Matérias Mais Lidas

imagemO rockstar por quem Max Cavalera era fanático, mas não conheceu por causa da bebida

imagemEdu Falaschi diz que não tem vergonha de suas falas que viraram meme no DVD do "Rebirth"

imagemMaiden faz homenagem a Eddie, do Stranger Things, que foi inspirado em tragédia real

imagem10 músicas dos Beatles das quais Paul McCartney não gostava

imagemA banda brasileira que está "pronta para o mercado internacional", segundo Regis Tadeu

imagemRichard Fortus diz que Axl Rose danificou as cordas vocais

imagemA prática mesquinha de bandas que Edu Falaschi considera "desrespeitoso com o fã"

imagemFlea agradece brasileiro que teve receio de pedir foto ao encontrá-lo

imagemQuando Dave Mustaine mostrou como tocar uma música do Metallica de forma mais pesada

imagemOs dez álbuns de Heavy Metal favoritos de Rob Halford, e os dez de qualquer gênero

imagemEm post no TikTok, Metallica pede para fãs antigos pararem de perseguir os fãs novatos

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemO clássico dos Stones que foi escrito em um motel e não deixou Keith Richards satisfeito

imagemLed Zeppelin: Crítica de George Harrison fez Jimmy Page compor "The Rain Song"

imagemProdutora explica como "Master of Puppets" foi parar em "Stranger Things"


Finlandia 2022
Stamp

Resenha - Neil Young (PNC Art Center, Holmdel - NJ, 26/08/2000)

Por Márcio Ribeiro
Em 26/08/00

Data do Show: 19 de Agosto de 2000.

Não levou mais do que trinta minutos para o palco ficar pronto e a banda entrar. Se o povo aplaudiu a entrada dos Pretenders, agora todos simplesmente enlouquecem. Todos de pé para receber este coroão, que voltou a ser apreciado pelo grande público jovem desde o seu disco Harvest Moon. A minha primeira impressão ao vê-lo foi como ver fotos de capas de alguns dos seus álbuns. Ele vestia o que parecia ser o mesmo chapéu da capa do álbum "Comes A Time", e portava a mesma Les Paul preta que você vê na contracapa do seu álbum "Live Rust". Até a alça da guitarra era ainda a mesma, só que sem o button do Jimi Hendrix.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Ele sorri, agradece a recepção e entra imediatamente em "Motorcycle Moma", um rocker sujo do seu álbum "Comes A Time". Sua presença em palco é fortíssima e a banda alimentava bem sua pegada instigante. Destaque para a presença de dois excelentes músicos veteranos, Donald 'Duck' Dunn no baixo e 'Lightning' Jim Keltner na bateria. Ao lado de Young por muitos anos estiveram Ben Keith, no pedal steel guitar, além de sua esposa Peggy Young e sua irmã Astrid Young nos backing vocals.

Depois de três canções, ele diminui a pegada e segue no violão acústico com uma série que vai desde "I Believe In You" até "Razor Love", passando por "Peace of Mind" e a mais recente "Buffalo Springfield Again". Passa então a tocar com sua Gretsch 6160, entoando, entre outros números, "Home Grown", "Walk On" e "Winterlong", para o delírio de muitos. Troca para outra guitarra, desta vez sua Gretsch White Falcon, arrebentando em canções fortes como "Words", e como na suave e muito aguardada "Harvest Moon". Depois de mais alguns números, termina o show passando para o piano, tocando seu clássico e sombrio "Tonight’s The Night".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Demora um pouco até voltar para o bis mas, quando retorna, está novamente com sua velha Les Paul negra, agradecendo e logo atacando sua embromada intro que invariavelmente desaba em "Cowgirl In The Sand." Se você conhece a versão original, diria apenas que a desta noite foi uma versão mais comprida. Se não conhece, essa música tem uma sucessão de solos, quase uma jam session no meio da canção, que se estende até Neil cansar e trazer a música de volta pro refrão. Depois fecha com mais um solo que se estende um pouco, para então a música acabar. Que p*ta fim de festa, que delírio, que barato!

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

No caminho de casa, só me resta ponderar seriamente na possibilidade de atualizar minha já vasta coleção de discos de Neil Young.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagemNeil Young, em sua autobiografia, relembra como ele começou a ouvir Bob Dylan

Neil Young revela como filho tetraplégico influenciou o álbum "Trans", de 1982

Provocações: As canções cheias de indiretas entre artistas do rock

Spotify: Neil Young pede que funcionários se demitam; "CEO é o problema, não Joe Rogan"

Neil Young relata o episódio do aneurisma que quase tirou sua vida em 2005

CEO do Spotify diz: "para atingir ambições teremos conteúdo do qual não nos orgulhamos"

Neil Young: Suas 100 melhores músicas, segundo a Rolling Stone

Neil Young: cantor revela motivo de sua saída do Buffalo Springfield e CSNY

Neil Young: suas melhores músicas, segundo a Rolling Stone




Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro.