Matérias Mais Lidas

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Megadeth: Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiroMegadeth
Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiro

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Lista: 10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hojeLista
10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hoje

Loudwire: o melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020

Rock in Rio: há 30 anos, Axl Rose exigia VJ desconhecida da MTV para entrevistá-loRock in Rio
Há 30 anos, Axl Rose exigia VJ desconhecida da MTV para entrevistá-lo

Iced Earth: Fãs que apoiaram vaquinha de Schaffer querem dinheiro de voltaIced Earth
Fãs que apoiaram vaquinha de Schaffer querem dinheiro de volta

Dream Theater: Show de comeração de 25 anos do Images & Words será transmitidoDream Theater
Show de comeração de 25 anos do Images & Words será transmitido

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rockEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

Metallica: Dave Lombardo diz que tocar com o Metallica ao vivo foi históricoMetallica
Dave Lombardo diz que tocar com o Metallica ao vivo foi histórico

Iced Earth: fotos mostram Jon Schaffer segurando spray de urso no CapitólioIced Earth
Fotos mostram Jon Schaffer segurando spray de urso no Capitólio

Robert Fripp: novo cover de Billy Idol, agora com esposa vestida de cheerleaderRobert Fripp
Novo cover de Billy Idol, agora com esposa vestida de cheerleader

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"

Épicas: 10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)Épicas
10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)

Inesquecíveis: 50 grandes sucessos do rock e do metal que nunca saem de modaInesquecíveis
50 grandes sucessos do rock e do metal que nunca saem de moda


Matérias Recomendadas

Guitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista FuzzGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

Metal Sucks: Top 25 vocalistas do metal modernoMetal Sucks
Top 25 vocalistas do metal moderno

Metallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For AllMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

O Surto: Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in RioO Surto
"Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in Rio"

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister

Stamp

Glenn Hughes: No Rio de Janeiro, a competência e solidez de sempre

Resenha - Glenn Hughes (Circo Voador, Rio de Janeiro, 28/10/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Werneck
Enviar Correções  







Em mais uma passagem pelo Brasil, finalmente o baixista e vocalista Glenn Hughes se apresentou no Rio de Janeiro. O local escolhido foi o Circo Voador, cada vez mais um espaço aberto aos shows de rock, na efervescente e rejuvenescida Lapa.

Fotos: Pedro Paulo Moreira

A banda elencada para fazer a abertura foi a mediana Escaleno, que baseou seu repertório em material próprio, cantado em português, e vários covers. Nada digno de registro, infelizmente, e portanto boa parte do público presente aproveitou para se refrescar na área aberta do local, bebendo uma cerveja gelada (e bem menos cara do que em outras casas de shows do Rio).

Eram 10h25 quando o produtor do show adentrou o palco para anunciar a atração principal, não sem antes fazer um manifesto conclamando os fãs de rock cariocas a prestigiarem os eventos por ele produzidos, como forma de trazer mais apresentações para o Rio. Nada mais justo. Aproveitou para anunciar shows de Joe Lynn Turner (ex-Deep Purple e Rainbow) e outros, com possibilidades até de trazer a lendária banda de southern rock Lynyrd Skynyrd. É ver para crer, fiquemos então com os dedos cruzados...

Logo a seguir, apagaram-se as luzes e subiram ao palco os três músicos que acompanham Hughes nessa turnê: o guitarrista J.J. Marsh (parceiro de longa data), o tecladista Ed Roth e o baterista Stephen Stevens. Banda coesa, competente, mas não brilhante, acabou por segurar a onda nas músicas da carreira solo de Hughes, porém deixou um pouco a desejar nos clássicos do Deep Purple. Marsh emula bem as partes de guitarra de Blackmore, porém sem a mesma classe, e Roth toca nota por nota os solos de Hammond de Lord, mas falta algo (a palavra "carisma" me vem à mente). O baterista Stevens, principalmente, deixa bastante a desejar com sua pegada pesada porém um tanto quanto "dura", sem direito a viradas ou variações maiores.

Por falar em clássicos do DP, foi justamente com a arrebatadora "Stormbringer" que o show abriu, com a aclamada entrada de Glenn e seu baixo Fender Jazz Bass e calça boca-de-sino. Mais anos 70, impossível. Público conquistado logo de cara, o termômetro continuou indicando temperatura alta com "Might Just Take Your Life", com grande participação do público. Logo ao final da segunda música, Glenn manifestou pelo microfone que já considerava esse o melhor show da turnê pela América do Sul (resta saber se não falou o mesmo em todos os outros), que estava extremamente satisfeito em visitar o Rio pela primeira vez, e que era difícil de acreditar que nunca tivesse vindo antes. Aliás, a interação entre público e artista foi enorme durante as quase duas horas de show, rendendo vários comentários entusiasmados do próprio Glenn.

