Matérias Mais Lidas

AC/DC: as ordens de Malcolm para quem ia subir ao palcoAC/DC
As ordens de Malcolm para quem ia subir ao palco

Iron Maiden: As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a LoudwireIron Maiden
As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a Loudwire

AC/DC: a reação de Angus Young quando ouviu Jimi Hendrix pela primeira vezAC/DC
A reação de Angus Young quando ouviu Jimi Hendrix pela primeira vez

David Ellefson: a diferença de trabalhar com Max Cavalera e Dave Mustaine, segundo eleDavid Ellefson
A diferença de trabalhar com Max Cavalera e Dave Mustaine, segundo ele

Metallica: a fortuna que Robert Trujillo recebeu só para se juntar à bandaMetallica
A fortuna que Robert Trujillo recebeu só para se juntar à banda

Metaleiro também ama: músicas escritas por bandas de metal que falam de amorMetaleiro também ama
Músicas escritas por bandas de metal que falam de amor

Guns N' Roses: quando a banda ajudou Ian Astbury, do The Cult, a fugir da políciaGuns N' Roses
Quando a banda ajudou Ian Astbury, do The Cult, a fugir da polícia

Gene Simmons: como Paul Stanley teve a ideia do nome KissGene Simmons
Como Paul Stanley teve a ideia do nome Kiss

Nightwish: As 10 músicas que mudaram a vida de Floor JansenNightwish
As 10 músicas que mudaram a vida de Floor Jansen

Motorhead: 10 das frases mais marcantes de Lemmy KilmisterMotorhead
10 das frases mais marcantes de Lemmy Kilmister

Pitty: cantora publica foto nua na internet e bate recorde de curtidasPitty
Cantora publica foto nua na internet e bate recorde de curtidas

Dia dos Namorados: 15 músicas para você ouvir junto com mozão nesta data especialDia dos Namorados
15 músicas para você ouvir junto com "mozão" nesta data especial

Brian May: por que ele prefere tocar com moeda ao invés de palhetaBrian May
Por que ele prefere tocar com moeda ao invés de palheta

Andre Matos: músicas gravadas em 2019 chegaram a reuni-lo com Rafael BittencourtAndre Matos
Músicas gravadas em 2019 chegaram a reuni-lo com Rafael Bittencourt

Sepultura: Wacken Open Air compartilha quatro clássicos da banda do show de 2018Sepultura
Wacken Open Air compartilha quatro clássicos da banda do show de 2018


Stamp
Pentral

O que fizeram com o rock nacional?

Por Daniel Junior
Fonte: Diário do Pierrot
Em 27/12/15

Há quem diga que o rock brasileiro morreu. Eu não conheço a música brasileira suficientemente para decretar a morte de um estilo. Só conheço o que toca nas rádios, que ouço esporadicamente. É um alarmismo desrespeitoso falar do óbito. Sempre quando alguém levanta esta faixa, aparece alguém, com alguma razão dizendo: "Morreu pra você. Tu tens que conhecer a banda A, B, C, D...". Sim, cada um tem percepção de uma mesma realidade.

Lá pelos idos da década de 80 eu fui me interessar pelo que era cantado em português. Foi uma época mágica para quem gostava de boas composições, independente do gosto musical. Qualquer um tem o direito de não curtir um som ou um artista, mas respeito não pode ser descartado. Apareceu muita gente boa em vários lugares do país. Uma música feita com vários sotaques e identidades.

As relações que um fã de rock nacional tinha com a música eram diferentes. Eu, por exemplo, ficava ansioso quando o single do artista que eu gostava ia tocar a primeira vez no rádio e ficava mais doido ainda, quando o som tocava de novo. Aquilo dava uma enorme sensação de felicidade. Hoje tem outras formas de lançamento e o impacto pequeno.

E olha que não tínhamos ao nosso dispor recursos tecnológicos como os de hoje. Era fitinha "engatilhada" esperando a música tocar com vinheta da rádio, o que era detestável para alguns de nós. Hoje o lyrics vídeo substitui o lançamento no rádio, meio de comunicação desgastado pela ausência de re-invenção e adequação aos novos tempos.

