Matérias Mais Lidas

imagemO álbum que chocou colégio de freiras de Rafael Bittencourt e foi "libertador"

imagemHá 20 anos, Frejat explicava como Raimundos não se dobrava perante gravadora

imagemRegis Tadeu coloca o dedo na ferida e aponta o grande erro do rock nacional dos anos oitenta

imagemAxl Rose faz piada de gosto duvidoso sobre incidente com microfone

imagemA música do Queen que Brian May pensou que era uma brincadeira

imagemDez bandas de rock e metal que gravaram versões para músicas de outros estilos

imagemEmpresária do Judas Priest conta como foi o encontro de K.K. Downing com ex-companheiros

imagemRaimundos: A surpreendente maneira como Digão conheceu Rodolfo, segundo o próprio

imagemB. B. King sobre John Lennon ter dito que queria tocar como ele

imagemA visionária melhor música do Genesis na opinião de Steve Hackett

imagemSlash falhou em seguir o conselho de Keith Richards, que mesmo assim foi lá e o apoiou

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagem"Nenhuma banda está a fim de ajudar a outra, isto é utopia", diz Regis Tadeu

imagemEric Clapton relembra como era ser chamado de Deus nos anos 60

imagem"Raimundos nunca quis ser manual de conduta para ninguém", diz Digão


Lift Detox
Stamp

Rock: Seu auge e decadência

Por Andre Chasseraux
Postado em 13 de janeiro de 2020

O rock foi o estilo musical mais poderoso e sedutor que surgiu no planeta. Todos sabem o seu impacto e a sua importância na cultura mundial, por isso não entrarei em detalhes aqui. Com o seu surgimento, os jovens imediatamente se sentiram representados e abraçados por esse estilo, pois não se tratava apenas de música, mas também de um novo estilo de vida, rebeldia, liberdade, individualidade, revolução cultural, ou seja, empoderamento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sua decadência começa a partir do final dos anos 90. A juventude começou a ser empoderada pela Internet, a nova liberdade dos telefones celulares, os grandes avanços nos videogames e, finalmente, os smartphones em 2008. Os jovens não precisavam mais de rock para empoderamento ou rebelião. O rock parou de representar os jovens e sua rebeldia da maneira como havia feito no passado.
No auge, os músicos de rock faziam mais do que música, eles faziam "declarações", faziam manifestos, promoviam a mudança de comportamento e paradigmas do jeito que as grandes massas precisavam fazer. Agora é apenas um gênero musical como qualquer outro, nenhuma "declaração" feita e nenhuma "declaração" necessária.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nos tempos atuais os jovens podem acessar o YouTube e as redes sociais para expressar suas opiniões, sua rebeldia e sua individualidade, mesmo não tendo o mesmo impacto se fosse feito por grandes músicos de rock.

Sem querer generalizar, o garoto "cool" da geração milenar (anos 2000 em diante) não se importa com o rock. Ele se importa com quantas curtidas sua conta no Facebook e no Instagram teve depois de enviar uma foto, com seu novo Iphone, em quantos "frags" ele conseguiu ontem à noite jogando Call of Duty.

A mudança na cultura jovem é a outra metade dessa equação. O rock foi uma saída para a rebelião e a individualidade por décadas. Quando os meados dos anos 90 chegaram, os adolescentes começaram a ver o rock como a música de seus pais: algo velho e desinteressante.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Claro que ainda existem muitos jovens/adolescentes que consomem rock. Não estou dizendo que a geração milenar é idiota e totalmente desprovida de gosto musical. A questão é que o rock não dita mais as regras na música e não seduz mais tanto os jovens como seduzia décadas atrás.

Ao perceber todas essas questões, as grandes corporações e os executivos das grandes gravadoras chutaram o rock para os porões, não quiseram mais arriscar e pararam de apostar em bandas de rock. É mais barato e mais seguro apostar (e lucrar) investindo em uma única pessoa no palco cantando músicas sintetizadas, eletrônicas e "plásticas". Não é mais vantajoso e lucrativo apostar no talento, na criatividade, nos verdadeiros artistas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Muitos pensam que a decadência do rock foi culpa das próprias bandas, ou dos próprios rockeiros consumidores, ou do hip hop, etc. Eu também cheguei a pensar nisso no passado. Mas na verdade a junção de vários fatores foram determinantes para a queda do estilo. E alguns desses fatores são perturbadores.

O rock ainda vive e sempre viverá. O rock está como um vulcão adormecido pronto para um dia explodir novamente. Acredito que é uma questão de tempo. Quanto tempo? Eis a questão!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Samael Hypocrisy
Lift Detox


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Doors - Perguntas e Respostas

Iron Maiden: quanto tem de patrimônio cada um dos integrantes da banda?


Sobre Andre Chasseraux

41 anos, baixista da banda Adrenalize. www.reverbnation.com/adrenalize

Mais matérias de Andre Chasseraux.