Conforme consenso entre todos os presentes, a voz de Hughes está em excelente estado. Isso ficou patente logo de cara, pois ele não se furtou a repetir todos os agudos constantes das versões originais do Purple. Sabe-se que o período sabático forçado pelo uso de drogas pesadas pelo qual o vocalista passou nos anos 80, uma semi-aposentadoria temporária, certamente o auxiliou a manter a voz em bom estado, afinal, as cordas vocais envelhecem em função de sua utilização. Mas "The Voice of Rock" é de fato um apelido pertinente. No baixo, mostrou a competência e a solidez de sempre, chegando a fazer algumas firulas em determinados momentos.

As músicas de sua carreira solo foram recebidas com mais frieza pelos presentes, mas de qualquer forma a mistura de hard rock com funk, sua especialidade, soou bem e ajudou a dar uma boa dinâmica ao espetáculo. Entre elas, destaque para "Don’t Let Me Bleed", uma homenagem a uma antiga namorada que o abandonou pelo seu melhor amigo (dizem os Purple-maníacos que se trata de Jon Lord, ex-tecladista do DP), e que oscilou entre momentos balada e outros de mais peso. "Soul Mover" foi outro bom tema, com seu refrão contagiante.

Entre os clássicos do Purple, estiveram presentes no setlist ainda uma longa versão de "Mistreated" e "You Keep On Moving" (ambas cantadas em uníssono pela audiência), mais a funkeada "Gettin’ Tighter" (na qual homenageou o finado e saudoso guitarrista Tommy Bolin, que substituiu Ritchie Blackmore no Purple em 1975). "Mistreated" é uma música de grande apelo em concertos, embora quem melhor interprete sua letra seja mesmo David Coverdale, por melhor que Hughes cante (minha versão preferida, entretanto, ainda é a do "On Stage", disco ao vivo do Rainbow com performances magistrais de Blackmore, Cozy Powell e Dio). O final apoteótico, como não poderia deixar de ser, teve "Burn", na qual o show literalmente pegou fogo, com algumas pessoas subindo no palco e sendo atiradas de volta. O que, por sinal, rendeu uma cena inusitada: um sujeito foi arremessado de volta à área destinada à platéia, mas não se fez de rogado e mandou um "stage diving" com estilo. Ele só não podia esperar que ninguém iria se prontificar a segurá-lo, o que de fato ocorreu, e um sonoro estabaco o mancebo levou.

E, por volta das 0h20, o show foi encerrado. Apenas 11 músicas tocadas, em versões em vários casos longas, resgatando o espírito de improviso dos shows antigos, algo muito bem-vindo por sinal. Ficou a sensação de "quero mais", que poderá ser pelo jeito saciada em meados do próximo ano, quando Glenn Hughes e banda provavelmente retornarão para mais shows no Brasil, divulgando o novo CD que será gravado agora em novembro (Glenn anunciou que retornará em junho de 2008). A escolha do repertório foi boa, mas faltaram alguns clássicos do Trapeze, como "Seafull", "Medusa" e "Coast To Coast". Quem sabe no ano que vem?

Setlist:
- Stormbringer
- Might Just Take Your Life
- Land o' The Living
- Mistreated
- You Got Soul
- Don't Let Me Bleed
- Gettin' Tighter
- Steppin' On
- You Keep On Moving

Bis:
- Soul Mover
- Burn


Outras resenhas de Glenn Hughes (Circo Voador, Rio de Janeiro, 28/10/2007)

Glenn Hughes: A primeira vez da lendária Voz do Rock no Rio de JaneiroGlenn Hughes
A primeira vez da lendária Voz do Rock no Rio de Janeiro


Tunecore
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Glenn Hughes: Coverdale e eu não nos damos bem com os músicos do Deep PurpleGlenn Hughes
"Coverdale e eu não nos damos bem com os músicos do Deep Purple"

The Dead Daisies: Veja o baixista Glenn Hughes tocando o single UnspokenThe Dead Daisies
Veja o baixista Glenn Hughes tocando o single "Unspoken"


2016: Os 10 melhores discos de rock/metal do ano, por Igor Miranda2016
Os 10 melhores discos de rock/metal do ano, por Igor Miranda

Slash: ensinando namorada a tocar Smoke on the Water, do Deep PurpleSlash
Ensinando namorada a tocar "Smoke on the Water", do Deep Purple


Iron Maiden: curiosidades sobre o The Number Of The BeastIron Maiden
Curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"

Censura: 53 nomes que você não pode dizer em uma rádioCensura
53 nomes que você não pode dizer em uma rádio


Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D'Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.