Resenha - Dazaranha (John Bull, Florianopolis, 29/08/2001)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Conheci o Dazaranha em uma das minhas viagens para o sul do Brasil, mais precisamente em Florianópolis, capital da bela Santa Catarina, terra do Guga. Sai um dia com uns amigos e por acaso havia uma banda tocando no bar onde estávamos, e essa banda era o Dazaranha.
5000 acessosMetallica: fãs pediam que eles transassem com suas namoradas?5000 acessosO tempo, ah o tempo!: rockstars nos anos oitenta e hoje

Nunca tinha ouvido falar nela e me lembro que, quando começou o show, estranhei pela quantidade absurda de pessoas que estavam no lugar só pra assistir a banda, cantando todas as músicas e agitando muito. Comecei então a prestar atenção e cheguei a uma conclusão óbvia: estava vendo uma grande banda, que infelizmente ainda não era conhecida por mim, mas que no dia seguinte iria procurar o CD para comprar.


Não deu outra, no dia seguinte fui em uma loja, e comprei o CD “Tribo da Lua”. A partir daí não tem muito mais o que contar, fui em diversos shows nos anos que seguiram e comprei o primeiro CD relançado chamado “Seja Bem Vindo”. Conheci os integrantes da banda na festa do Pinhão de 2000 em Lages (SC) e já até fiz uma entrevista com eles para a Whiplash! no começo deste ano.

Em comemoração ao aniversário de 9 anos da banda, o Dazaranha realizou 4 shows (1 por semana, nas 4 quartas-feiras do mês) memoráveis no bar John Bull, todos lotados, na linda Lagoa da Conceição, um dos cartões postais de Florianópolis. Cada show contou com participações especiais diferentes como a de Gerry na percussão (que foi da formação original da banda) e do vocalista da banda Bandit (também de Floripa), que cantou inclusive “Vagabundo Confesso”, hino da banda e com certeza da própria cidade de Florianópolis.


Além disso tudo, em todos os shows várias músicas novas que vão estar no próximo CD (ainda sem data de lançamento) foram apresentadas. Entre elas “Vem Comigo” (que abriu os sets), a excelente “Carretão” e “Não Vou Vender” .

Pra quem não conhece ainda a banda (o que você está esperando??!) , o som do Dazaranha é uma mistura que vai desde ROCK, passando por POP, MPB, REAGGE e até alguns toques de HEAVY METAL, como na maravilhosa “Shau Pais Baptiston”. A maioria das composições é feita pelo guitarrista base da banda, Moriel, tudo também muito bem acompanhado de letras “malucas” mas muito bem sacadas e do violino nervoso de Fernando Sulzbacher, que dá um toque mais do que especial às músicas, fazendo o Dazaranha (sem exagerar) estar entre as 5 melhores bandas do Brasil em atividade.


O show dos caras é uma celebração de todos esses 9 anos que já fizeram com que o nome Dazaranha se tornasse lenda no sul do Brasil e suas músicas verdadeiros clássicos. Duvida? Vá no show, e você vai ter a sensação que só você não sabe cantar as letras e que está presenciando um show de uma grande banda. Pois é, destaques não faltam, pois quem tem em seu set músicas como “Pagode do Revoltado”, “Retroprojetor” ( uma das melhores, com uma letra no mínimo instigante), “Cama Brasileira”, “Novos Ditados”, “Muralhas Brancas”, bom... é melhor eu parar, senão vou escrever o set inteiro do show.

Mas é em músicas com mais “punch” como a “quase heavy metal” “Barco Pesqueiro” (que até o vocalista Gazu brinca fazendo toda hora o sinal de heavy metal com a mão), “Shau Pais Baptiston” (já mencionada) e “Eh, País” que o lugar parecia que ia cair, tamanho a energia passada pela banda. Também há momentos emocionantes, quando são executadas composições como “Tribo da Lua” e “Vagabundo Confesso”, onde cada pessoa dentro da casa parecia estar cantando.


Além disso o Dazaranha contou ainda com um som muito bom em todas as quatro noites, e como já dito anteriormente com uma presença em massa do público. Os músicos, já com muita experiência, sabem como contagiar o público, mostrando uma grande presença de palco durante as mais de 25 músicas que foram tocadas a cada dia de show, divididas em dois sets, que ainda contou com algumas covers, de Raul Seixas a Tim Maia.

Adauto (Baixo), Adriano (Bateria), Chico (Guitarra), Fernando (Violino), Moriel (Guitarra) e Gazu (Vocal) estão de parabéns e merecem toda a sorte no futuro. Que essa tribo da lua ainda seja muito iluminada e que ainda ilumine muitas outras pessoas que não tiveram o prazer de conhecer o trabalho desta grande banda. Parabéns ao Dazaranha e obrigado pelas quatro noites memoráveis. Nos vemos em Floripa.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Dazaranha"


Lars UlrichLars Ulrich
Fãs pediam que eles transassem com suas namoradas?

O tempo, ah o tempo!O tempo, ah o tempo!
Rockstars nos anos oitenta e hoje

Guns N RosesGuns N' Roses
"Quer ver algo cedo? Vá assistir Friends!"

5000 acessosBizarro & Absurdo: 12 Tristes Realidades da Música5000 acessosAndreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarrista5000 acessosBlack Metal: banda brasileira fez clipe mais bizarro do universo5000 acessosEmojis: você consegue adivinhar os nomes das músicas?5000 acessosWacken: Lições para o público e organizadores do Brasil5000 acessosTatuagens: existe algo errado nesta tatuagem do Dio?

Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua…

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online