Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemQuem Glenn Hughes considera digno de substituí-lo como "a voz do rock"

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito

imagemPink Floyd: Em entrevista de 1984, David Gilmour falou sobre "The Final Cut"

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure


PRB

Edguy: Espetáculo prazeiroso, com grandes doses de diversão

Resenha - Edguy (Bar Opinião, Porto Alegre, 07/11/2006)

Por Ronan Dannenberg
Em 12/11/06

Quando o Metal deixa de ser simplesmente um gênero musical para se congregar em uma aura que une elementos a ponto de o espetáculo simplesmente tornar-se algo extremamente prazeiroso, com grandes doses de diversão, tudo fica melhor. O Edguy é uma das poucas bandas da atualidade que consegue isso. O som ruim da casa, as desafinadas, os erros, em nada chegaram a atrapalhar o clima de extrema alegria que se instaurou (novamente) no Bar Opinião, em Porto Alegre. A exemplo do primeiro show da banda em 2004, na tour do disco Hellfire Club, tudo era sorrisos.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Fotos: Carlos "Iky" Porto

Eram 22h30 quando a banda subiu ao palco para tocar "Catch of the Century", música do mais recente trabalho, Rocket Ride. Viu-se então o clima que se seguiria, com a execução de um set privilegiando as composições mais recentes, que funcionam muito melhor ao vivo, passando uma grande interação de energia entre público e banda. Assim foi a com as empolgantes Sacrifice e Mysteria.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A nova fase da banda não podia deixar de ser destacada e mostrou a distância entre os discos que marcaram o início da carreira do Edguy. Tocar "Vain Glory Opera", uma música clássica e épica, e na seqüência a canalha "Lavatory Love Machine" é algo que destoa, mas anima e mostra que os padrões do Heavy Metal estão aí para serem quebrados.

O som da casa não colaborou muito com os músicos. Até o belo solo de Felix Bohnke, que tirou de forma exímia o "Tema da Armada", de Star Wars, pouco se ouvia da dupla de guitarristas Dirk Sauer e Jens Judwig. Era um som embolado, que às vezes fazia sumir até a voz de Tobias Sammet. Prova disso pode ser conferida em passagens mais velozes de músicas, quando o bumbo duplo à velocidade da luz era acionado, como na clássica (mas prejudicada) "Babylon", ou quando a grande quantidade de samplers (graças ao novo disco) acabavam ficando confusas com o que a banda executava. Paciência.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Falando em Tobias, o vocalista que vinha cantando direto, visto os três shows anteriores realizados no país, mostrou-se esforçado. Dono de um bom timbre e de uma empolgação única, ele acabou usando bem o set privilegiado em termos vocálicos. Desafinou? Sim, em algumas vezes. Mas quem se importa?. Todas as adversidades eram superadas com toda a empolgação demonstrada no palco. O que dizer de o vocalista colocar um pênis de pelúcia em Dirk enquanto a banda tocava a poderosa e hardista "Fucking with Fire"? E de Tobias mostrar para todos a camiseta com a imagem do Laçador (estátua clássica de Porto Alegre) para os presentes? Ou tocar na guitarra de (e segurada por) Jens Ludwig a introdução de clássicos como "Smoke on the Water"? E que tal o vocalista mostrar sua enorme gratidão com o público gaúcho e brasileiro, prometendo voltar em dois anos para mais um show do grupo? Isso fora as brincadeiras com o público (que não foram poucas). Não precisava de mais nada. O público estava em suas mãos.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Para climas mais intimistas (e que provocaram muitos gritos da mulherada presente), a banda não decepcionou com a nova "Save Me" (canção a qual Tobias diz que inspirava as pessoas a se depilarem, fazendo um trocadilho com "Shave Me") e a já manjada "Land of the Miracle". Para climas mais cadenciados, "Tears of the Mandrake" deu mais do que conta do recado. E para climas de verdadeira alegria, com a banda tocando a primeira parte de "The Trooper", do Iron Maiden.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Pra fechar, o público ainda esperava a cômica "Trinidad", que não veio mas foi muito bem superada por "King of Fools". Faltou algo? Hum, talvez clássicos do Mandrake como "Fallen Angels", "All the Clowns" e "Save Us Now". No entanto, toda o caráter Funny Metal passado pelo grupo foi mais do que suficiente para agradar os cerca de 1.000 headbangers presentes. Agora é esperar pelo prometido. Em até dois anos, eles estarão de volta.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Tobias Sammet se irrita com problematização política em foto em que aparece com máscaraTobias Sammet se irrita com problematização política em foto em que aparece com máscara

Power metal: 30 músicas para começar a se interessar pelo estiloPower metal: 30 músicas para começar a se interessar pelo estilo

Tobias Sammet declara apoio ao Ministro da Saúde da Alemanha por combate à pandemiaTobias Sammet declara apoio ao Ministro da Saúde da Alemanha por combate à pandemia

Power metal: 10 grandes baladas escritas por bandas do estiloPower metal: 10 grandes baladas escritas por bandas do estilo


Metal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais



Sobre Ronan Dannenberg

Jornalista, gaúcho e gremista. Adora Rock'n'Roll, principalmente a esfera Heavy Metal. Realiza pesquisas dentro do assunto, principalmente dentro da identidade da música na comunicação. Analisa música como música, deixando de lado o gosto na hora da crítica, pois não se avalia algo pelo que se admira, e, sim, pela qualidade. É fã de Iron Maiden, Megadeth, Metallica (antigo), Angra, Helloween e Gamma Ray. Contudo, admira grupos dos mais variados e infinitos subgêneros do nosso amado Heavy Metal.

Mais matérias de Ronan Dannenberg.