RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemJason Newsted diz que estaria morto se tivesse continuado no Metallica

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de "Eu Quero Ver o Oco" do Raimundos?

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemVeja Dave Grohl cantando e agitando em show do Mercyful Fate

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado

imagemJimmy Page diz não haver gênio no rock - mas um gênio fez ele se contradizer


Stamp

Anthrax: Dois reviews sobre o show do Credicard Hall

Resenha - Anthrax (Credicard Hall, São Paulo, 25/02/2005)

Por Thiago Sarkis e Carol Oliveira
Postado em 25 de fevereiro de 2005

Publicamos abaixo dois reviews sobre o mesmo show realizado no dia 25/02 no Credicard Hall.


Por Thiago Pinto Corrêa Sarkis (Review e Fotos)

Desde o lançamento de "We’ve Come For You All" (2003), o Anthrax retomou o posto de banda grande na América do Sul e o vocalista John Bush finalmente recebeu o devido reconhecimento por seu trabalho. Só isso basta para figurarmos o quão ansiosos estavam os fãs brasileiros para ver o grupo ao vivo, tocando composições velhas e novas. Some a isso doze anos de espera, já que a última vez que Scott Ian, Charlie Benante & Cia. excursionaram pelo Brasil foi em 1993, uma ou duas semanas após o lançamento de "Sound Of White Noise" (1993), quando ninguém conhecia realmente o material novo do conjunto, exceção feita a "Only", clássico instantâneo do disco supradito.

Tudo foi diferente desta feita, pois inclusive o último CD, "The Greater Of Two Evils" (2004), já estava à disposição dos fãs há meses, familiarizando-os ainda mais com as interpretações do atual cantor aos antigos sucessos. Porém, o rumores sobre o retorno da formação original do conjunto com eventos já confirmados pelo mundo a fora dava um certo ar de desconfiança a tudo o que ocorria. Não era difícil olhar para o palco e imaginar que aquilo não seria a verdade em alguns dias ou semanas.

Numa conversa breve, Scott Ian nos disse: "nós não oficializamos nada. Não há realmente qualquer coisa confirmada no momento" e acrescentou: "(...) ninguém está deixando a banda. Pode acontecer, estamos vivos, e depois do que aconteceu a Dimebag, ficamos mais reflexivos, pensamos sobre o que passou... e bem, eventualmente pode acontecer realmente." Rob Caggiano é bem mais direto neste quesito, quando um fã se aproxima diz a ele para não deixar que a atual ‘line-up’ se desfaça. O guitarrista simplesmente responde: "diga isso a Charlie".

Precedendo o show, alguns problemas que a grande base de fãs do Anthrax no Brasil teve de enfrentar, a começar pelo Credicard Hall, distante de tudo e todos, de difícil acesso, e além de tudo com os preços dos ingressos indubitavelmente salgados, para ser polido. Também a chuva forte e duas bandas de abertura, as quais, por melhores que sejam, aos poucos cansam o público, já que prolongam o tempo de espera pela atração principal.

Hei de admitir, todavia, que tanto Threat quanto Scars realizaram boas apresentações e foram ótimas escolhas, perfeitamente adequadas à função de abrir as portas aos nova iorquinos. Ambas trouxeram sonoridades pesadas e sólidas, mas realmente não chegaram a levantar os cerca de quatro mil presentes, a não ser pelos covers, como a ótima versão do Scars para "Hell Awaits" do Slayer.

O Anthrax se atrasou e subiu ao palco por volta das vinte três horas e quarenta minutos. Um começo devastador calcado na velha escola com "Efinkufsin (N.F.L.)", "Got The Time" e "Caught In A Mosh", as quais deram um empurrão impressionante no público. Desempenho irretocável da dupla do Armored Saint John Bush e Joey Vera, dando energia extra a essas composições ao vivo.

Para manter o grande estrondo gerado nas três canções iniciais, a banda seguiu com a unânime "Safe Home", cantada em uníssono pelos fãs, e seguiu com "Inside Out", de "Volume 8 – The Threat Is Real" (1999). Mesmo aclamada e reconhecida pelo público, talvez tenha sido esta a canção que caracterizou o momento mais fraco da noite.

Retomar o ritmo foi tarefa fácil para eles com a variação constante de um arranjo gravado com o atual vocalista e outro da fase com Joey Belladonna. A série avassaladora iniciou-se com a vibrante faixa de abertura de "We’ve Como For You All", "What Doesn’t Die", seguida por "Antisocial" e "Nobody Knows Anything". Ao término desta Charlie Benante fez o solo de bateria perfeito: curto e eficiente! John Bush reapareceu, levando consigo os milhares de espectadores ao falar sobre o Brasil e impulsionar o grito de "Sepultura, Sepultura". Um pouco mais de conversa, e o baterista faz o trabalho de introdução para "Indians", usando parte da música "Breed Apart" do álbum "Roots" (1996) do Sepultura. Um dos melhores momentos do show, especialmente porque novamente realizou-se uma seqüência delirante com "Madhouse" e "Only".

