Blackberry Smoke: mantendo vivo o legado do southern rock

Resenha - Find a Light - Blackberry Smoke

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Principal nome do southern rock atual, o quinteto norte-americano Blackberry Smoke lançou em abril de 2018 o seu sexto disco, "Find a Light". O trabalho é o sucessor de "Like an Arrow", que saiu em outubro de 2016.

Resenha - Blackberry Smoke (Brooklyn Bowl, New York, 6 e 7/09/2019)Megadeth: "Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

A banda continua centrada na figura de seu vocalista, guitarrista e principal compositor, o competentíssimo Charlie Starr. Ele é o showman do quinteto, que conta ainda com a guitarra de Paul Jackson, o teclado de Brandon Still, o baixo de Richard Turner e a bateria Brit Turner.

O legado do southern rock está profundamente impregnado no DNA do Blackberry Smoke, e isso significa que você ouvirá um representante direto da linhagem da Allman Brothers Band e, principalmente, do Lynyrd Skynyrd. O que passa longe de uma cópia, como quem já escutou o Blackberry Smoke uma única vez na vida sabe bem. Pitadas de Tom Petty, Bob Seger e até mesmo de Crosby, Stills, Nash & Young ficam evidentes no caldeirão de influências do grupo, que vai do groove ao mais puro southern rock sem cerimônia.

Beirando as duas década de estrada - a banda nasceu em 2000 -, o Blackberry Smoke mantém-se fiel à sua sonoridade e evolução. O forte do grupo, na verdade, está nas canções de Charlie Starr, um cara tradicionalista e que tem um talento incrível como compositor, enchendo suas canções com boas melodias, pontes e refrãos pegajosos.

"Find a Light" entrega, no fim das contas, uma bela viagem pelo puro rock norte-americano com direito a um boogie pra bater o pezinho logo na abertura ("Flesh and Bone"), uma homenagem ao Lynyrd Skynyrd ("I'll Keep Ramblin'" e suas guitarras faiscantes) e algumas lindas baladas country de lambuja ("Seems So Far" é uma pequena joia).

Mais uma vez o quinteto de Atlanta entregou um grande disco. A solidez da carreira desses caras é algo raro no rock atual, assim como a pegada old school que Starr e sua turma seguem mantendo em seu som.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Blackberry Smoke"


Resenha - Blackberry Smoke (Brooklyn Bowl, New York, 6 e 7/09/2019)Blackberry Smoke: banda confirma álbum e DVD ao vivo e divulga trailer

Megadeth: Magia negra arruinou minha vida, diz MustaineMegadeth
"Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

Psicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia EllerPsicografia
Uma suposta carta do espírito de Cássia Eller

Mike Portnoy: a reação ao ouvir garoto de 8 anos tocando cover do Dream TheaterMike Portnoy
A reação ao ouvir garoto de 8 anos tocando cover do Dream Theater

A História Impopular dos Rolling Stones - Livro 1 - Brian JonesA História Impopular dos Rolling Stones - Livro 1 - Brian Jones

Pink Floyd: The Wall é uma obra de arte conceitualPink Floyd
The Wall é uma obra de arte conceitual

Metallica: veja vídeo de ensaio com Lady Gaga para o GrammyMetallica
Veja vídeo de ensaio com Lady Gaga para o Grammy

Dia Mundial do Rock: cinco histórias que unem F1 e Rock' n' RollDia Mundial do Rock
Cinco histórias que unem F1 e Rock' n' Roll


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336