RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemThiago Bianchi explica sucessão de problemas durante show de Paul Di'Anno

imagemMustaine tentou fazer hit radiofônico e acabou escrevendo a "música mais idiota" do Megadeth

imagemO clássico da banda Evanescence que a vocalista Amy Lee odiava

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemA opinião de Paul McCartney sobre a música dos Sex Pistols

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemIron Maiden, RATM e Soundgarden são indicados ao Rock And Roll Hall Of Fame

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO dia que João Gordo xingou Ayrton Senna por piloto se recusar a dar entrevista a ele

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemMike Portnoy escolhe os álbuns preferidos de sua adolescência


Stamp

Cartoon: Rock progressivo com inclinação à música clássica

Resenha - Cartoon (Lapa Multishow, Belo Horizonte, 07/04/2001)

Por Thiago Sarkis
Postado em 07 de abril de 2001

O rock progressivo com inclinação à música clássica, e mesclado com jazz, hard rock, bossa nova e pop, entre outros estilos, é uma química perfeita para um show divertido, que não te deixa cochilar um segundo sequer. E o Cartoon provou isso em sua última apresentação em Belo Horizonte, deixando claro que, por incrível que pareça, pode ir além de seu impressionante debute, intitulado "Martelo".

A festa no Lapa Multishow, no lançamento da Revista Poster, começou por volta de meia-noite com a aparição dos integrantes do Cartoon fantasiados de duendes, tocando como Os Gluncheys, que fora anunciada como a banda de abertura. Isso mesmo que você está pensando. Eles abriram o próprio show e ainda fizeram todo o cerimonial básico, saindo do palco e voltando uns dez/quinze minutos depois, como se nunca tivessem pisado ali antes. Vindo de Khadhu, Vlad, Bhydhu e Boxexa, normal. Apenas mais uma loucura, que nós não vamos e nem devemos contrariar.

Quando os quatro voltaram à cena, o que se pode ver foram músicos. E aí você fala: "mas isso é óbvio". Não, porque com este grupo a palavra "músicos" ganha outra conotação e vai além do básico de guitarrista, baixista, baterista, tecladista, etc. No palco, um baixista/vocalista tocando cítara e gaita. Um guitarrista detonando no baixo e tocando guitarra com os dedos, como se estivesse frente a um violão clássico e suas cordas de náilon. Um baterista que, além de seus trabalhos com percussão, ainda participava dos vocais, construindo contrapontos com o tecladista, que também toca violão, e todos os outros membros do GRUPO. Que bagunça, não? E isso foi só para descrever o que eles realizam. Imagine como é fazer o que eles fazem.

No repertório, interpretações de obras clássicas, músicas do álbum de estréia, como "Duend’s", "First Lake Conclusion", "Abre Seu Olho, Irmão" e "Estagnação", além de composições de outros conjuntos/artistas. Destacando-se entre estas, "Roundabout", do Yes, e a inacreditável versão de "Bohemian Rhapsody", do Queen. Aliás, foi na execução da segunda que se firmou o momento mais emocionante e de maior contato entre público e banda, de todo o espetáculo. Nessa hora, lágrimas nos olhos e mãos na cabeça eram imagens facilmente detectadas no excelente público que compareceu ao Lapa Multishow.

Não faltaram convidados especiais, como o flautista Renato Savassi, da banda mineira Cálix, que além de tocar com o grupo, ainda foi o "apresentador" do show.

Ver o Cartoon tocando ao vivo é uma experiência inesquecível. Mesmo aqueles que conhecem o trabalho da banda, com o álbum "Martelo", pouco sabem e/ou podem imaginar a capacidade, criatividade e talento destes músicos. A banda é motivo de orgulho nacional. É rock progressivo no seu melhor. Como se, guardadas as devidas proporções (por favor!), estivesse saindo um Gentle Giant, um Happy The Man, ou um Jethro Tull, do Brasil. Ou seja, como se estivesse saindo do nosso país mais um clássico do rock progressivo, de musicalidade e qualidade indubitáveis.

[an error occurred while processing this directive]

Cartoon – http://www.bandacartoon.com.br
e-mail: [email protected]

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.
Mais matérias de Thiago Sarkis.