Resenha - Sunday Blood Sunday (Teatro Odisséia, Lapa, RJ, 13/11/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Tarde de domingo, no conhecido bairro da Lapa, em meio a um feriado prolongado, o Teatro Odisséia (que cada vez mais se afirma como um point do underground Metal) recebeu mais uma versão do Garage (onde inclusive foram filmados algumas cenas de um documentário sobre a cena Metal carioca, feito por Fábio Costa, mais conhecido no meio underground como Fábio Garage, uma vez que o mesmo é um dos maiores incentivadores do underground carioca em vinte anos), chamada 'Sunday Bloody Sunday', onde 5 bandas do Metal carioca fizeram um ótimo evento. Pena o público ter sido não muito volumoso, mas a tendência é melhorar.

Curiosidade: artistas que odeiam suas próprias músicasHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

A tarde foi aberta pela banda PERISTALTIC MOVEMENTS. Com sua música baseada no Floridian Death Metal mais agressivo (na escola de bandas como SUFFOCATION e CANNIBAL CORPSE), o quarteto fez um show competente, com boa postura (apesar do palco reduzido devido à presença de vários equipamentos sonoros), e sua música (ora mais rápida, ora mais cadenciada) está cada vez mais coesa, intensa e evoluída. Músicas comon 'Livid', 'Bizarre' e 'Epiletic' dão a impressão de um bom futuro vindouro, mas ainda acredito que uma segunda guitarra iria dar ainda mais 'punch' à sonoridade deles.

A segunda banda foi o HORRIFICIA, que fez um bom show. A movimentação da banda é boa (pode melhorar), a música que o quarteto toca é bem sólida (uma mistura de Grindcore com alguns elementos de Thrash e Noise), direta e empolgante. Canções como 'Eu Cuspo na Sua Tumba' e 'Snnuffete' mostram potencial, e a postura de seu frontman Valdo é muito boa.

O quinteto de São Gonçalo (RJ) EXHUMED CHRIST foi o terceiro grupo da já noite. Mais voltados ao Death/Black Metal, eles que fez um show muito bom, e embora a banda tenha sofrido várias mudanças em sua formação, sua música está ainda mais compacta, com riffs de guitarra mais brutos, e com bons arranjos, ora velozes e ora mais cadenciados. O palco diminuto levou os rapazes a terem uma postura um pouco mais contida, mas a energia de seu set é algo a ser considerado. Músicas próprias, como 'Lies of Christianity', 'Devotion in a Dark Messiah', e versões de 'Screechs from the Silence', do SARCÓFAGO, e 'Conquer All', do BEHEMOTH, deixaram uma ótima impressão para o futuro vindouro.

Após um tempo de espera, um dos nomes mais aguardados da noite sobre ao palco, o quarteto CASTIFAS, que retorna aos palcos com sua nova formação (além do vocalista Hoertel e do guitarrista Deathcult, estão Lord Nuctemeron Daemon e Lord Anti-Christ, ambos do IMPACTO PROFANO, no baixo e bateria, respectivamente). Sua música é o bom e velho Black Metal que pretere a velocidade em prol de uma musicalidade mais azeda, mórbida, ríspida e climática, como as bandas da Second Wave of Black Metal da Noruega. Com um set baseado em músicas antigas (pois o quarteto tem suas origens nos anos 90), muitas pessoas agitaram até o torcicolo ser evidente ao som de 'Pure Evocation', 'Into the Cerimonial Sodom', ambas do EP 'Journey Through the Darkness Path', e uma nova, 'Lucifer, my Master', e a própria banda tem uma postura ótima, especialmente o vocalista Hoertel. Bela volta, e desejamos que continuem por muito tempo.

O quarteto UNEARTHLY, desfilando seu Death/Black violento e rápido, encerrou a noite com trancas de aço. Lançando seu novo CD, 'Flagellum Dei', a banda mostra que o profissionalismo e o underground podem unir-se sem traumas, pois seu show foi muito bom, com ótima postura de palco, e seu set mescla músicas de seus discos anteriores' como 'Black Metal Commando', 'Days of Storm for Christian Souls' (ambas com uma roupagem mais atualizada), 'Revelations of the Holy Lies', e as do novo disco, como 'Seven Six Two' (tenham certeza que se tornará um dos hits da banda em seus shows vindouros), 'Baptized in Blood' e 'My Fault', com destaques para o frotman Eregion e o guitarrista Vinnie Tyr. Um detalhe que saltou os olhos: o show da banda estava sendo filmado e transmitido para a Austrália, para a agência que cuidará dos interesses da banda fora do país.

Um ótimo evento, e um prenúncio de que outros virão ainda melhores e com mais estrutura.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Unearthly"Todas as matérias sobre "Castifas"Todas as matérias sobre "Exhumed Christ"


Metal Nacional: Confira bandas que se destacaram em 2015Metal Nacional
Confira bandas que se destacaram em 2015

Death Metal: mais cinco álbuns nacionais que você deve escutarDeath Metal
Mais cinco álbuns nacionais que você deve escutar


Curiosidade: artistas que odeiam suas próprias músicasCuriosidade
Artistas que odeiam suas próprias músicas

Hall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollHall Of Fame
500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

Iron Maiden: o passado vergonhoso registrado em fotosIron Maiden
O passado vergonhoso registrado em fotos

Pink Floyd: as 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic RockMetalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloDavid Bowie: Petição para Deus pede cancelamento da morteIndependência: os dez melhores discos solo de estreia

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.