Scorpions: a banda já galgou a imortalidade

Resenha - Scorpions (Credicard Hall, São Paulo, 21/09/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Avari
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O SCORPIONS não vai acabar. Os inúmeros comentários aqui e ali falando sobre o fim da banda desanimaram o mais frio dos fãs de Hard Rock do mundo, mas a impressão que todos tiveram no show do dia 21 de setembro de 2012 indica que, se havia alguma dúvida se a banda já galgou a imortalidade na história do rock, esta sim acabou.

1517 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's5000 acessosKing Diamond: As opiniões do rei sobre Satanismo

Fotos por Roberta Forster

Após um show memorável no dia anterior, a banda voltou com setlist quase idêntico na sexta, com o mesmo início estrondoso que nos fazia submergir em um mundo em transformação e nos lançou de cabeça em “Sting in the Tail”, um dos grandes sucessos que cada fã ali sabia de cor e salteado. Ali, já se notava conjunto que fez do SCORPIONS o que são: perfeição técnica, segurança de palco e interação com a platéia que beirava a intimidade de uma mesa de bar. Em todas as músicas, os sempre precisos guitarristas Rudolf Schenker e Matthias Jabs brincavam com fotógrafos, fãs e até mesmo com os seguranças, estes sempre tão ignorados. E Klaus Meine, a alma da banda, cantava com o desejo de ver cada fã com um sorriso no rosto.

Os membros mais novos da banda, o polonês Pawel Maciwoda e o americano James Kottak, mostraram a que vieram logo em seguida, com a poderosa cozinha de “Make it Real” e na setentista “Is There Anybody There”. O brilho da banda só alcançou o ponto no qual ficou a noite toda com a genial “The Zoo”, onde vimos a interação e maturidade da banda criando um dos melhores momentos do ano nos palcos paulistanos.

Veio então a instrumental “Coast to Coast”, com três guitarras em palco comandadas pelo onipresente Rudolf Schenker, e já preparando uma mudança no tom do show, partindo para o intimismo e o descanso vocal de Meine. Em seguida, vieram “Loving You Sunday Morning” – uma demonstração de técnica calorosa – e “The Best is Yet to Come”, um trabalho recente que prova o mérito dos músicos em, após quarenta anos de carreira, criarem músicas com a mesma competência de antigamente. Habilidade esta raramente encontrada entre seus contemporâneos em atividade. “Send me na Angel” e “Holiday” completaram esta fase mais calma do show, e após alguns segundos, a velocidade e fúria voltaram em “Raised on Rock”, “Tease Me, Please Me” ( outro ponto alto do show) e “Hit Between the Eyes”, onde já surgiam os primeiros sinais de cansaço da banda. O que é previsto, já que o momento seguinte é o esperado “Kottak Attack”, o já lendário solo de bateria de James Kottak.

Raras vezes um músico, ainda mais um baterista, entrou em uma banda já consolidada e famosa há mais de vinte anos, substituindo um nome de respeito – no caso, o virtuoso Herman Rarebell – e ganha tanto espaço. Kottak é carismático e cria um espetáculo teatral divertidíssimo para os fãs. No telão, ele protagoniza uma história que passa pelas capas dos discos da banda com criatividade rara de se ver hoje em dia, e que culmina no retorno da banda para o petardo “Blackout”.

Então, chega o solo de Matthias Jabs “Six String Sting”. Matthias é menos conhecido do que merece. Sua atuação tem a competência de Brian May, Peter Frampton ou K.K. Downing, e quem estava na platéia pode sentir o peito se abrir com a distorção das notas mais graves que uma guitarra pode obter ou ainda rir quando explodia um acorde que fazia os seguranças na frente do palco tamparem os ouvidos todos ao mesmo tempo. O fim do solo se mistura com a clássica “Big City Nights”.

Pausa. E hoje em dia não há surpresas no Bis, e desta vez não foi diferente. Como no dia anterior, abriu com a melosa “Still Loving You”, seguida da obra prima “Wind of Change” – que Klaus Meine introduziu lembrando a todos que eles viram a história acontecer bem debaixo do nariz, e ela continua acontecendo. Diferentemente da quinta, “No One Like You” foi acrescentada ao Bis, para delírio dos fãs que vieram aos dois shows, em uma interpretação tradicional. e com a melancolia controlada apenas pela força do som, o longo histórico de shows do SCORPIONS no Brasil desde sua primeira vinda ao Rock in Rio de 1985 terminou com a óbvia, e esperada com ansiedade, “Rock You Like a Hurricane”, uma despedida entusiástica para uma das bandas internacionais mais fiéis aos seus fãs brasileiros.

E não, o SCORPIONS não vai acabar. Param as turnês mundiais, os trabalhos de meses trancados em estúdio, mas os membros ainda tem planos de compor, gravar e espalhar sua música pelo mundo. De sua base em Hanover, ainda vão criar muito para toda a nova geração de fãs que vem por aí.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Scorpions (Credicard Hall, São Paulo, 21/09/2012)

1273 acessosScorpions: fãs em êxtase no Credicard Hall de São Paulo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 25 de setembro de 2012

MudançasMudanças
10 bandas que não soam mais como em seus primeiros discos

1517 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's1808 acessosScorpions: como surgiu a ideia de fazer turnê com o Megadeth1539 acessosAccept: "Nós deixamos as baladas para o Scorpions" diz Wolf0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Scorpions"

Klaus MeineKlaus Meine
A bizarra semelhança com Kiko, do Chaves

Futebol e MúsicaFutebol e Música
A Seleção Alemã do Heavy Metal

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
7 guitarristas que quase entraram para a banda dele

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Scorpions"

King DiamondKing Diamond
"Satanismo é mais uma filosofia que uma religião!"

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Alice Cooper e Emerson Fittipaldi

Música BrasileiraMúsica Brasileira
Quais os discos mais vendidos da história?

5000 acessosAs novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecer5000 acessosVício: Phil Anselmo relata como é ser viciado em heroína5000 acessosJoão Gordo: Crente? Vai tomar no cu quem tá acreditando!5000 acessosLinkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a banda5000 acessosRachel Sheherazade: cantando Iron Maiden com o Ultraje A Rigor no The Noite5000 acessosFotos de Infância: Steven Tyler, do Aerosmith

Sobre Ricardo Avari

Ricardo Avari é biólogo, ator e arqueiro, ouvia rock já como feto e não tirou as guitarras da cabeça desde então. Perdeu a conta de quantos shows já viu na vida desde o segundo em que esteve (desconsidera o primeiro) e ri de quem acredita que o rock está no passado.

Mais matérias de Ricardo Avari no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online