Resenha - Neil Young (PNC Art Center, Holmdel - NJ, 26/08/2000)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Data do Show: 19 de Agosto de 2000.

818 acessosNeil Young & Kurt Cobain: Juntos no Brasil em 1992?5000 acessosFrances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fã

Não levou mais do que trinta minutos para o palco ficar pronto e a banda entrar. Se o povo aplaudiu a entrada dos Pretenders, agora todos simplesmente enlouquecem. Todos de pé para receber este coroão, que voltou a ser apreciado pelo grande público jovem desde o seu disco Harvest Moon. A minha primeira impressão ao vê-lo foi como ver fotos de capas de alguns dos seus álbuns. Ele vestia o que parecia ser o mesmo chapéu da capa do álbum "Comes A Time", e portava a mesma Les Paul preta que você vê na contracapa do seu álbum "Live Rust". Até a alça da guitarra era ainda a mesma, só que sem o button do Jimi Hendrix.

Ele sorri, agradece a recepção e entra imediatamente em "Motorcycle Moma", um rocker sujo do seu álbum "Comes A Time". Sua presença em palco é fortíssima e a banda alimentava bem sua pegada instigante. Destaque para a presença de dois excelentes músicos veteranos, Donald 'Duck' Dunn no baixo e 'Lightning' Jim Keltner na bateria. Ao lado de Young por muitos anos estiveram Ben Keith, no pedal steel guitar, além de sua esposa Peggy Young e sua irmã Astrid Young nos backing vocals.

Depois de três canções, ele diminui a pegada e segue no violão acústico com uma série que vai desde "I Believe In You" até "Razor Love", passando por "Peace of Mind" e a mais recente "Buffalo Springfield Again". Passa então a tocar com sua Gretsch 6160, entoando, entre outros números, "Home Grown", "Walk On" e "Winterlong", para o delírio de muitos. Troca para outra guitarra, desta vez sua Gretsch White Falcon, arrebentando em canções fortes como "Words", e como na suave e muito aguardada "Harvest Moon". Depois de mais alguns números, termina o show passando para o piano, tocando seu clássico e sombrio "Tonight’s The Night".

Demora um pouco até voltar para o bis mas, quando retorna, está novamente com sua velha Les Paul negra, agradecendo e logo atacando sua embromada intro que invariavelmente desaba em "Cowgirl In The Sand." Se você conhece a versão original, diria apenas que a desta noite foi uma versão mais comprida. Se não conhece, essa música tem uma sucessão de solos, quase uma jam session no meio da canção, que se estende até Neil cansar e trazer a música de volta pro refrão. Depois fecha com mais um solo que se estende um pouco, para então a música acabar. Que p*ta fim de festa, que delírio, que barato!

No caminho de casa, só me resta ponderar seriamente na possibilidade de atualizar minha já vasta coleção de discos de Neil Young.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

818 acessosNeil Young & Kurt Cobain: Juntos no Brasil em 1992?428 acessosNeil Young: Progressivo ou não, ele sempre fez o que quis0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Neil Young"

Donald TrumpDonald Trump
A história do presidente dos EUA com o rock

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
Versões inusitadas da clássica "Sweet Home Alabama"

Kurt CobainKurt Cobain
Carta de suicídio afetou Neil Young

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Neil Young"

Frances BeanFrances Bean
Filha de Kurt Cobain assustada com tatuagem de fã

MegadethMegadeth
Fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeo

Pagando micoPagando mico
10 maneiras de ser humilhado em um show

5000 acessosMais Alto!: A diferença entre headbangers e humanos comuns5000 acessosFoo Fighters: Pelo Twitter, banda responde ao vídeo viral5000 acessosCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história5000 acessosIra! - Para entender os mods5000 acessosFloor Jansen: deveria acabar este lance de "Metal com vocais femininos"5000 acessosGuitar World: revista elege os 50 guitarristas mais rápidos

Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online