RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Rush: membros comentam três décadas de "Permanent Waves"

Por Cleyton Lutz
Fonte: Rush is a Band
Postado em 04 de fevereiro de 2010

Lançado no início de 1980, "Permanent Waves" acaba de completar 30 anos. O álbum é um marco na carreira do power-trio canadense. Após lançar discos como "Caress of Steel" (1975), "2112" (1976), "A Farewell to Kings" (1977) e "Hemispheres" (1978), notadamente de orientação experimental/progressiva, o RUSH apresentou uma abordagem totalmente diferente em "Permanent Waves".

Com músicas mais curtas e simples – abandonando, de certa forma, a complexidade dos trabalhos já citados – a banda apareceu pela primeira vez com um álbum entre os cinco mais vendidos nos Estados Unidos. Também pela primeira vez desde que iniciou a carreira, o RUSH demorou dois anos para lançar um disco de estúdio.

Rush - Mais Novidades

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

"‘Permanent Waves’ foi um avanço. Ele mudou nossa forma de gravar, nos ensinou a ir com mais calma, o que pode ser percebido em ‘Spirit of Radio’ e ‘Frewill’. Aprendemos a ser mais concisos também. Muitas coisas foram aprendidas com esse álbum", afirma o baterista Neil Peart à Classic Rock Magazine.

Os outros músicos também se surpreenderam com o resultado do trabalho, ficando em dúvida quanto à escolha das músicas para as apresentações da turnê do álbum. "Fiquei realmente surpreso com ‘Permanent Waves’. Músicas como ‘Jacob’s Ladder’ e ‘Entre Nous’ são ótimas", afirma o baixista/vocalista Geddy Lee. "Foi muito bom tocar essas músicas nas apresentações, ter contato com elas, experimentá-las", concorda o guitarrista Alex Lifeson. "Eu sei que Geddy ficou impressionado com ‘Permanent Waves’. Na verdade, nós dois ficamos", completa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Apesar de a música do RUSH ficar menos complexa com "Permanent Waves", para algumas pessoas certas canções são impossíveis de se tocar. "Havia uma banda britânica chamada Catherine Whell que fez uma boa versão para ‘Spirit of Radio’, mixando alguns trechos. Mas em uma entrevista vi um membro da banda dizer que ele deixou de fora as partes que não conseguiu tocar", comenta Peart.

No geral, "Permanent Waves" mudou a forma com o RUSH era visto por fãs e críticos, abrindo espaço para trabalhos posteriores como "Moving Pictures" (1981), "Signals" (1982) e "Grace Under Pressure" (1984), entre outros. "Tornamos-nos a atração principal em teatros de pequenos porte, para 3 ou 4 mil pessoas. Estávamos começando a ficar grandes, fazíamos três, quatro, cinco noites em alguns lugares, o que não era prático, pois havia muitas pessoas que não estavam conseguido nos ver", afirma Peart, sorrindo, em um programa de rádio disponível na página InTheStudio.Net.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

"As pessoas queriam ver o Rush e não conseguiam, algo que não podia mais acontecer. Não poderíamos dizer que tocar em grandes locais foi algo planejado. Muitas pessoas queriam nos ver e isso era algo que fugia do nosso controle . Assim, fomos empurrados para as arenas, basicamente, pelas leis da oferta e demanda", encerra o baterista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | Alex Juarez Muller | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Geraldo Fonseca | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Cleyton Lutz

Estudante de Jornalismo, mora em Guarapuava, PR. Adora escrever sobre futebol e rock 'n' roll. Sobre música, adora o Hardão Setentista (Grand Funk, Uriah Heep, Deep Purple, Led Zeppelin) e o progressivo (Yes, Jethro Tull, Focus). Para música acha que nasceu pelo menos uns 30 anos atrasado. Das bandas atuais gosta de White Stripes, Wolfmother e Hellacopters. Mas sua paixão é o som trascendental do Pink Floyd. Os seus grandes sonhos são ver ao vivo uma reunião dos quatro novamente, como ocorreu no Live 8, além de comprar uma moto com a primeiro dinheiro que ganhar com o jornalismo.
Mais matérias de Cleyton Lutz.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS