New Romantic: os filhos fashion de David Bowie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Ver Acessos

No economicamente recessivo final dos anos 1970, um porão londrino virou Meca para fashionistas e candidatos a descolados: o Blitz Club. Toda terça, Steven Strange ficava na portaria escolhendo pela roupa e visual, quem podia entrar. Barrar Mick Jagger foi boa estratégia; o clubinho começou a ganhar fama.

Bruce Dickinson: vocalista elege seus 5 álbuns preferidosDavid Bowie: conheça 60 fatos da vida do camaleão

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esse ambiente que misturava moda, música, ambiguidade sexual e cabelos armados é o ninho do New Romantic, que influenciou demais o meio cultural pop na primeira metade dos anos 80. O documentário The Blitz Kids - disponível sem legendas no You Tube - delineia a trajetória dessa meninada glam; antirrockers que acabaram na armadilha do excesso de muitos roqueiros e hoje são associados ao economicismo direitista da Dama de Ferro (embora diversos new romantics tenham sido anti-Thatcher).

Os meninos e meninas do Blitz Club tomaram a noção punk de que qualquer um podia fazer música e virar artista e combinaram-na com moda, vontade de sair da classe operária/do salário-desemprego e, claro, com disco music e David Bowie. O Camaleão foi o deus-todo-poderoso dos New Romantics, mas o documentário o hiperboliza como única influência. Duvido que Roxy Music, Giorgio Moroder, Kraftwerk, T. Rex e o glam rock (talvez o Queen) não façam parte do rol de inspirações. Mas, Spandau Ballet & Cia. não se interessavam em parecer roqueiros de camisa aberta, cabelão desgrenhado e jeito de quem fede cecê. Eles se maquiavam pesado, investiam em roupas e penteados mirabolantes.

Em questão de meses, essa estética ganhou paradas de sucesso, páginas de revistas e MTVídeos. Mesmo quem não era New Romantic investia grande no visual, como os esquerdistas do The Style Council. Todo mundo era fashion ou meio andrógino na primeira metade dos anos 80, que amou opulência.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O documentário entrevista ícones oitentistas como Boy George, que, com sua androgenia-família tomou o planeta de assalto por uma trinca de anos até se envolver em escândalos policiais por conta das drogas. A traveca Marylin - lôka, lôka - e o uma-vez influente Steven Strange (ele teve um par de sucessos com o Visage) também estão lá, além de membros do Spandau Ballet e mais. Os depoimentos são repletos de farpas, ironia e complexo de superioridade - mas também de certo patetismo quando alguns pensam que podem voltar a ser relevantes.

Os 80's foram de dominação do pop inglês, inclusive no hermeticamente xenófobo mercado norte-americano. Quem curte synth pop, Duran Duran, Culture Club, enfim, qualquer subgênero pop daquele período, deve ver o documentário. Também serve para entender a importância do contra-ataque dos Smiths, a partir de 82.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "David Bowie"


Ultimate Classic Rock: nomes originais de álbuns clássicosUltimate Classic Rock
Nomes originais de álbuns clássicos

Guns N' Roses: quando David Bowie quis subir ao palco mas estava muito bêbadoGuns N' Roses
Quando David Bowie quis subir ao palco mas estava muito bêbado


Bruce Dickinson: vocalista elege seus 5 álbuns preferidosBruce Dickinson
Vocalista elege seus 5 álbuns preferidos

David Bowie: conheça 60 fatos da vida do camaleãoDavid Bowie
Conheça 60 fatos da vida do camaleão


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280