Angra: Para o público de BH, o Heavy Metal não morreu

Resenha - Angra (Lapa Multishow, Belo Horizonte, 18/10/2002)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Oliveira e Rodrigues
Enviar correções  |  Ver Acessos

Fotos do show de São Paulo, por Patrícia De Pierro

Milhões: Os eventos com maior público da história da músicaTwisted Sister: segundo Dee, "ser pobre e famoso é uma merda"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Quem disse que o Heavy Metal morreu? O público que esgotou os ingressos, postos a venda antecipadamente pelo Lapa Multishow, casa de shows que usualmente recebe bandas de pagode e forró, certamente não concorda com a idéia de que o gênero musical que faz jovens se vestirem de preto e se esgoelarem feito platéia de auditório, tenha recebido a derradeira extrema-unção. Dez meses após sua última passagem pela capital mineira, o Angra volta a Belo Horizonte na turnê de divulgação do mini-álbum "Hunters And Prey", lançado no início do ano. O grande porém da noite, foi sem dúvida a falha da produção, que não escalou nenhuma banda de abertura, deixando a platéia de pé e entediada por cerca de três horas e meia após os portões serem abertos.

Por volta de 23h08, ecoavam as primeiras notas da intro "In Excelsis", que, assim como no álbum "Rebirth", precedeu a empolgante "Nova Era". Nessa música mal era possível ouvir a voz de Edu Falaschi, tamanho o entusiasmo dos fãs ao cantar cada verso. Uma entrada apoteótica. Logo vieram "Acid Rain", a clássica "Angels Cry" e a bela "Heroes Of Sand", deixando claro que a formação que debutou no primeiro semestre de 2001 nada fica devendo ao vivo à formação que gravou os primeiros álbuns da banda.


Rafael Bittencourt e Kiko Loureiro - mais frio do que o de costume - foram precisos como sempre, executando com maestria cada nota de cada solo, como se não estivessem tocando para mais do que meia dúzia de gatos pingados. Também merecem destaque a bela interpretação de Rafael, ao violão e voz, em "Reaching Horizons" e os solos de baixo e bateria feitos respectivamente pelo "Prodígio", Felipe Andreoli, e pelo "Polvo", Aquiles Priester. A presença de palco do grupo é marcante, e a voz de Edu parece melhorar a cada apresentação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pôde-se notar que as músicas gravadas originalmente pela antiga formação, estão, cada vez mais, perdendo espaço no set-list da banda. Apenas cinco delas foram executadas, cedendo espaço a temas como "Live And Learn", "Hunters And Prey" (cantada com trecho em português) e a balada "Bleeding Heart", todas pertencentes ao mais recente trabalho.

Para encerrar, a sempre pedida "Carry On", seguida pela surpreendente versão de "Crazy Train", cover do Mr. Madman, Ozzy Osbourne.

O Angra sai de BH consagrado junto ao publico, provando, mais uma vez, que o Heavy Metal está mais vivo do que nunca. Foram duas horas do verdadeiro metal, sem modismos ou coisas do tipo, para deleite dos fãs do estilo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Angra"


Dr. Sin: Felipe Andreoli, do Angra, lamenta o fim da bandaDr. Sin
Felipe Andreoli, do Angra, lamenta o fim da banda

Luis Mariutti: Se eu sou o melhor eu não sei, mas os meus fãs sãoLuis Mariutti
"Se eu sou o melhor eu não sei, mas os meus fãs são"


Milhões: Os eventos com maior público da história da músicaMilhões
Os eventos com maior público da história da música

Twisted Sister: segundo Dee, ser pobre e famoso é uma merdaTwisted Sister
Segundo Dee, "ser pobre e famoso é uma merda"


Sobre Leonardo Oliveira e Rodrigues

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280