Matérias Mais Lidas

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemOzzy Osbourne revela de qual de seus álbuns Lemmy Kilmister mais gostava

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemSteve Perry revela o motivo ter recusado substituir Dave Lee Roth no Van Halen

imagemA opinião de Brian May sobre Lemmy Kilmister e o Motörhead

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemKing Diamond fala sobre retorno do Mercyful Fate; "Isso não é uma reunião"


Stamp

Roger Waters: Ça Ira, experiência nova e peculiar para roqueiros

Resenha - Roger Waters (Ça Ira, Teatro Municipal, São Paulo, 02/05/2013)

Por Alexandre Caetano
Em 19/05/13

Não são raras as intersecções entre o rock e a música erudita. Dos arpejos e escalas transpostos pelos guitarristas às apresentações conjuntas de bandas como Metallica e Scorpions com orquestras, as contribuições são sempre muito bem-vindas.

Em "Ça Ira", mais que uma intersecção, existe o trabalho direto de Roger Waters, que com a colaboração do regente Rick Wenteorth trabalhou dezesseis anos sobre o libreto de Étienne e Nadine Roda-Gil para a composição desta ópera, cujo enredo homenageia a Revolução Francesa.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Do ponto de vista técnico a obra recebeu críticas pela influência do período clássico da música erudita, na contramão de compositores contemporâneos, como György Kurtág ou Steve Reich. Entretanto o próprio Waters afirmou que essa não foi uma preocupação e suas influências são mesmo os compositores antigos, como Brahms e Beethoven. À parte do estilo, a ópera é uma verdadeira aula de história sobre o marco da transição entre a monarquia absolutista e a república, com seus ideais iluministas.

Utilizando a metáfora mais clássica para a liberdade, o espetáculo começa com o questionamento: os pássaros podem cantar? Em uma época em que a sociedade era muito menos segmentada, dividida basicamente em uma pequena parcela das pessoas formando a nobreza e o clero de um lado, e a esmagadora maioria formando a plebe do outro, a liberdade era meramente uma ideologia distante. Seu anseio vinha acompanhado da preocupação em esclarecer que este princípio deveria valer para todos, para que os oprimidos não tivessem como meta simplesmente passar ao lado opressor. Respondendo à pergunta acima, o texto da ópera indica que nem todos os pássaros podem cantar, muito menos em todos os lugares.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Conforme a demanda pelo livre arbítrio ganhou força através de movimentos que cobravam mudanças através da república, cresceu também a resistência armada dos monarcas, que enviavam os revolucionários para o hospício, que constitui o cenário do espetáculo, tachando os mesmos de loucos.

Os primeiros sinais do período iluminista, pregando a luta através do conhecimento e dos livros em meio a um período obscurantista, foram mesmo encarados como loucura, tanto que nem todos os plebeus aderiam à causa e muitos acreditavam no discurso dos opressores contra as manifestações, até que lentamente o movimento contra a monarquia ganha força suficiente para uma revolta e ataque ao hospício que encarcerava revolucionários.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Desprezando o poder popular, até então inexpressivo, a rainha seguia realizando suas festas megalomaníacas em meio à pobreza da população, que após muita luta toma o poder para a queda da monarquia. Se Mozart chocou a sociedade austríaca por compor óperas em inglês, dá para imaginar como seria a reação frente uma apresentação de "Ça Ira", com uma rainha repetindo incessantemente "damn rain, damn life..." (porra de chuva, porra de vida...), representando o estranhamento de uma situação completamente nova para a nobreza, que incrédula com a perda do poder, tenta salvar o que for possível na bastilha ocupada e em meio ao banho de sangue proporcionado pela luta.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Neste ponto, após pouco mais de uma hora de apresentação, a obra tem seu intervalo, oferecendo ao público alguns minutos para processar toda a informação exposta. É uma sensação estranha acompanhar uma encenação tão intensa sobre a luta entre pobres e ricos há mais de duzentos anos, para em seguida andar pelos luxuosos corredores e salões do Teatro Municipal de São Paulo, símbolo de riqueza e opulência, rodeado pelos mendigos do centro da cidade. Seria exagero dizer que nada mudou, mas infelizmente os ideais de liberdade e igualdade estão extremamente distantes de nossa realidade.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ao retornar para os últimos setenta minutos da ópera somos apresentados a uma aparente nova realidade. As tecnologias voltadas para a imprensa facilitaram a difusão dos materiais escritos e consequentemente o acesso à informação. Porém, como foi dito anteriormente, a pequena parcela da população que detinha o poder era formada por nobreza e clero, sendo que com a monarquia temporariamente derrotada o papa e demais representantes da igreja posicionaram-se contra os direitos do homem.

