sepultura. Começando com "Refuse/Resist" e "Territory", do "Chaos AD", tava mais que na cara que o público queria mesmo era ouvir as boas e velhas que marcaram a infância e iniciação ao metal de muita gente. O público simplesmente se entregou ao som, do mesmo modo que Max parecia se entregar no palco.

Para finalizar o show, a banda veio com as pancadas "Inner Self", do "Beneath the Remains" e "Attitude", do "Roots", esta última como homenagem a Dana White, enteado de Max que morreu logo após o lançamento do disco. A letra da música foi escrita por ele, que também teve a ideia do vídeo, e por isso a música prossegue no setlist da banda em memória ao jovem.

Para o bis, os irmãos Cavalera trouxeram três surpresas: Antônio Araújo do Korzus e Alex Camargo do Krisiun se juntaram a Marcus D'Angelo do Claustrofobia no palco para executar o medley "Arise / Dead Embryonic Cells" do Sepultura, reunindo os grandes nomes da noite em um mesmo palco. O público ainda aproveitou para gritar com vontade o nome do Claustrofobia, que poderia muito bem também ter aberto o show em São Paulo.

O show foi finalizado com a clássica "Roots Bloody Roots", que fechou o show como deveria ser fechado. O espetáculo no final foi muito bom e bastante positivo, e o grande público que estava presente no show do Cavalera Conspiracy no HSBC mostrou que muitos ainda ligam para o metal nacional. O que importa saber é quando este público vai começar a ver também com bons olhos as bandas nacionais mais novas, que tem um som muitas vezes bastante inovador e de ótima qualidade.

Cavalera Conspiracy é:
Max Cavalera - Vocal e guitarra
Igor Cavalera - Bateria
Marc Rizzo - Guitarra
Nate Newton - Baixo

Setlist:
1. Inflikted
2. Warlord
3. Torture
4. Beneath the Remains / Desperate Cry / Troops of Doom (música do Sepultura)
5. Sanctuary
6. Terrorize
7. The Doom Of All Fires
8. Wasting Away (música do Nailbomb)
9. Babylonian Pandemonium
10. Killing Inside
11. Refuse/Resist (música do Sepultura)
12. Territory (música do Sepultura)
13. Black Ark
14. Bonzai Kamikaze
15. Inner Self (música do Sepultura)
16. Attitude (música do Sepultura)
Bis:
17. Arise / Dead Embryonic Cells (música do Sepultura com Alex Camargo, Marcus D'Angelo e Antonio Araújo)
18. Orgasmatron (cover do Motörhead)
19. Roots Bloody Roots (música do Sepultura)



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Cavalera Conspiracy"Todas as matérias sobre "Sepultura"Todas as matérias sobre "Soulfly"


Sepultura: Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in RioEm 02/09/1993: Sepultura lançava o clássico "Chaos A.D."

Sepultura: novo álbum já tem nome, diz Andreas KisserSepultura
Novo álbum já tem nome, diz Andreas Kisser

Petbrick: ouça novo single de projeto experimental de Iggor Cavalera

Max Cavalera: ele não entende como o Slayer consegue pensar em se aposentarMax Cavalera
Ele não entende como o Slayer consegue pensar em se aposentar

Sepultura: veja entrevista de Andreas Kisser no programa CMCHRodz Online: Sepultura vs Max Cavalera (vídeo)

Sepultura: banda já está gravando sucessor de Machine MessiahSepultura
Banda já está gravando sucessor de "Machine Messiah"

Collectors Room: os 50 anos de Max Cavalera (vídeo)

Phil Anselmo: Max Cavalera sobe ao palco para uma canjaPhil Anselmo
Max Cavalera sobe ao palco para uma canja

Petbrick: projeto experimental de Iggor Cavalera anuncia novo álbum

Max Cavalera: Ele se orgulha de usar camiseta preta de bandasMax Cavalera
Ele se orgulha de usar camiseta preta de bandas

Sepultura: Igor Cavalera admite influência do Korn em RootsSepultura
Igor Cavalera admite influência do Korn em "Roots"

Heavy Metal: as 10 introduções mais matadoras do estiloHeavy Metal
As 10 introduções mais matadoras do estilo


AC/DC: Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vidaAC/DC
"Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vida"

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Metal contra o câncer: festival aceita cabelo como ingressoMetal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso

Journey: o famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"Luís Mariutti para Nando Moura: "Estádio não se lota com views ou likes"Nickelback: governo dos EUA acha a banda tão perigosa quanto o Slipknot?Ozzy Osbourne: produtor de Ozzmosis revela que o Madman não dava a mínima

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.