Independente deste momento cheio de mudanças em relação a 30 anos atrás e contrapondo-se a maneira como a música é percebida, um fato incomoda: a ausência de novos compositores que causem um impacto tão relevante como ocorrera no passado. E mais: a sonolência dos que já foram excelentes e que hoje entregaram-se à indústria, rendendo-se ao esquema "disco-turnê-dvd" como apenas um mantenedor da carreira.

Não existem mais canções inesquecíveis, à prova do tempo. A velocidade absorvida pela forma como enxergamos o mundo, tomou conta desta tal percepção que falamos. Quem consegue construir uma carreira sólida, identificado com público e crítica, merece aplausos porque conseguiu dançar conforme a música e também ter uma certa honestidade no cenário. Confesso: uma certa ingenuidade e utopia é necessária para acreditar que é possível dar uma boa resposta ao público, sem abrir mão de uma arte mais depurada, sem as receitas impostas pela indústria.

Os realitys, na realidade, não produzem artistas. Produzem artefatos industriais que podem ser consumidos (ou não) naquela estação. Em qualquer lugar do mundo, dado o volume de edições, (os realitys) revelaram pouquíssimos expoentes musicais. Um Adam Lambert ou mesmo uma Kelly Clarkson estão entre as exceções, goste você ou não. Exemplos não faltam. Ou seja: mecanismos (fakes talvez) existem para colocar na prateleira artistas com assinatura própria, mas na primeira audição o que temos é a reprodução da receita do que culturalmente corresponde aquele momento ou cena.

Uma outra leitura que podemos fazer sobre o atual momento do rock (seja brasileiro ou em um contexto mais abrangente) é que, diferente de anos atrás, o espaço está melhor dividido. Entenda-se como espaço a democratização de exposição de artistas em todos os meios. Ocupam os programas tanto "a maior banda dos últimos tempos da última semana", como o dinossauro do rock underground; a revelação do youtube, como um artista que está aí nesta brincadeira há mais de 30 anos. As polarizações existem, mas alguns muros (não todos) caíram.

Nesta babel ninguém parece colocar um nariz de vantagem sobre os outros. Se é subjetivo classificar o nível de cada um (daria uma briga danada e não é tão relevante), não dá para deixar de admitir que novos (ou velhos) artistas não são mais capazes de nos comover como antes. Suas composições recentes não são as mais pedidas, querem sempre as mesmas e entregam ao público um show (em termos de repertório) bem parecido com o que faziam quando ainda eram jovens e cheios de esperança. Uma vez com um lugar digno no panteão, a dura tarefa de apresentar uma canção e um disco de qualidade se tornou um desafio que nem todos estão dispostos. Por que sair do lugar confortável para ir ao encontro da ousadia? Tenho certeza que você está pensando em um monte de bandas. Para não criar conflitos no campo de comentários, não citarei nenhum artista ou banda.

Não seria necessário esclarecer, mas isso é apenas uma impressão pessoal.

O que me inspirou escrever sobre o tema é a briga entre Tico Santa Cruz e Lobão (leia sobre a tetra aqui), músicos que tem um bom séquito de fãs e que, poderiam, ao invés de ficar apontando o dedo um para o outro, nos comover e nos surpreender com suas canções. A melhor forma de expressão de ambos sempre foi a música. Essa guerrinha só consolida um meio cada dia mais dividido e que está cada dia mais estremecido, pela ausência de qualidade do que nos é apresentado, como pela tolice de acreditar que estar com a razão é a melhor forma de sobrevida. Amigos, todos perdemos.

E você, escuta quantos anos de carreira tem a banda que você mais ouve atualmente? Se não morreu, porque o rock não revela tantos talentos como aconteceu especialmente na década de 70? E o rock brasileiro, quem é que vale uma escutada atualmente?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
Pentral
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Iron Maiden: Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo HorizonteIron Maiden
Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo Horizonte

Dead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo FacebookDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook


Sobre Daniel Junior

Daniel Junior era blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colaborava com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Daniel faleceu em 2017 e definitivamente fará falta.

Mais matérias de Daniel Junior.