Um pequeno intervalo e o Anthrax volta com "Be All, End All", seguido por aquele que foi, decerto, o instante de maior emoção de toda a apresentação, com as palavras de John Bush sobre Dimebag Darrell e o nome do ex-guitarrista de Pantera e DamagePlan ovacionado por todos. O sentimento profundo liberado naqueles minutos jorra na face de Scott Ian assim que ele começa a tocar "A New Level" (cover do Pantera). A expressão facial do líder da banda deixa claro o quão mexido está e o quanto ele se entrega à música e à memória do amigo assassinado em 08 de dezembro de 2004.

Dali pra frente, a chama não se apagaria. Enquanto a audiência ainda clamava "Dimebag", o Anthrax iniciava a composição mais antiga de sua carreira apresentada naquela noite, "Metal Thrashing Mad", tirada do álbum "Fistful Of Metal" (1984), dos tempos em que Neil Turbin detinha o microfone do grupo, o qual estava apenas dando os primeiros passos para uma bem-sucedida história que hoje todos conhecemos. Inacreditável o trabalho de John Bush nesta música, alcançando notas altas com garra inigualável e uma vontade espantosa. Para finalizar, outro marco na marcante trajetória do conjunto, no espetacular rap metal de "Bring The Noise".

[an error occurred while processing this directive]

Apesar de todos os elogios e considerações acima, há sim algo a reclamar... a duração do show. É aquele típico "foi bom enquanto durou", mas poderiam alongar um pouco o set list. Obviamente sempre vai faltar algo aos admiradores, porém, não há dúvidas de que o Anthrax deu uma escorregadela ao trazer apenas uma hora e meia de apresentação (se é que chegamos a isso), após doze anos longe de terras brasileiras, e podendo escolher pelo menos dois ou três entre um vasto leque de clássicos que ficaram de fora como: "Among The Living", "I’m The Law", "A.I.R.", "Keep It In The Family", "Room For One More", "Belly Of The Beast" e mesmo composições recentes de altíssima qualidade como "Any Place But Here". Falharam nesse ponto, mas que valeu a pena, ah... disso não duvide!

[an error occurred while processing this directive]


Por Carolina Oliveira

As expectativas em torno da segunda passagem do Anthrax pelo Brasil eram muitas e talvez a principal dela era se a banda seria capaz de atrair um considerável público mais de 11 anos depois do hit "Only" ter estourado por aqui, e nesse quesito pode-se dizer que a expectativa foi até superada. É claro que o Credicard Hall não estava lotado, afinal a casa tem capacidade para mais de 6 mil pessoas, mas a galera compareceu em peso, mesmo com a forte chuva que quase derrubou a cidade.

A primeira banda a se apresentar foi o Threat, que tocou para um público pequeno (muita gente ainda estava do lado de fora quando o show começou) mas bastante animado. Com covers do Pantera e Metallica, além de músicas próprias, fez um show excelente e pela quantidade de pessoas vestindo a camiseta da banda deu pra notar que o Threat já conquistou bastante fãs em São Paulo e tem tudo pra conquistar muitos outros pelo Brasil. Em seguida veio o Sacrs, que caprichou bastante na produção do palco para mostrar o EP "The Nether Hell", baseado na obra do poeta Dante Alighieri. Destaque para o cover de "Hell Waits" do Slayer.

[an error occurred while processing this directive]

Finalmente chegou a hora que todos esperavam, às 23h40 o Anthrax entra mandando logo de cara uma seqüência matadora: "N.F.L.", "Got the Time" e "Caught in a Mosh". Os clássicos foram muitos "Inside Out", "Antisocial", "Mad House", "Indians", "Be All end All" mas mesmo assim faltaram músicas como "I’m the Law". John Bush & Cia mostraram mais uma vez sua admiração pela banda brasileira Sepultura (Charlie até declarou, durante a coletiva, que gostaria de ter o Sepultura no tributo brasileiro ao Anthrax), executando a introdução de "Breed Apart". Na seqüência o maior sucesso da banda, "Only", levou a galera ao delírio. Outra homenagem, dessa vez a Dimebag Darrel, veio com o cover de "New Level" do Pantera. Em um dos momento mais marcantes do show, John puxou o coro "Dimebag, Dimebag..." e Scott Ian comentou sobre o estúpido assassinato, ocorrido nos EUA. Para o bis "Metal Thrashing Metal" e "Bring the noise". E no melhor da brincadeira, com apenas 1 hora e 30 minutos de show, o Anthrax se despede do público brasileiro com a promessa de voltar em dois anos. Tudo bem, não foi uma apresentação exatamente curta, mas meia horinha a mais não faria mal à ninguém.

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Metal Heavy: 10 clássicos para entender o Thrash Metal

Anthrax: Scott Ian culpa AC/DC e Iron Maiden por poucas groupies


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal