Resenha - Glenn Hughes (Circo Voador, Rio de Janeiro, 28/10/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.




Era a terceira vez do lendário ex-baixista/vocalista do Deep Purple (com passagens ainda por outras bandas clássicas como o Trapeze e o Black Sabbath) no Brasil, mas a primeira no Rio de Janeiro. O local escolhido não poderia ser melhor: o Circo Voador, reduto carioca do rock ‘n’roll desde sua fundação. A divulgação não deixava dúvidas, a “Voz do Rock” iria saciar os fãs com os maiores clássicos da sua ex-banda.

Fotos: Antônio César

Um público razoável para uma noite de domingo compareceu e conseguiu encher a pista da parte interna da lona do circo. O cenário estava armado e Glenn Hughes sabia o que todos queriam: “Stormbringer”, clássico do álbum homônimo lançado em 1974, abriu o espetáculo levantando todos os presentes. “Might Just Take Your Life” veio na sequência e manteve o clima de empolgação da platéia.

Se músicas da sua carreira solo como “Land Of The Livin’ (Wonderland)” – do disco “Soulmover” (2005) não eram tão conhecidas do público, o que se via no palco era uma banda inspirada (J.J. Marsh na guitarra, Ed Roth no teclado e Stephen Stevens na bateria) com Glenn Hughes em ótima forma, parecendo estar cantando tão bem – ou melhor – que 30 anos atrás e mostrando estar muito feliz por tocar no Brasil (e mais ainda no Rio de Janeiro). Não foram poucas as vezes que ele foi ao microfone dizer o quanto gostava da cidade e como a noite estava sendo especial.

Dos último disco de estúdio - “Music For The Divine” (2006) - “Steppin’On”, “You Got Soul” foram bem aceitas pela platéia, que mesmo assim queria mais clássicos do Deep Purple... “Gettin’Tighter” e “You Keep On Moving” do disco “Come Taste The Band” (da Mark IV, com Tommy Bolin nas guitarras) foram uma grata surpresa, dedicadas especialmente ao guitarrista que morreu aos 25 anos. Além do repertório variado, não foram esquecidas as jams, que alongaram várias músicas, com solos e grooves para ninguém ficar parado.

O bis veio com “Soulmover” e a sempre esperada “Burn”. Se alguém ainda tinha conseguido se conter, nessa hora o Circo Voador foi abaixo, para delírio dos que esperavam ansiosos por essa música. Uma noite de gala para os fãs de um dos vocalistas mais versáteis do rock, que mostrou não só apenas que ainda tem gogó, mas que ainda ama o que faz e que não pretende parar tão cedo. O que é o mais importante.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Glenn Hughes (Circo Voador, Rio de Janeiro, 28/10/2007)

3032 acessosResenha - Glenn Hughes (Circo Voador, Rio de Janeiro, 28/10/2007)

983 acessosBlack Country Communion: novo álbum sai em setembro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Glenn Hughes"

Glenn HughesGlenn Hughes
"Cheguei à beira da insanidade real!"

Deep PurpleDeep Purple
"As coisas desabaram devido a muito sexo, drogas e Rock'N'Roll!"

Tony IommiTony Iommi
Glenn Hughes era muito mais drogado que Ozzy Osbourne

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Glenn Hughes"

Dave MustaineDave Mustaine
O que ele acha da declaração de Kirk Hammett sobre sua saída?

MotorheadMotorhead
Lemmy manda a real sobre os terroristas de Paris

WikimetalWikimetal
Seis motivos para gargalhar ouvindo Heavy Metal

5000 acessosNu Com a Mão no Bolso: blog elege as melhores capas com "nudez"5000 acessosLinkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a banda5000 acessosSkid Row: Varone tentou honrar o sobrenome em filme pornô5000 acessosMetallica: se encontrar James Hetfield, não peça para bater uma foto5000 acessosGuns N' Roses: sem integrantes legítimos, uma banda tipo Menudo5000 acessosAs regras do Black Metal

Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua…

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online