Se hoje as igrejas têm influência sobre as opiniões dos fiéis, há duzentos anos essa influência era muito mais forte. Com a monarquia falida e a nobreza dividida entre os que fugiam e os que eram assassinados pelos iluministas (que não por acaso diziam que a humanidade só seria feliz quando o último rei fosse enforcado nas tripas do último padre), a igreja foi a grande responsável por frear moralmente a revolução em andamento e propiciar a volta da monarquia, com a população amplamente massacrada.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Com os ideais de liberdade e igualdade – juntamente com a fraternidade, mais ideológica do que prática – um pouco mais enraizados e permeados pela sociedade em transição, novas tentativas de derrubar a monarquia e implantar a república ganharam força com o passar do tempo. Entretanto, pela revolução, as execuções começaram a fugir do controle e os próprios revolucionários eram julgados de forma tão rigorosa que acabavam na guilhotina.

O espetáculo se encaminha para o final indicando que a revolução passa a tentar amadurecer com erros e resgatar os próprios princípios, inclusive o da fraternidade, inevitavelmente esquecido durante as execuções impiedosas, para atingir a liberdade real. Seus pilares, imortalizados nas três cores da bandeira francesa, seguem como desafio até os dias atuais.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A conclusão da ópera idealiza homens julgados pelos atos, não pelas posses, repetindo a frase "Ça Ira" (traduzido oficialmente como "há esperança", informalmente seria algo como "agora vai").

Acompanhar uma ópera, para quem está acostumado somente com as diversas vertentes do bom e velho rock ´n roll, é uma experiência nova e bem peculiar, mas mesmo sem o hábito ou o conhecimento técnico, é possível notar o talento indiscutível de Roger Waters, que desde o auge do Pink Floyd vem demonstrando facilidade ímpar para unir música de qualidade com engajamento político e conhecimento histórico.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Com a carreira mais que consolidada e fiéis seguidores como fãs, Roger Waters não precisaria sequer vir ao Brasil para a montagem de seu espetáculo, porém como grande artista que é, fez questão de subir ao palco no fim de cada dia de apresentação, levando ao delírio os fãs do Pink Floyd, que destoavam entre a elite paulistana, habituada a assistir às óperas do Teatro Municipal.


Outras resenhas de Roger Waters (Ça Ira, Teatro Municipal, São Paulo, 02/05/2013)

Resenha - Roger Waters (Ça Ira, Teatro Municipal, São Paulo, 02/05/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Roger Waters defende Rússia e China e ataca EUA em entrevista

Pink Floyd: Roger Waters relembra a última vez que viu Syd Barrett

Por que Roger Waters se sentia constrangido no Pink Floyd?

Ellen Jabour rebate críticas após reclamar de tom político de Roger Waters

A resposta de David Gilmour quando perguntado se tinha ciúmes de Roger Waters

O importante e essencial aviso que Roger Waters colocou no começo de seus shows

Pink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

Noel Gallagher sobre sua preferida do Pink Floyd: "Adoraria conhecer Roger Waters"

Pink Floyd: Roger Waters explica por que demitiu Richard Wright no "The Wall"

O trabalho do Pink Floyd que Gilmour se sente "desconfortável" em tocar sem Waters

David Gilmour e Roger Waters: seus álbuns solo ranqueados pela Ultimate Classic Rock

Roger Waters diz não fazer ideia de como surgiu associação de Pink Floyd com drogas

Roger Waters: "a música dos Stones nunca foi muito interessante"

A visão de Roger Waters sobre a esquizofrenia de Syd Barrett

Pink Floyd: Roger Waters é o pior músico da banda, e o mais criativo

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Alexandre Caetano

Alexandre Caetano, tem 31 anos, mais da metade dedicados ao Rock. Mora em São Paulo, é formado em ciências sociais, mas nas horas vagas arruma um tempinho para escrever e traduzir textos, para divulgar material de suas bandas favoritas!

Mais matérias de Alexandre Caetano.