Rock and Roll: brigas internas que serviram como inspiração para clássicos (Parte I)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

"Inspiração" é um dos temas mais evasivos quando do questionamento de artistas: da banalidade diuturna à Guerra da Criméia, criadores (de um modo geral), gostam de manter as coisas no campo "místico", "etéreo", "surrealista"- enquanto nós, os fãs, queremos cada vez mais chafurdar em suas mentes e tentar entender de onde isso tudo vem.

Leia também:1568 acessosRock and Roll: brigas internas que serviram como inspiração (II)

Um dos itens mais controversos do ponto de vista da inspiração, são as rusgas intermináveis entre artistas: gente que convive séculos com as mesmas pessoas, rotinas de trabalho intermináveis e meses fora de casa. Mas, para além do bem e do mal, esses entreveros também serviram como mote de inspiração para composições acertadas e que deixaram sua marca no rock n´roll:

1) "Mixed Emotions"
STEEL WHEELS – ROLLING STONES (1989)

"Não é mais engraçado/É maior do que o dinheiro/Você não me comove mais". Lançada em 1988, no álbum debut de KEITH RICHARDS ("Talk is Cheap"), "You Don´t Move Me", é o retrato cru da mais que desgastada relação com JAGGER em meados daquela década. No ano seguinte, "STEEL WHEELS", o último registro em estúdio dos STONES naquela década, trouxe a faixa em epígrafe (música de RICHARDS e letra de JAGGER), que trouxe versos conciliadores como: "Vamos fazer as pazes/Apagar o passado/Fazer amor juntos/Permanecer no caminho" ou "Você não é a única/Com emoções misturadas/Você não é o único navio/À deriva neste oceano". Apesar de aparentemente se dirigir a uma mulher (o que JAGGER jura ser sua inspiração), pra bom entendedor meio verso basta....

2) "We Are The Clash"
CUT THE CRAP – THE CLASH (1985)

Mesmo com noventa por cento da crítica descendo o cacete, "Cut The Crap"é um registro mediano de uma banda de quem sempre se esperou muito. Mas após intermináveis crises, as demissões de TOPPER HEADON e do genial e falastrão MICK JONES, brigas com gravadoras, e todo enredo que se seguiu, STRUMMER aproveitou para extravasar a raiva contra JONES (em shows após a saída do guitarrista, STRUMMER bradava ao microfone: "vai se fuder herói da guitarra" durante a execução de "Complete Control" do primeiro disco), em frases tentando mostrar uma pálida (mas ainda honesta) tentativa de unicidade: "Nós não vamos ser tratados como lixo/Temos uma coisa/Nós somos o confronto/Está certo/Nós somos o CLASH".

3) "Bad Attitude"
HOUSE OF THE BLUE LIGHT – DEEP PURPLE (1987)

Quando vejo essas briguinhas midiáticas entre "estrelas" atuais, fico pensando no inferno que deveria ser a convivência (sobretudo após a volta em 1984), entre IAN GILLAN e RITCHIE BLACKMORE. Nem os irmãos FOGERTY ou os DAVIES (do KINKS) conseguiram encrencar mais do que esses dois (GILLAN foi despedido duas vezes em oito anos), até BLACKMORE puxar o carro. "Se é possível sentir raiva e tristeza ao mesmo tempo é assim que me sinto", disse JON LORD após o show de despedida de um irascível BLACKMORE. Em "Bad Attitude" (creditada com uma composição conjunta, mas cuja letra foi totalmente redigida por GILlAN- que sairia da banda logo depois), dispara: "Você me trancou numa gaiola de papel/ Você pensa que estou acorrentado mas estou apenas amarrado/Afaste-se e saia do meu caminho/Não vou te machucar, já tenho sido pressionada o suficiente/Você se deparou a muitos problemas/Você se deparou a um mal negócio/Você diz "Eu tenho uma má atitude"/Como você acha que me sinto?"

4)"Broken Arrow"
BUFFALO SPRINGFIELD AGAIN - BUFFALO SPRINGFIELD (1967)

Duas coisas sobre NEIL YOUNG são axiomáticas: ele é tão genial quanto difícil. Antes do segundo registro do BUFFALO SPRINGFIELD, YOUNG surtou e abandonou o barco: "Eu estava ficando louco: amávamos e nos odiávamos o tempo inteiro. Comecei a me sentir como se não tivesse que responder ou obedecer a ninguém. Eu precisava de mais espaço". Entretanto, antes das gravações, o canadense voltou a banda (de onde sairia no ano seguinte), e efetuou o registro, repleto de metáforas sobre confusão e abandono. Mas como STEPHEN STILLS diria, com ar confessional, tempos depois: "Estávamos da idade em que você pode facilmente adquirir a `síndrome de diva´ antes de ser efetivamente algo- e foi isso que aconteceu naquela época."

5) "Carouselambra"
IN THROUGH THE OUT DOOR - LED ZEPPELIN (1979)

ROBERT PLANT escreveu essa letra a respeito do estado da banda na época: Jimmy PAGE (afundado em heroína) e JOHN BONHAM (em estado severo de alcoolismo) estavam mais interessados na vida de rock star, enquanto ele e JONES "carregavam o piano" na gravação. A letra (que quase acabou quase soterrada na mixagem, principalmente pelas camadas de guitarra) , deixa seu recado ( e por que não dizer, um prenúncio): "Irmãs do caminho toleram ao lado do seu tempo no silêncio da paz/ Aguardem o seu lugar dentro do anel da calma/Ainda estamos a transformar em segundos de libertação/Aguardem o convite que poderá não chegar."

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Led ZeppelinLed Zeppelin
Robert Plant acha horríveis seus vocais no começo da carreira

1678 acessosVlog Rock: o significado dos símbolos do Led Zeppelin202 acessosEm 24/02/1975: Led Zeppelin lança o álbum Physical Graffiti473 acessosRobert Plant: unboxing do novo álbum, "Carry Fire"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Led Zeppelin"

Led ZeppelinLed Zeppelin
Ruiva faz homenagem à banda em pole dance

Rock In PeaceRock In Peace
As mortes mais marcantes do Rock/Metal

EsquireEsquire
Os setenta e cinco discos que todo homem deve ter

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"0 acessosTodas as matérias sobre "Buffalo Springfield"0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"0 acessosTodas as matérias sobre "Clash"0 acessosTodas as matérias sobre "Rolling Stones"


MetallicaMetallica
Lars Ulrich: "Eu não sou um baterista talentoso!"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
"O Iron Maiden é melhor que o Metallica"

Eric ClaptonEric Clapton
Saiba mais sobre a doença que o acometeu

5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 19855000 acessosPapai Truezão: astros do Heavy Metal em fotos com seus filhos5000 acessosHelter Skelter: a música que Charles Manson "roubou" dos Beatles5000 acessosSlash: o que acontece quando ele toca "Sweet Child O' Mine"?5000 acessosAerosmith: os álbuns da banda, do pior para o melhor5000 acessosHighways to Hell: As ruas mais rock'n roll do planeta

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 04 de outubro de 2016


Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online