Resenha - Glenn Hughes (Circo Voador, Rio de Janeiro, 28/10/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo Werneck
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.







Em mais uma passagem pelo Brasil, finalmente o baixista e vocalista Glenn Hughes se apresentou no Rio de Janeiro. O local escolhido foi o Circo Voador, cada vez mais um espaço aberto aos shows de rock, na efervescente e rejuvenescida Lapa.

Fotos: Pedro Paulo Moreira

A banda elencada para fazer a abertura foi a mediana Escaleno, que baseou seu repertório em material próprio, cantado em português, e vários covers. Nada digno de registro, infelizmente, e portanto boa parte do público presente aproveitou para se refrescar na área aberta do local, bebendo uma cerveja gelada (e bem menos cara do que em outras casas de shows do Rio).

Eram 10h25 quando o produtor do show adentrou o palco para anunciar a atração principal, não sem antes fazer um manifesto conclamando os fãs de rock cariocas a prestigiarem os eventos por ele produzidos, como forma de trazer mais apresentações para o Rio. Nada mais justo. Aproveitou para anunciar shows de Joe Lynn Turner (ex-Deep Purple e Rainbow) e outros, com possibilidades até de trazer a lendária banda de southern rock Lynyrd Skynyrd. É ver para crer, fiquemos então com os dedos cruzados...

Logo a seguir, apagaram-se as luzes e subiram ao palco os três músicos que acompanham Hughes nessa turnê: o guitarrista J.J. Marsh (parceiro de longa data), o tecladista Ed Roth e o baterista Stephen Stevens. Banda coesa, competente, mas não brilhante, acabou por segurar a onda nas músicas da carreira solo de Hughes, porém deixou um pouco a desejar nos clássicos do Deep Purple. Marsh emula bem as partes de guitarra de Blackmore, porém sem a mesma classe, e Roth toca nota por nota os solos de Hammond de Lord, mas falta algo (a palavra “carisma” me vem à mente). O baterista Stevens, principalmente, deixa bastante a desejar com sua pegada pesada porém um tanto quanto “dura”, sem direito a viradas ou variações maiores.

Por falar em clássicos do DP, foi justamente com a arrebatadora “Stormbringer” que o show abriu, com a aclamada entrada de Glenn e seu baixo Fender Jazz Bass e calça boca-de-sino. Mais anos 70, impossível. Público conquistado logo de cara, o termômetro continuou indicando temperatura alta com “Might Just Take Your Life”, com grande participação do público. Logo ao final da segunda música, Glenn manifestou pelo microfone que já considerava esse o melhor show da turnê pela América do Sul (resta saber se não falou o mesmo em todos os outros), que estava extremamente satisfeito em visitar o Rio pela primeira vez, e que era difícil de acreditar que nunca tivesse vindo antes. Aliás, a interação entre público e artista foi enorme durante as quase duas horas de show, rendendo vários comentários entusiasmados do próprio Glenn.

Conforme consenso entre todos os presentes, a voz de Hughes está em excelente estado. Isso ficou patente logo de cara, pois ele não se furtou a repetir todos os agudos constantes das versões originais do Purple. Sabe-se que o período sabático forçado pelo uso de drogas pesadas pelo qual o vocalista passou nos anos 80, uma semi-aposentadoria temporária, certamente o auxiliou a manter a voz em bom estado, afinal, as cordas vocais envelhecem em função de sua utilização. Mas “The Voice of Rock” é de fato um apelido pertinente. No baixo, mostrou a competência e a solidez de sempre, chegando a fazer algumas firulas em determinados momentos.

As músicas de sua carreira solo foram recebidas com mais frieza pelos presentes, mas de qualquer forma a mistura de hard rock com funk, sua especialidade, soou bem e ajudou a dar uma boa dinâmica ao espetáculo. Entre elas, destaque para “Don’t Let Me Bleed”, uma homenagem a uma antiga namorada que o abandonou pelo seu melhor amigo (dizem os Purple-maníacos que se trata de Jon Lord, ex-tecladista do DP), e que oscilou entre momentos balada e outros de mais peso. “Soul Mover” foi outro bom tema, com seu refrão contagiante.

Entre os clássicos do Purple, estiveram presentes no setlist ainda uma longa versão de “Mistreated” e “You Keep On Moving” (ambas cantadas em uníssono pela audiência), mais a funkeada “Gettin’ Tighter” (na qual homenageou o finado e saudoso guitarrista Tommy Bolin, que substituiu Ritchie Blackmore no Purple em 1975). “Mistreated” é uma música de grande apelo em concertos, embora quem melhor interprete sua letra seja mesmo David Coverdale, por melhor que Hughes cante (minha versão preferida, entretanto, ainda é a do “On Stage”, disco ao vivo do Rainbow com performances magistrais de Blackmore, Cozy Powell e Dio). O final apoteótico, como não poderia deixar de ser, teve “Burn”, na qual o show literalmente pegou fogo, com algumas pessoas subindo no palco e sendo atiradas de volta. O que, por sinal, rendeu uma cena inusitada: um sujeito foi arremessado de volta à área destinada à platéia, mas não se fez de rogado e mandou um “stage diving” com estilo. Ele só não podia esperar que ninguém iria se prontificar a segurá-lo, o que de fato ocorreu, e um sonoro estabaco o mancebo levou.

E, por volta das 0h20, o show foi encerrado. Apenas 11 músicas tocadas, em versões em vários casos longas, resgatando o espírito de improviso dos shows antigos, algo muito bem-vindo por sinal. Ficou a sensação de “quero mais”, que poderá ser pelo jeito saciada em meados do próximo ano, quando Glenn Hughes e banda provavelmente retornarão para mais shows no Brasil, divulgando o novo CD que será gravado agora em novembro (Glenn anunciou que retornará em junho de 2008). A escolha do repertório foi boa, mas faltaram alguns clássicos do Trapeze, como “Seafull”, “Medusa” e “Coast To Coast”. Quem sabe no ano que vem?

Setlist:
- Stormbringer
- Might Just Take Your Life
- Land o' The Living
- Mistreated
- You Got Soul
- Don't Let Me Bleed
- Gettin' Tighter
- Steppin' On
- You Keep On Moving

Bis:
- Soul Mover
- Burn

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Glenn Hughes (Circo Voador, Rio de Janeiro, 28/10/2007)

2619 acessosResenha - Glenn Hughes (Circo Voador, Rio de Janeiro, 28/10/2007)

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Atentado em ManchesterAtentado em Manchester
Iron Maiden e outros comentam tragédia

2479 acessosChad Smith: participações inusitadas em discos de outros artistas0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Glenn Hughes"

VocalistasVocalistas
Os 10 melhores da história do rock

Glenn HughesGlenn Hughes
"Cheguei à beira da insanidade real!"

Deep PurpleDeep Purple
"As coisas desabaram devido a muito sexo, drogas e Rock'N'Roll!"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Glenn Hughes"

Q MagazineQ Magazine
Leitores elegem as 100 Maiores Estrelas do Século XX

SilverchairSilverchair
A triste história por trás da capa do álbum Freak Show

SupernaturalSupernatural
Ouça 10 músicas que marcaram a série

5000 acessosThe Wall - Uma obra de arte conceitual5000 acessosEm 02/02/1979: Sid Vicious, o lendário baixista do Sex Pistols, morre de overdose5000 acessosFotos de Infância: Robert Plant, do Led Zeppelin5000 acessosKiss: Um motorista de táxi conhece um professor de inglês e...5000 acessosGirlschool: Uma conversa franca com a banda4190 acessosRandy Blythe: puto com fã no memorial de Oderus Urungus

Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D’Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online