RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemThiago Bianchi explica sucessão de problemas durante show de Paul Di'Anno

imagemMustaine tentou fazer hit radiofônico e acabou escrevendo a "música mais idiota" do Megadeth

imagemO clássico da banda Evanescence que a vocalista Amy Lee odiava

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemA opinião de Paul McCartney sobre a música dos Sex Pistols

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemIron Maiden, RATM e Soundgarden são indicados ao Rock And Roll Hall Of Fame

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO dia que João Gordo xingou Ayrton Senna por piloto se recusar a dar entrevista a ele

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemMike Portnoy escolhe os álbuns preferidos de sua adolescência


Stamp

Velho Jack: Rock'n'roll de qualidade movido a energia e vibração

Resenha - Bando do Velho Jack (Ferro Velho Bar, Avaré/SP, 14/10/2000)

Por Marcos A. M. Cruz
Postado em 14 de outubro de 2000

Nota: 9

"Rock mesmo é o dos anos 70! Hoje em dia, só ouvimos estas merdas de pagode, axé e sertanejo".

A frase acima, dita pelo baixista Marcos no meio do show do BANDO DO VELHO JACK, resume o que esperar do set dos caras: rock'n'roll de altíssima qualidade, movido a muita energia e vibração, feito por quem realmente gosta da coisa (e entende do riscado!)

O fato é que o som feito por João Bosco (bateria), Marcos (baixo), Gílson (teclados), Fábio Terra (guitarra e vocal) e Rodrigo (guitarra e vocal) nos remete diretamente às grandes bandas dos anos 60 e 70, influências que os caras assumem sem nenhum preconceito, pois conforme consta na biografia da banda: "antes de tudo uma banda de amigos que adoram tocar e ouvir juntos o bom e velho rock'n'roll clássico dos anos 50, 60 e 70. Espelhando-se em bandas como Cream, Free, Allman Brothers, Doobie Brothers, Grand Funk, Lynyrd Skynyrd e tantas outras desta época, não se importam com rótulos tão na moda hoje em dia, tais como 'banda cover' ou 'trabalho próprio'. Querem apenas resgatar bandas esquecidas ou sequer conhecidas do público em geral".

Iniciam o show pouco depois da meia-noite, com duas covers do Free: "All Right Now" e "Wishing Well", onde fica evidente a influência de Paul Rodgers sob os vocais do Rodrigo - embora, por incrível que pareça, esta versão me recordou a registrada pelo Blackfoot no "Strikes", descontados os backing femininos. Em seguida, "Superstition" de Stevie Wonder, aqui inspirada na versão do "Live in Japan" do Beck Bogert & Appice. Depois de uma versão roqueira de "Cavaleiro do Luar" do Almir Sater, temos a primeira música de autoria própria da banda: "De Ninguém", emendada com uma versão de "Ando Meio Desligado", clássico dos Mutantes & Rita Lee - e não é que os caras tiveram a manha de interpolar um trecho de "Third Stone From The Sun" de Jimi Hendrix no meio do solo???

Na seqüência veio "I Feel Free" do Cream; "Cão de Guarda" (faixa de abertura do "Procurado"); "Dreams" do The Allman Brothers Band - aqui registrada em versão mais próxima a do auto-intitulado box set dedicado a Duanne; "Just Got Paid" do Z.Z.Top; "Palavras Erradas", outro trabalho próprio; "Minha Vida É Rock'N'Roll" do Made in Brazil; e novamente mais uma canção dos Allman Bro., "Blue Sky", com um excelente solo de guitarra de Rodrigo, que optou por não imitar o solo de Duane, mas sim criar o seu próprio, embora baseado no tema. Para encerrar o set, "Rock And Roll Hoochie Koo" de Rick Derringer, imortalizada por Johhny Winter, e "I'm Your Captain", talvez uma das mais sensíveis canções registradas pelo Grand Funk Railroad no álbum "Closer To Home".

Pausa para os habituais bate-papos regados a litros de cerveja, ora de pessoas curtindo uma boa conversa, geralmente orbitando em torno da perfomance da banda e Rock em geral, ora de outras tentando uma aproximação maior com os membros do sexo oposto...

Quase duas da madrugada de sábado, e inicia-se o segundo set com uma seqüência matadora do Creedence Clearwater Revival: "Molina", "Born On The Bayou", "Suzie Q" e "Long As I Can See The Light". Depois houve uma seqüência, digamos, "dançante", iniciada e concluída com duas canções do Doobie Brothers: "Long Train Running", "Get Ready" do Smokey Robinson (aqui na levada do Rare Earth ao vivo - aquele que vinha em formato de mochila), "Oye Como Va" do Tito Puente mas imortalizada pelo Santana e por fim, a imortal "Listen To The Music", com direito a um trecho de "(That's The Way) I Like It" do... K.C.& The Sunshine Band! Confesso que jamais teria imaginado uma combinação destas - e não é que funcionou!

Pouco antes do início do segundo set, meu xará, o baixista Marcos, havia prometido que teríamos muitas surpresas nesta noite, e ele realmente não mentira, pois na seqüência, atendendo a inúmeros pedidos (fazer o quê, têm nego que não gosta de ver a mulherada dançando, algumas em pé nas cadeiras, prefere ficar "batendo cabeça", né? :oP), veio a sessão "pauleira"...

... e que pauleira! Primeiro, uma versão acachapante de "War Pigs" do Black Sabbath, devidamente dedicada ao Luísão, responsável pela vinda da banda, fanático por Mr.Iommi & Cia, que literalmente deu um grito e pulou na frente do palco, parecendo que estava "incorporado" pelos Deuses do Metal, agitando todas e duelando numa guitarra imaginária com o Fábio, que resolvera descer do palco e tocar junto ao pessoal que estava próximo... depois "Hush" do Deep Purple, e em seguida, três clássicos Zepelinianos: primeiro "Rock And Roll", tocada de forma extremamente energética, servindo como introdução a um dos pontos altos da noite: um solo de bateria do João Bosco SIMPLESMENTE SOBERBO!!!!!! (se pouco antes os Deuses do Metal haviam incorporado no Luisão, provavelmente trouxeram de carona o espírito de Mr.Bonham, que devia estar ao lado da bateria, pensando consigo mesmo: "esse é dos nossos".

[an error occurred while processing this directive]

Talvez para dar uma "acalmada" nos ânimos (senão a casa iria literalmente pegar fogo), dão seqüência com "All My Love" do Led e "Presence Of The Lord" do Blind Faith; mas voltam a mexer com o pessoal tocando "Roadhouse Blues" do The Doors, interpolada com riffs de "Black Night" do Deep Purple, e por fim, encerram o set com "Born To Be Wild", clássico dos clássicos.

Eu disse encerram o set? Sim, mas após cerca de 15 minutos resolvem voltar para duas encores: "Casa de Rock" do Casa das Máquinas, em homenagem ao Rubinho, proprietário do bar, que não se conteve e abriu um sorriso de orelha a orelha - nada mais justo, pois se existe algum local por aqui que possa ter esta denominação é justamente o Ferro Velho Bar.

[an error occurred while processing this directive]

E para finalizar a noite, já beirando as quatro da matina, uma música cujo título exprime exatamente a sensação de todos nós naquele momento: "Sactisfaction" dos Rolling Stones. Mas, ao contrário do que canta Mr.Jagger, "Yes, we can get sactisfaction!" - pelo menos enquanto o Bando do Velho Jack estiver por aí...

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Marcos A. M. Cruz

Fanático por rock setentista.
Mais matérias de Marcos A. M. Cruz.