Sisters of Mercy: poucas palavras e muita fumaça em SP

Resenha - Sisters of Mercy (Via Funchal, São Paulo, 06/06/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Karina Detrigiachi
Enviar Correções  

Sabe aquela história de "quem gosta de passado é museu?" Para os fãs do SISTERS OF MERCY ela é completamente errônea, pois mesmo após 25 anos desde o lançamento do primeiro álbum da banda, voltar aos anos 80 e reviver o passado ainda é um prazer...

A abertura ficou por conta do LIBRA (não o confundam com a banda chilena de rock alternativo). Trata-se de um cantor gótico carioca que lançou em 2008 o ótimo álbum "Até que a morte não separe". O músico subiu ao palco com sua banda de suporte às 21h00 e após ter sido vaiado no show do KISS, finalmente estava no lugar certo, pois com uma belíssima apresentação agradou o público que mesmo mostrando não conhecer muito seu trabalho, o respeitou e em algumas músicas até arriscou cantar junto com ele, uma vez que suas letras melancólicas sobre amor são de fácil assimilação.

publicidade

Com uma excelente presença de palco, o LIBRA apresentou ótimas canções como "Na minha pele", "Sangue frio", "Ninguém ama ninguém", esta que no álbum conta com a participação de Aaron Stainthorpe, vocalista da banda britânica de doom metal MY DYING BRIDE, "Eletricidade" e a excelente "Quando o mundo acabar", que pode ser facilmente considerada uma das melhores músicas presentes em seu álbum.

publicidade

Porém, mesmo com um repertório rico, constituído de letras profundas e arranjos muito bem trabalhados e claramente influenciado por excelentes bandas como ANATHEMA, PARADISE LOST e o já citado MY DYING BRIDE, foi com o cover de "Enjoy the silence’ do DEPECHE MODE que o LIBRA realmente ganhou o público.

Após a apresentação, a maioria dos comentários que se podia ouvir eram positivos, pois o LIBRA abriu muito bem a noite e com certeza uma nova base de fãs agora está garantida.

publicidade

Às 22h00, para a infelicidade dos fotógrafos, o palco começou a receber a tradicional fumaça que tanto nos leva de volta à atmosfera dos anos 80, e, falando em fotógrafos, a maioria deles foram vetados de cobrir a apresentação sem muitas explicações. O que se comentava era que ‘"poucos fotógrafos" havia sido uma das exigências do vocalista Andrew Eldritch que não estava muito afim de aparecer, e esses comentários receberam um pouco mais de crédito minutos antes da banda entrar no palco, quando os telões do Via Funchal anunciaram que para esta apresentação não haveria a transmissão simultânea, que trata-se das imagens da banda exibidas em tempo real nos telões, facilitando a visualização dos fãs.

publicidade

Não podemos afirmar se tudo isso realmente ocorreu devido a uma exigência do músico, mas vale lembrar que este ano passaram por aqui lendas como MOTORHEAD, DEEP PURPLE e HEAVEN & HELL e nenhuma dessas restrições foram necessárias. A intenção aqui não é equiparar nenhuma banda, até mesmo porque o estilo das citadas acima é completamente diferente, mas para uma banda que não lança nenhum material novo nos últimos 17 anos, restringir suas imagens ao público que ainda se mantêm fiel ao seu trabalho é realmente uma atitude a se lamentar....os fãs mereciam mais reconhecimento e valor...

publicidade

Finalmente às 22h30 o SISTERS OF MERCY entra no palco e iniciam com "Crash And Burn", faixa que faz parte da compilação de singles inéditos "Some Girls Wander by Mistake" lançada em 1992.

Ao se deparar mais uma vez com o tão aclamado fervor dos fãs brasileiros, o vocalista Andrew Eldritch deixou escapar um sorriso, mas um sorriso leve com ar irônico, bem no estilo britânico de ser. O sorriso não durou mais do que quatro segundos e não voltou a aparecer durante o resto da noite.

publicidade

A música seguinte foi "Ribbons", faixa de "Vision Thing", terceiro álbum da banda lançado em 1990.

As músicas estavam todas com uma roupagem diferente, o que impedia até mesmo que fossem reconhecidas de primeiro momento, e, em muitas situações os fãs começaram a cantá-las a partir do refrão, pois era este o único momento em que era possível reconhecer qual música estava sendo executada.

publicidade

Os samplers estavam bem evidentes, o que fez com que muitos fãs após o show arriscassem dizer que tudo havia se tratado de playback... está aí mais uma situação que também não temos como afirmar....

O jogo de luzes no palco foi realmente um show à parte, e mesclado com a fumaça, nos fazia sentir como se tivéssemos voltado no tempo, pois a atmosfera anos 80 realmente havia tomado conta do lugar. Porém, na altura da sétima música, a excelente "Marian" do clássico "First and Last and Always" lançado em 1985, a pergunta que predominava na casa era "caramba, precisava mesmo de tanta fumaça?". Em muitas músicas tudo o que os fãs puderam fazer foi curtir o som pois não dava nem mesmo pra ver a banda no meio daquela "neblina".

Dias antes da apresentação, a banda participou de uma coletiva de imprensa e quando questionado sobre como seria o show o vocalista respondeu pragmático: "Encaro o show como qualquer outro, vamos dar o nosso melhor. Espero que seja bom para todos".

E sim, ele o encarou como qualquer outro pois durante toda a apresentação se comportou de maneira burocrática. Não houve interação com o público, e fez questão de se limitar ao seu próprio espaço, ao contrário dos guitarristas Chris Catalyst e Ben Christo que se mostravam muito animados. Catalyst não parava de pular e Christo que era só sorrisos, toda hora olhava para a platéia e sussurava uns "obrigados" enquanto Eldrich persistia em seu humor britânico.

A banda fez um apurado geral de toda sua carreira, mas as faixas que mais empolgaram o público foram as contagiantes "Dominion", "The Corrosion" e "First and Last and Always". Mesmo muito bem apresentadas, não houve como não sentir falta do coral característico.

De repente, o maravilhoso jogo de luzes oriundo dos holofotes se apaga e o silêncio predomina por menos que dois minutos quando a banda começa a esperada "Something Fast" seguida por "Vision Thing".

Os integrantes se despedem do público e saem do palco, porém para alegria dos presentes retornam com as maravilhosas "Lucretia My Reflection" e "Temple of Love".

Então, precisamente às 23h54 o SISTERS OF MERCY sai do palco. As luzes se acendem, os técnicos de som começam a retirar os instrumentos e os fãs se perguntam "Calmae, cadê ‘More’?" Exatamente, o show tinha acabado e o hino da banda havia sido excluído do set-list.

Logicamente que não é possível agradar a todos e muitas músicas aguardadas ficaram de fora como "Walk Away", "Some Kind Of Stranger" e "Nine While Nine", mas "More" é onipresente, a cereja do bolo... e sua ausência foi realmente a decepção da noite...

Enfim... conferir uma banda clássica é sempre um grande momento, mas não se pode negar que o público merecia muito mais do que o que foi apresentado e como infelizmente nem tudo é perfeito, valeu conferir a banda em um show de poucas palavras e muita fumaça em uma viagem de volta aos anos 80...

"We want more!"

Set-list:
Crash And Burn
Ribbons
Train/Detonation Boulevard
Alice
Flood I
Anaconda
Marian
We Are The Same, Suzanne
Arms
Giving Ground
Dominion/Mother Russia
First and Last and Always
This Corrosion
(Bis)
Something Fast
Vision Thing
(Bis II)
Lucretia My Reflection
Temple of Love

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Góticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80Góticas
10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80


Cults: 10 álbuns influentes que fracassaram nas vendasCults
10 álbuns influentes que fracassaram nas vendas

Fotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Fotos
Confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1


Sobre Karina Detrigiachi

Designer, nascida na cidade de São Paulo, Kari como é mais conhecida, cresceu ouvindo Deep Purple, Led Zeppelin, Skid Row e Alice Cooper. É apaixonada por todas as vertentes do Metal, porém ouve de tudo um pouco sem se prender a rótulos.

Mais matérias de Karina Detrigiachi no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin